Pesquisar
Close this search box.

A quebra do establishment na democracia liberal

A quebra do establishment na democracia liberal

Por Ighor Teles Silva

Inicialmente, cabe destacar que o tema sugerido é de profunda complexidade e de intensa imersão quanto ao conteúdo político e sociológico, pois as peculiaridades e as formações sociais dos Estado-Nação são fatores que incidem diretamente no seio desta discussão.

Por outro lado, existe um fator comum em quase todos os Estados: que é o modelo de democracia, com forte viés o liberalismo, introjetado no imaginário da população como cenário ideal de representatividade por meio do voto – sendo esta conquista importantíssima para o avanço social e a conquista de direitos sociais.

Esta forma de representação constitui elementos que estimulam a busca pelo poder através da defesa de bandeiras que possuem extrema relevância para a sociedade, de forma que os possíveis representantes que poderão ser escolhidos pelo povo se expressam publicamente exteriorizando seus anseios, projetos e suas crenças; com o objetivo de resolução dos problemas cotidianos da população.

Antes de buscar atingir o cerne da questão, existe a necessidade de conceituar duas expressões que serão constantes no texto: democracia e liberalismo.  Neste sentido, muitos autores se debruçaram sobre a não difícil e importante tarefa de tentar estabelecer um conceito que abrangesse a complexidade de que trata este sistema e que tem por objetivo alcançar algumas metas para a sociedade e aqui, cumpre destacar algumas dessas metas, como por exemplo:liberdade de formar e aderir a organizações; respeito às minorias e busca pela equidade; liberdade de expressão; direito de voto; elegibilidade para cargos públicos; direito de líderes políticos disputarem apoio e, consequentemente, conquistarem votos, no qual destacam-se a liberdade de escolha, de formação política e o voto que tem função de sustentação deste modelo de representação.

Já o liberalismo, doutrina político-econômica com viés na liberdade individual e na propriedade privada, prevê intensa limitação da intervenção do Estado tanto na política, quanto na economia, propondo que o seja o regulador e provedor da distribuição dos modos de produção e da renda para a população.

Entretanto, as crises cíclicas deste sistema – oriundas, por sua vez, crises cíclicas do sistema econômico capitalista como um todo – desnudam o que há de pior em termos de representatividade na sociedade, escancarando a incidência de desníveis sociais grotescos e, ao mesmo tempo, registrando o aparecimento de movimentos ultra-radicaisque enveredam para a ideologia da supremacia racial: demonstrando, assim, todo o racismo contido e enrustido na sociedade,.

Neste sentido, a fragilidade demonstrada leva à fragmentação social, onde a estratificação exercida pela política econômica atrelada à política de Estado mergulha em um caos social fomentado com a preponderância ao lucro. A representação política tem perdido a confiança e a força perante a sociedade.

Os partidos políticos e seus expoentes inseridos numa engrenagem corrupta criaram uma crise de identidade ante aos anseios da sociedade, onde uma lacuna representativa originou diversos movimentos e partidos aproveitando-se dos escândalos envolvendo os já citados partidos e seus correligionários.

.Com o mesmo fio condutor, é possível traçar um paralelo que deixa cristalino alguns aspectos semelhantes e repetidos em diversos cenários políticos em diversas partes do mundo. Exemplificando com um país com elevado desenvolvimento social e econômico lança-se mão das eleições da Espanha, que sofreu uma grande crise econômica no final da década de 2010, agravando a desigualdade social e estimulando o renascimento de um sentimento nacionalista com ideais voltadas à soberania nacional. Retórica essa que vem de encontro à proposta dos fluxos globais potencializados pela migração, alimentando-se pelo medo e pela sensação de não pertencimento do migrante à nação em que vive.

Outro fator que ganhou força entre os eleitores foi descontentamento com a classe política e o establishment consolidado e imerso na corrupção sistemática, que teve seu estopim nas grandes manifestações com contornos políticos moldados pela indignação social.

Neste processo, marcado por  mudança e reorganização com certa renovação política, uma ferramenta já utilizada tornou-se fundamental para a propagação das ideias e anseios políticos:  as redes sociais, que por sua vez, cumpriram um papel que já não mais cabia aos meios tradicionais (televisão, rádio, panfletos etc) e entraram , como veículo de informação,  nos lares,  famílias e  círculos sociais que antes tinham perdido conexão com a política. Por fim, cumpre explanar que a reoxigenação e a reaproximação da sociedade com a democracia se deu pela renovação dos quadros políticos e da repactuação do modelo de disputa, onde antes dominava o bipartidarismo  e agora o quadripartidarismo tomou à dianteira, inaugurando uma representação mais abrangente e com mais opções dispostas à sociedade.

No que se refere à representatividade , é importante consignar que a afetação sofrida é advinda das grandes crises econômicas que basilam as políticas de Estado e, por conseguinte suas políticas econômicas. Fato é que o desleixo e a rejeição social pelo sistema político como um todo é reflexo das práticas exercidas pelos “escolhidos do povo” que, quando são atrelados aos escândalos de corrupção, agravam o descontentamento e a desilusão política.

Desta forma, os outsiders ou os políticos que não pertencem àquela ordem já estabelecida ganham força ante a sociedade com os discursos aferidos a partir da demonstração da insatisfação. O fio condutor que carrega toda essa informação é parte de um sistema que perpassa os novos meios de comunicação, de processamento de dados e interpretação dos dados captados. Nesse sentido, possibilita que a confluência das informações gere um emaranhado capaz de fortalecer determinado projeto político.

Por fim, os impasses da democracia são gerados em momentos de crise do sistema econômico vigente, vislumbrando o vácuo de tomada de decisões deixado pelos governantes eleitos, a imersão da sociedade numa perspectiva de extrema desigualdade, a diminuição do Estado de Bem-Estar social e o envolvimento dos políticos tradicionais em esquemas corruptos. Todos esses fatores aliados geram instabilidade social com reflexos direto na sociedade que não se sente representada pela classe política.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

IGHOR TELES SILVA – BACHAREL EM DIREITO.  MESTRANDO EM ESTADO, GOVERNO E POLÍTICAS PÚBLICAS – FLACSO-FPA


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15 e1615110745225

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA? 

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/categoria-produto/revista/”]ASSINE AQUI[/button]

BFD105E7 B725 4DC3 BCAD AE0BDBA42C79 1 201 a

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados