LOGO BRANCA XAPURI
Pesquisar
Close this search box.

As Mulheres e a Resistência na Ditadura: Lutas, prisões e torturas

As Mulheres e a Resistência na Ditadura

Depoimentos sobre lutas, prisões e torturas – Os anos 60 E 70, foram marcantes para a liberação das mulheres. O movimento hippie, pregando a liberdade, a paz e o amor, foi também um protesto à guerra deflagrada pelos norte americanos contra o Vietnã, mas teve uma grande influência no comportamento das mulheres, dando início a um período mais liberal.

Por Ivete Caribé da Rocha

Nessa década aconteceram os movimentos organizados e protestos dos estudantes por todo o mundo. No Brasil, com a implantação da ditadura civil militar através do golpe de 1964, vieram muitas mudanças no ensino público, sob a cartilha do acordo MEC-USAID, imposto pelos EUA. Entre as várias mudanças nos métodos de ensino, ainda cogitava-se que todas as universidades públicas, passassem a ser pagas. Essas questões e mais a falta de liberdades, fizeram eclodir protestos em todo o País e a repressão militar passou a agir com uma crescente violência.

Em 13 de dezembro de 1968, o governo ditatorial baixou o Ato Institucional nº 5 (AI-5), concedendo amplos poderes ao presidente da República, inclusive, o de cassar mandatos de deputados, senadores, vereadores e ministros e intervir nos Estados e Municípios, além de suprimir a liberdade de imprensa e de manifestações populares e de suspender o habeas corpus para diversas situações.

Dilma ditadura

Diante dessa completa quebra do estado de direito e das prisões que passaram a ocorrer, os partidos de esquerda se organizam para a resistência. Estudantes e trabalhadores foram os que mais responderam ao chamado e as mulheres vieram juntas para essa resistência, nas Escolas, Universidades e fábricas.

A resposta do aparato repressivo da ditadura civil-militar, foi muito cruel e atingiu especialmente as mulheres que ousaram resistir às graves violações do regime que pôs fim as liberdades, perseguindo, prendendo, torturando e assassinando quem era apontada como inimiga do regime.

As mulheres sofreram as mais graves e degradantes torturas, sendo expostas a toda espécie de vilipendio de seus corpos, choques elétricos nos seios e órgãos genitais, pancadas nas faces, estupros coletivos, humilhações e ofensas com palavras de baixo calão, foram fatos relatados às Comissões Estaduais da Verdade e a Comissão Nacional, através de depoimentos de vítimas e testemunhas.

E foi justamente uma mulher que sofreu prisões, graves torturas, viu e deu forças a companheiras que passaram pelos mesmos covardes torturadores, a presidenta Dilma Rousseff, quem teve a coragem de criar a Comissão Nacional da Verdade, que investigou as graves violações da Ditadura Civil-Militar de 1964

Um olhar pela história das ditaduras do Cone Sul, mostra que em todos os regimes instalados nas décadas de 1960 a 1980, as mulheres foram alvo da maior crueldade e covardia dos repressores. Ao visitar Centros de Memória da Argentina e Chile, impressiona o número de mulheres desaparecidas, assassinadas e torturadas.

Todas jovens, estudantes ou trabalhadoras. No Memorial da Escola de Armada (ESMA), em Buenos Aires, no sótão de um dos prédios, está preservado o local onde as mulheres grávidas eram levadas até o momento de dar à luz, logo após, os bebês eram levados pelos militares e as mães, em geral, colocadas nos “voos da morte” e atiradas ao mar. O local onde essas mulheres aguardavam o nascimento de seus bebês, eram pequenos cubículos, sem janelas, apenas com uma porta de ferro e uma abertura nessa porta.

A Comissão Estadual da Verdade Teresa Urban, realizou inúmeras audiências públicas e ouviu muitos depoimentos de mulheres alcançadas pela violência do regime ditatorial. Entre esses depoimentos, alguns foram marcantes. O da própria Teresa Urban, que dá nome à Comissão da Verdade do Paraná, que foi militante estudantil nos anos mais duros, entre 1968 e 1972, presa e indiciada pela Justiça Militar, teve de exilar-se no Chile e ao retornar, em 1973, com dois filhos pequenos, foi presa, só saindo para prisão domiciliar, pela interferência da Irmã Araújo.

Outro depoimento feito em conjunto com a Comissão Nacional da Verdade, foi o de Isabel Fávero, em Foz do Iguaçu, relatando as inúmeras torturas que sofreu no Batalhão de Fronteiras, além de ouvir os gritos de seu marido durante as sessões de choques elétricos e outras torturas.

Outras mulheres também revelaram suas histórias de lutas e prisões, como a Dra. Clair da Flora Martins, Ana Beatriz Fortes, a Professora Zelia Passos e a professora Judite, entre tantas bravas e corajosas.

Teresa Urban Gazeta do PovoTeresa Urban. Foto: Gazeta do Povo

As mulheres foram fundamentais na luta pelo fim da ditadura civil-militar e pela Lei de Anistia. Constituíram Comitês por todo o Brasil e enfrentaram todas as faces do terrorismo de estado, com muito destemor. A primeira presidenta e fundadora da Comissão de Anistia, foi Terezinha Zerbini, mulher de um general preso na ditadura, ela também ex-presa politica, não se deixou jamais vencer pelo medo, a despeito de muitas ameaças que sofreu.

Não se pode esquecer do Movimento das Mães da Praça de Maio, em Buenos Aires, ainda durante o período da ditadura na Argentina, que reclamavam pelas filhas, filhos e netos desaparecidos, netos que foram criados pelos próprios militares repressores e que até hoje são descobertos pelas avós. Foi essa luta diária, sem violência, mas resistente e corajosa, que deu visibilidade aos horrores da ditadura e ao fim de um dos regimes mais violentos da América Latina.

Nossas homenagens e eterno agradecimento a todas essas valorosas mulheres e aquelas que a história não logrou conhecer pela coragem e exemplo que nos legaram!

Ivete Caribé da Rocha é advogada e integrante da Comissão Estadual da Verdade Teresa Urban – GT Operação Condor Fonte desta matéria: Professora Josete  Dica da historiadora Marcia Medeiros, de Curitiba.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes