Pesquisar
Close this search box.

As Paixões 2

As Paixões 2

Por Giselle Mathias

Percebi em mim que os medos criaram fantasias e escureceram minha visão sobre o que acontecia, minha ânsia em não ser mais encarcerada ou ser apenas um território conquistado e colonizado turvaram meus pensamentos e atitudes, porque simplesmente não poderia viver novamente como uma ave de asas cortadas…

Cega pelo pânico e traumas acreditava em todos os padrões que até então estavam presentes em mim, mas dessa vez desejei inverter os papéis, mesmo que eles não estivessem postos diante daquele sentimento. O Avassalador, apesar do quanto eu me colocava como alguém quase que inatingível, sempre era gentil, mostrava-me a todo o momento o sentimento que sentira e o quanto desejava a junção entre nós.

Pacientemente, compreendia o meu momento e acredito que percebera as minhas contradições e como eu vacilava apesar de toda a paixão, e quem sabe o amor que já estava instalado dentro de mim. Conversávamos, ouvia-o dizer o quanto desejava o encontro, como pensava em mim e o quanto se sentia desconcentrado porque sempre lembrava do dia em que nos conhecemos, o meu cheiro que ele insistia em afirmar, que apesar da distância e do perfume que usava, a ele foi possível sentir e estava gravado em sua memória.

Eu apenas sorria! Correspondia de forma tímida e desconfiada as suas falas, sempre com muito receio me aproximava, mas tentava manter algum controle sobre as minhas emoções e não deixar transparecer toda a paixão que sentia.

Não sei se acredito em algo divino, no destino, no universo ou nas energias, mas inúmeras vezes quando uma leve brisa batia eu sentia o seu cheiro, como se ele estivesse ao meu lado, apesar de ainda não termos nos tocado, minha memória havia gravado o perfume que o seu corpo exalava no dia em que nos conhecemos, e cada vez que lembrava daquele aroma, desejava e ansiava pelo beijo que ficara na promessa para o próximo encontro.

Porém, não tive a coragem de dizer-lhe como realmente me sentia; tentava controlar aquele sentimento, achava que era ilusão, uma carência minha, não poderia ser real. ED ria de mim, dizia que eu só estava apaixonada, não era para ter medo, o Avassalador demonstrava todo o seu desejo, e aquela sensação não era só minha, estávamos os dois apaixonados.

Após algumas semanas nos encontramos, estávamos com amigos, sentamo-nos todos juntos, parecíamos tão sintonizados que até as cores de nossas roupas eram iguais, o que foi motivo de observação e brincadeiras. A noite foi muito agradável, nos divertimos e conversamos muito. Na hora de irmos embora ele se aproximou e disse que precisava de uma carona, pois tinha deixado seu carro em casa, queria estar a sós comigo. Dei um leve sorriso e lhe disse que queria o mesmo.

Fomos até meu carro e entramos, olhei para o lado e ele me olhava atentamente, sorrindo aproximou-se e levemente me beijou, nos abraçamos com tanta força como se quiséssemos naquele momento juntar nossos corpos em um só, era incontrolável a vontade de união. Naquele dia fomos para o seu apartamento, e a junção de nossas peles, cheiros, sabores e sentimentos se concretizaram, nos tocávamos com tanto desejo, que senti, no encontro de nossos corpos, o quão sublime foi aquele instante, tanto que transcendia nossa matéria corpórea e era quase como se estivéssemos fazendo uma oração.

O café da manhã foi maravilhoso; acordar ao lado dele, ver seu rosto sonolento e o sorriso em seus lábios me contemplou; conversamos enquanto eu tomava um café; parecia como se estivéssemos juntos há anos. Olhava para ele e não conseguia pensar em mais nada, apenas admirar cada palavra dita, cada gesto, o brilho nos olhos e até mesmo o bocejo que dava porque ainda estava cansado.

Estava na hora de ir embora, precisava ir para o consultório, tinha uma paciente no fim da manhã. Nos despedimos, entrei no carro e fui para casa; quando cheguei já havia uma mensagem dele me dizendo para ter um bom dia e que ao final da tarde iria a minha casa para que pudéssemos matar a saudade que já deixara quando parti. Andei nas nuvens o dia todo, não conseguia me concentrar em nada, o cheiro dele estava presente em mim, minha mente voltava a todo instante ao momento em que nos unimos.

Olhava o relógio a cada minuto, ansiosa para chegar o horário em que novamente iriamos nos conjugar e comungar nossos corpos. Não preciso dizer o quanto foi maravilhoso estarmos juntos novamente. Os dias se passaram e a intensidade da minha paixão aumentava absurdamente, mas infelizmente o pânico de repetir o passado me atormentava, porém dessa vez sentia que eu me aprisionava, não era algo dele; o encarceramento partia de mim, a confusão se instalava e a paixão se misturava a dor da possibilidade de voltar a cumprir a pena de prisão. Não conseguia ver que talvez ali não existiriam as celas, gaiolas ou tesouras que de alguma forma podariam as minhas asas.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

IMG 8012
WhatsApp Image 2022 07 01 at 14.54.51 1
5F00E586 66F0 4CD3 BAF5 DBFCEF8B566E

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Block

Salve! Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você!

P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, em qualquer dia. GRATIDÃO!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes