Bichos de cabelo: os "da mata" e os "de casa"

Bichos de cabelo: os “da mata” e os “de casa”

Bichos de cabelo: os “da mata” e os “de casa”

Os bichos de cabelo, que correspondem aproximadamente aos mamíferos, subdividem-se em “famílias” de animais agrupados a partir dos critérios mencionados na morfologia, nos hábitos e ambientes. 

Por Manuela Carneiro da Cunha e Mauro Almeida

Assim, dentro do grupo dos bichos de cabelo, há os grupos dos gatos, dos cachorros, dos ratos, dos porcos (todos com membros, “da mata” e “de casa”); dos macacos, dos tamanduás, das mucuras (sem equivalentes “de casa”); há tipos isolados (o cuandu) e os grandes animais – antas e veados – que, embora haja análogos “de casa”, não têm nome em comum com eles.

No interior desses amplos grupos de animais aparentados, existem categorias que apontam para tipos (macaco-de-cheiro, soim-branco, paca-concha ou paca-china); e finalmente há “qualidades”. O grupo dos macacos compreende os macacos propriamente ditos (distinguindo-se os macacos dos macacos-soins) e também animais eventualmente classificados como macacos por suas características morfológicas, de hábito e ambiente – por exemplo preguiças, quati, bule-bule (ou quincaju). 

Analogamente, o grupo dos ratos compreende os ratos legítimos (os ratos da mata e os de casa); ao raciocinar e refletir sobre as categorias de animais, o grupo dos ratos é ampliado para incluir bichos que “são ratos” por sua morfologia e hábitos: “Todos os bichos que roem são um tipo de rato: a paca, a cutia, o quatipuru… Todo bicho que rói só tem dois dentes, dois em cima e dois embaixo; eles só têm amolagem (dentes incisivos)”, diz Seu Lico seringueiro. Os morcegos são às vezes assimilados aos ratos (porque são gerados “de rato”).

Os grupos dos porcos, gatos, cachorros e ratos compreendem claramente os grupos silvestres e domésticos. Pelo contexto, sabe-se quando o seringueiro se refere aos bichos da mata ao falar “porco”, “gato” ou “rato”, é mais comum qualificar dizendo “porco de casa” ou “gato de casa” do que acrescentar “porco da mata” ou “gato da mata”.

O grupo que reúne a anta, o veado e os porcos (caititu e queixada) não têm um nome único baseado no critério de morfologia e hábito, embora os seringueiros reconheçam que são “bichos de unha”; nesse caso, o termo “caça” coincide com esse grupo morfológico.

Os bichos de cabelo caracterizam-se por terem quatro pés – ficam assim excluídos os botos – e serem animais que dão à luz e mamam.

Manuela Carneiro da Cunha – Antropóloga, em Enciclopédia da Floresta – O Alto Juruá: Práticas e Conhecimento das Populações – Organizadora. Editora Companhia das Letras, 2002.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Mauro Almeida – Antropólogo, em Enciclopédia da Floresta – O Alto Juruá: Práticas e Conhecimento das Populações Organizador. Editora Companhia das Letras, 2002.

https://xapuri.info/elizabeth-teixeira-resistente-da-luta-camponesa/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora