Pesquisar
Close this search box.

COP 28: países querem levantar R$ 20 bilhões para conservar manguezais

COP 28: países querem levantar R$ 20 bilhões para conservar manguezais

Brasil adere à meta global para restaurar e proteger 15 milhões de ha desses ecossistemas e interromper sua destruição, até o fim da década.

Por Aldem Bourscheit/O Eco

Cerca de oito em cada dez hectares (ha) da área brasileira de mangues está no litoral amazônico, mas essas formações chegam ao sul da costa atlântica, no município de Laguna (SC). Dali em diante, esses ecossistemas têm características naturais distintas e são chamados de marismas.

Como florestas fazendo pontes entre ambientes terrestres e marinhos, os mangues têm uma dinâmica natural arraigada ao sobe e desce das marés. Seus labirintos de troncos e raízes compõem ambientes onde inúmeros animais procriam, na segurança desses berçários à beira-mar.

Além de proteger a biodiversidade costeiro-marinha, crucial para atividades comerciais e extrativistas, os mangues guardam grande carga de gases de efeito estufa, reduzem erosões e outros estragos de tempestades e da subida do mar, defendem o litoral de poluentes e lixo trazidos por rios e chuvas.

Apesar de sua importância, metade dos manguezais já foi perdida globalmente. Urbanização, turismo, carcinicultura e obras de infraestrutura predatórias são os principais motores dessa destruição, arriscando a vida selvagem, populações e investimentos humanos.

“Em muitos locais, como Myanmar, Guiné-Bissau e Madagascar, perdemos mangues num ritmo alarmante e, com eles, a defesa costeira contra as alterações climáticas para milhões de pessoas”, disse Pieter van Eijk, diretor do Programa de Deltas e Costas da ong Wetlands International.

Tentando frear sua eliminação e assegurar os múltiplos serviços dos mangues, uma iniciativa global anunciada na COP 28, a 28a conferência do clima das Nações Unidas, em Dubai, elencou meios para levantar o equivalente a R$ 20 bilhões, até o fim desta década.“O evento destacou o papel único dos manguezais na aceleração da realização do Acordo de Paris (sobre clima) e da Estrutura Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal”, diz Ana Paula Prates, diretora do Departamento de Oceano e Gestão Costeira do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA).

Numa Rede Social, Ana Prates confirmou a adesão do Brasil à iniciativa global para proteger esses ecossistemas, ao lado de uma lista crescente de outros governos nacionais, entidades civis, empresas, instituições financeiras e de pesquisa.

Os mangues (verde) estão presentes em 117 países, onde cobrem cerca de 147 mil Km2, semelhantes à metade da área da Itália. Fonte: The State of the World’s Mangroves 2021

Os recursos devem ser investidos na proteção e restauração de 15 milhões de ha de mangues em diferentes pontos do globo, uma área similar a do estado do Ceará ou de Bangladesh. A mobilização pelos mangues consolidada nesta COP começou na conferência anterior, em novembro passado, no Egito.

O documento base da aliança pelos manguezais traz políticas, tecnologias e oportunidades para novos investimentos públicos e privados que apoiarão a manutenção e recuperação dos mangues, conta Razan Al Mubarak, alto responsável das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas na COP28.

“São necessários fluxos de longo prazo de capital público, privado e filantrópico para manter os mangues saudáveis e em pé, criar negócios e meios de subsistência positivos para a natureza e para as pessoas, e para regenerar e restaurar os mangues degradados”, ressalta o especialista.

Todavia, além de desbloquear dinheiro na escala necessária à proteção dos mangues, decisões políticas e técnicas sobre sua aplicação não podem ser tomadas isoladamente pelo setor político. Comunidades locais, indígenas, ongs são indispensáveis nas mesas de negociações.

“Este roteiro financeiro é uma mão orientadora. As suas recomendações são simultaneamente pragmáticas e ambiciosas, identificando oportunidades para reunir diversos actores em torno de uma direção de viagem partilhada e de prioridades conjuntas urgentes”, avalia Al Mubarak.

Mangues abrigados no Parque Natural Municipal Barão de Mauá, em Magé (RJ). Foto? Tomaz Silva / Agência Brasil

De acordo com o guia de financiamento, 60% das perdas de manguezais desde o ano 2000 se devem a impactos humanos, sobremaneira pela produção de camarões, peixes, arroz e óleo de palma, mas inclusive de carvão.

A desenfreada destruição desses ambientes causará a emissão de avassaladoras quantidades de gases de efeito estufa. A perda de mais 1% dos mangues remanescentes no planeta pode liberar o equivalente à poluição anual de 50 milhões de automóveis.

Por outro lado, se forem restaurados ao menos 800 mil ha de mangues no planeta, 350 milhões de toneladas de Dióxido de Carbono (CO2) seriam capturadas. 

No Brasil, 1.700 ha de mangues e restingas nas regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul devem ser recuperados com R$ 47,3 milhões, protegendo a biodiversidade e o litoral da crise climática. O dinheiro é do BNDES e da Petrobras.

Milhões de pessoas igualmente serão afetadas pela perda de mangues, especialmente comunidades costeiras e indígenas em pequenas nações insulares, onde estão 11% dos mangues planetários. Além disso, os gastos anuais com inundações crescerão US$ 65 bilhões.

Quanto à riqueza da vida selvagem, as perdas globais de mangues arriscam diretamente 1.500 espécies costeiro-marinhas. Dessas, 341 já estão ameaçadas de extinção. Com informações da UNFCCC Climate Champions.

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes