Pesquisar
Close this search box.
Cura para quase tudo: O sagrado feminino

Cura para quase tudo: O sagrado feminino

Cura para quase tudo: O sagrado feminino no ofício da Raizeira Telma Suely

O ofício de raizeira, de cura e sublimação do Sagrado Feminino teve representante no Distrito Federal: Dona Francisca Raimunda do Núcleo Bandeirante. O Ervanário Cheiro de Terra  resgata essa ancestralidade e continua pelas mãos de Telma Suely

Por Eliana Feitosa

Entre cheiros de temperos, pomadas, ervas, cascas, unguentos, xaropes, garrafadas e histórias de alegria em muitas famílias, Telma Suely cresceu acompanhando a mãe Dona Francisca Raimunda em seu ofício de raizeira, grande parte na Feira Permanente do Núcleo Bandeirante, no Ervanário Cheiro da Terra.
Quando criança, Telma Suely e a família faziam uso do mastruz e da batata de pulga como vermífugo e cicatrizante, são os remédios do mato que a família utiliza e recomenda até hoje.
Embora a variedade de produtos seja grande, são as garrafadas de saúde da mulher para “limpeza” do útero que, segundo inúmeros relatos, auxiliaram mulheres a viver a experiência da maternidade. Alecrim, artemísia, barbatimão, calêndula, camomila, erva-doce, sálvia, uxi amarelo, unha-de-gato, lavanda e manjericão são as ervas que tratam a saúde feminina.
Telma Suely, hoje aos 59 anos, se dedica integralmente ao ofício de raizeira que aprendeu com a mãe: “Aprendi muito com ela, no dia a dia, mas estudei nos livros e apostilas dela também. Cresci vendo famílias voltarem para agradecer com lindas crianças no colo, minha mãe por anos fez muitas garrafadas da saúde da mulher, e eu continuo esta missão”.
A garrafada de saúde da mulher é o principal produto comercializado no Ervanário Cheiro da Terra. É feita a partir da combinação de ervas, cascas, e da maturação de tempo necessária, saber ancestral que a raizeira Telma Suely aprendeu com a mãe, dona Francisca, que partiu aos 87 anos de vida, todos dedicados ao conhecimento tradicional de plantas, ervas e seus usos, em especial à saúde da mulher.
O uso das plantas medicinais no tratamento e na cura de enfermidades é tão antigo quanto a existência humana. Ainda hoje este saber e conhecimento tradicional representa o único recurso terapêutico para muitas comunidades. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS, 2000), aproximadamente 80% da população mundial utilizam plantas medicinais como principal ou única opção terapêutica.
O sagrado feminino e a ginecologia natural nascem da necessidade de enxergar o corpo das mulheres de forma integral. O sistema patriarcal e racista provoca nas mulheres, principalmente as negras, agressões a sua integridade mental, emocional, física e espiritual.
As garrafadas de saúde da mulher, a medicina do sagrado feminino, repassada entre as gerações de raizeiras, na perspectiva holística, é uma forma contra hegemônica de cuidar-se e curar-se, pois não alimenta a indústria farmacêutica e a medicina ocidental.
O ofício da raizeira Telma Suely presente nas garrafadas de saúde da mulher, conhecimento herdado de sua mãe, é fundamental hoje em um contexto de adoecimento feminino e da necessidade dos cuidados com a saúde ginecológica. Este conhecimento tende a se tornar cada vez mais necessário, pois a medicina ocidental comprovadamente não trata o indivíduo na sua plenitude.
Ervas, cheiros, cascas, raízes, óleos, essências, unguentos, pomadas e chás são uma alternativa importante no autocuidado, na prevenção do adoecimento e na espiritualidade presente na cura para quase tudo, presente também no cotidiano dos grandes centros urbanos.

Eliana Aparecida Silva Santos Feitosa – Professora na Secretaria de Educação do Distrito Federal, Tutora na UAB/UnB no curso de Geografia, Instrutora do Curso de Formação de Oficiais da PMDF na disciplina de Geografia Regional do DF. Pesquisadora do conhecimento tradicional do ofício de raizeiros.

NOTA – Este artigo é parte integrante da pesquisa de doutoramento intitulada “Cura para quase tudo: mapeamento social dos raizeiros do Distrito federal”, sob a orientação da professora Dra. Marília Luiza Peluso, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Geografia da Universidade de Brasília.

Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes