Pesquisar
Close this search box.

GOVERNO ANUNCIA AÇÕES PARA REDUZIR ESPERA

Governo Lula anuncia ações para reduzir espera por atendimento especializado

Em coletiva com Lula e Nísia Trindade, ministra anunciou, entre outras medidas, o programa Mais Acesso a Especialistas, o SUS Digital e a ampliação do horário das UBSs

Por Priscila Lobregatte

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra da Saúde, Nísia Trindade lançaram, nesta segunda-feira (8), novas medidas para reduzir o tempo de espera por atendimento, ampliar o acesso a especialistas e melhorar o serviço à população no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Na ocasião, também foram feitos um balanço das ações já realizadas e uma coletiva de imprensa. Além disso, como forma de incentivar a população a se vacinar, Lula tomou o imunizante contra a gripe. 

“Eu penso que a questão da saúde no Brasil precisa, sempre que possível, que a ministra da Saúde se dirija ao povo — e hoje temos mecanismos para isso. Muitas vezes, o povo precisa de orientação porque o povo mais pobre, mais periférico, mais longínquo das capitais sofre, uma vez que na periferia nem sempre se atende às necessidades das pessoas”, declarou Lula.

Desde o início do mandato, o Centrão tem pressionado para que o ministério seja ocupado por algum político representante desse segmento fisiológico, de olho no alto orçamento e grande capilaridade da pasta. Durante os novos anúncios, Lula elogiou a ministra em mais de uma oportunidade, sinalizando a manutenção da titular. “Duvido que alguém não acredite na Nísia”, declarou o presidente. 

Em outro momento, salientou: “O Ministério da Saúde estava com 13 mil médicos na área da saúde da família e passou para 25 mil, ou seja, é simplesmente dobrar o número de médicos nesse país — em apenas um ano, você (Nísia) conseguiu fazer isso. E o que é mais importante: 54% são mulheres. Isso é extraordinário”. 

Ao falar sobre os anúncios, a ministra afirmou: “O que estamos lançando hoje é uma visão que une desde a unidade básica de saúde (UBS) até o acesso a exames, consultas a especialistas e procedimentos que precisem ser feitos”. 

Nísia lembrou que “80% dos problemas podem ser resolvidos em UBSs” e que o acompanhamento do paciente “continuará a ser feito tendo a UBS como centro de todo o processo”. Segundo a ministra, tal funcionamento tem como referência sistemas públicos de outros países, como Reino Unido, Espanha e Canadá. 

A ministra disse, ainda, que será feito um “monitoramento ativo das ações” por meio de outra novidade, o SUS Digital. “Vamos avaliar esse atendimento e trabalhar nesse modelo de forma integrada e com reforço na visitação às casas das famílias. Nossa meta é alcançar 80% de cobertura — mas, quero frisar aqui, com atendimento de qualidade”, argumentou.

Sobre o Mais Acesso a Especialistas, um dos anúncios feitos no evento, Nísia explicou que o programa “vem sendo trabalhado desde o ano passado, na medida em que atuamos não só na redução das filas de cirurgias, mas também habilitando serviços e orientando ações em todo Brasil, como é o caso das policlínicas e do trabalho junto a toda a rede de hospitais filantrópicos. Mas, além disso, tem todo o trabalho de construção de como fazer com que essa rede atue junto com a rede própria e privada a favor da população e em benefício do SUS”. 

Ações anunciadas

Uma das principais ações anunciadas pelo governo foi o programa Mais Acesso a Especialistas, que vai ampliar a oferta de atendimento por meio de, entre outras medidas, a telessaúde — sistema de prestação de serviços à distância — via SUS Digital. 

Segundo o Ministério da Saúde, o novo programa vai permitir um diagnóstico mais ágil e o tratamento adequado. O ponto inicial de atendimento continua sendo os postos de saúde.

O objetivo do novo modelo é concentrar a atenção no paciente e em suas necessidades, reduzindo a quantidade de lugares que ele precisa ir e integrando exames, consultas e acompanhamento da saúde durante o processo. 

As Equipes de Saúde da Família terão o cadastro de pacientes revisado, criando vínculo com eles e fazendo um acompanhamento territorial, focado nas particularidades de cada região do país. 

Para viabilizar essas ações, o Ministério da Saúde também lançou o programa de telessaúde SUS Digital. De acordo com o governo, todos os 26 estados e o Distrito Federal, além de 5.566 municípios de um total de 5.570, já aderiram ao programa desde março, quando foi aberta a chamada pública. Ao todo, serão destinados R$ 460 milhões aos entes federados, divididos segundo critérios que visam reduzir iniquidades.

Por meio dos núcleos de telessaúde, especialistas farão consultas online e análise de diagnósticos de médicos que atuam na Atenção Primária, mais próxima da população. A iniciativa, argumenta o MS, “permite reduzir as barreiras geográficas diante da dificuldade de levar profissionais especializados às regiões remotas, e assegurar o acesso da população a este atendimento”. 

O SUS Digital terá, ainda, uma interface voltada aos médicos e usuários, o Meu SUS Digital, pelo qual será possível monitorar o ciclo de cuidado, bem como acessar serviços de saúde e informações, como o próprio prontuário. 

O governo informou que as funcionalidades do aplicativo estão sendo aprimoradas, mas hoje já é possível emitir a carteira de vacinação completa, o documento para retirada de absorventes pelo Farmácia Popular e acompanhar em tempo real a fila de transplantes. 

Também foi anunciado que as UBSs deverão ficar abertas até às 22h e que a meta do governo é que, ate 2026, sejam criadas, por ano, 2.360 Equipes de Saúde da Família (ESF), 3.030 Equipes de Saúde Bucal e mil multiprofissionais. 

A previsão é chegar em 80% na cobertura. Em 2023, foram implementadas, de acordo com a pasta, 2.198 ESFs no país, “número que representa mais de 52% de aumento em relação aos últimos anos, quando eram criadas em média 1.445 equipes. A expansão correspondeu a 16% de consultas médicas e 29% de procedimentos médicos a mais do que em 2022”. 

Além disso, o governo está ampliando o número de agentes comunitários. Ainda neste ano, a pasta abre inscrições para a segunda turma com 180 mil vagas. Para facilitar a comunicação com esses trabalhadores — que somam 360 mil no país —, o MS está lançando, ainda, um novo canal de WhatsApp.

Balanço

Ao falar das ações viabilizadas em 2023, o Ministério da Saúde destacou, entre outras, a realização de 665 mil cirurgias a mais do que vinha sendo feito, possibilitando 4,2 milhões de cirurgias eletivas no total, um aumento de 19% em relação a 2022. Para este ano, a meta é que seja feito um milhão a mais. 

Ainda de acordo com o MS, em 2023 foi repassado R$ 1,3 bilhão para os hospitais com tratamento do câncer no país. “Esse recurso é dez vezes maior do que o repassado em 2022”, aponta. 

Além disso, destaca a pasta, 33 obras foram iniciadas no país para a “instalação de aceleradores lineares, equipamentos com tecnologia de ponta para radioterapia, priorizando regiões com desassistência de atendimento. No ano passado, 25 equipamentos foram importados e outros oito chegarão em 2024”. 

Outro resultado anunciado foi o aumento de 13% no total de consultas com especialistas – passando de 843,7 milhões em 2022 para 953,1 milhões em 2023 —, assim como o aumento de 13,3% no total de exames diagnósticos, que somavam 1 bilhão em 2023 e agora totalizam mais de 1,1 bilhão. “Essa é a maior produção do SUS registrada desde 2010 e o objetivo é que, com o novo ciclo de cuidado, esses números continuem em crescimento”, diz o governo. 

Quanto aos recursos do Novo PAC destinados à saúde, o MS destacou que serão investidos R$ 31,5 bilhões em quatro anos, sendo que já em 2023 foram executados R$ 1,7 bilhão, voltados para a Atenção Primária, a Atenção Especializada, a preparação para emergências em saúde, o Complexo Industrial da Saúde e a telessaúde. 

Fonte: Portal Vermelho Capa: Ricardo Stuckert


Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes