Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Emudece a viola cerratense do grande Badia Medeiros

Emudece a viola cerratense do grande Badia Medeiros

Por Iêda Vilas-Bôas

“O Som da Viola em mim é um som de amor. (…) A Viola pra mim, o Som da Viola foi isso: o amor que eu tive por ela, e aprendi a gostar da viola. Inclusive o Som da Viola vem mais quando a pessoa tá muito alegre, muito satisfeita. Ele lembra logo da Viola porque o som dela ajuda ele a ficar mais alegre, mais satisfeito, abrir mais o coração. Agora quando é na tristeza, não lembra. Quando, na tristeza, você lembra assim, depois de uns tempo passado, você vai disfarçá por ela. Mas no momento, som nenhum não serve. E aí, no caso, a Viola vai ajudar a pessoa a recuperar”.
— Badia Medeiros

Olhar sereno, fala mansa de bom mineiro, olhos pequenos, míopes e um pouco cansados da labuta entre dós, lás, sóis… Foram muitos sóis que Seo Badia viu nascer nessa vida: 78 ao todo. Agora sons, não há como contar. Tinha uma viola pendurada na ripa do telhado da velha casa de seu pai. Sua idade era pouca, apenas 9 anos, mas… a viola lhe chamava, o queria e esse amor era recíproco.

Entretanto, sem tradição de música na família e com o arrocho dos trabalhos roceiros ficou lá até que o menino Badia tomou coragem e pediu permissão para resgatar a viola e, primeiro aprendeu a afiná-la, com o compadre João de seu pai. Badia, intuitivamente já sabia tocar, reconhecia e embaralhava as notas musicais com maestria. Aperfeiçoou seu dom foi, como se diz por aqui, de ouvido, ouvindo as tocadas e tiradas de outros violeiros.

CAMISETAS XAPURI
[smartslider3 slider=20]

Toda Camiseta da Loja Xapuri é uma declaração de esperança, uma expressão de solidariedade, um compromisso com a resistência.

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://www.lojaxapuri.info/produto/camiseta-rir-e-um-ato-de-resistir/”]VISITAR LOJA[/button]​

Pronto. A dupla estava formada era Seo Badia e a viola e a viola e Seu Badia. Os sons, os tons, os ritmos saíram todos. Alcançaram as Festas de Folia, especialmente a Folia do Divino, do qual era devoto, atravessou Minas e veio para Goiás e daqui se espalhou como legítima representação da cultura cerratense para os diversos rincões do Brasil que aprecia a boa música de raiz e um bom trinado de viola.

Seo Badia sempre esteve ligado às manifestações populares de cultura. Foi Capitão de Folia, tocador de viola e violão e dançador de Catira e Lundu. Tocava também uma Sanfoninha de Oito Baixos conhecida por “Pé-de-Bode”.

Badia Medeiros Correio Braziliense

Foto: Correio Braziliense

Badia Alves Medeiros nasceu na Fazenda Galho em Unaí-MG, no ano da graça de 1940. E nos deixou no dia cinzento de ontem, 03/11/2018. Fica com seus amigos, seus alunos, seus fãs uma profunda tristeza, mas com certeza será recebido no céu por uma orquestra sinfônica de violeiros-mestres, como ele.

Viveu uma vida singela, vendendo, de bicicleta, os doces que Dona Cesária fazia, com quem foi casado por 53 anos e depois passou a consertar instrumentos e nos momentos de glória nos prestigiava com o encanto de sua voz meiga e do estrondo espetacular de sua viola.

Apresentou-se muito por esse Brasil afora e foi bem reconhecido nos espaços culturais e musicais. Com sua Viola, Badia – Medeiros levou a Música Caipira a diversos cantos do Brasil. Ganhou o Prêmio Renato Russo no ano de 1998. Registrou algumas de suas Músicas, em 1999, no CD Sertão Ponteado – Memórias Musicais do Entorno do DF – Distrito Federal. Em 2001, Badia Medeiros participou do álbum de 10 CD’s intitulado Cartografia Musical Brasileira, interpretando “Recordação do Passado” (Badia Medeiros). Nestes CD’s participaram também importantes nomes da música brasileira.

Em 2002, expandiu sua fama ao se apresentar com os célebres Violeiros Paulo Freire e Roberto Corrêa, no show “Violas do Brasil”. O espetáculo foi mostrado em 36 cidades e oito estados brasileiros. Dessa turnê, surgiu o CD “Esbrangente”- expressão criada pelo próprio Badia e que significava que algo era além de abrangente, Badia Medeiros também era Mestre na criação de palavras que simbolizavam seus sentimentos, era um neologista. Em 2003, Seo Badia se apresentou no Teatro Nacional de Brasília, juntamente com Roberto Corrêa no show “Violas do Sertão”.

E, em 2004, Badia Medeiros gravou o seu primeiro CD solo, intitulado “Badia Medeiros – Um Mestre do Sertão”.
Daí para frente, muitos shows, muita música, muita prosa boa que só quem ouviu e viu de perto vai poder guardar em lugar recôndito da memória.

Salve, Seo Badia Medeiros!

Badia Medeiros Ieda

Fotos: Acervo Iêda Vilas-Bôas


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você. P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Leia a Revista Xapuri – Edição Nº 81


[3d-flip-book mode=”fullscreen” id=”95439″][/3d-flip-book]

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://www.lojaxapuri.info/revista/”]QUERO ASSINAR[/button]


 

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados como *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados