Pesquisar
Close this search box.
Estrada

Estrada

Estrada

Existem dias que o coração retumba toque de macumba em ritmo tão forte que a dor exalta como agora das veias com pulsadas dolorosamente fartas. São gritos da alma: fartas-faltas bem-amadas de mim em sua falta…

Por Reinaldo Bueno Filho

A saudade é um lugar comum agora. A memória, sua casa amada agora se enche de orgulho, de amor, de histórias e causos tantos. De vida. Tantas vidas. Sempre – agora, e na infalível memória.

É estrada em instante de breu, estrela em céu nublado, brilho da memória, ou um memorial astuto. É falta de minha ancestral. Mas, a Professora ainda ensina, sempre ensinou. A vida era sua mais confortável sala de aula. Essa aula, a própria vida, nunca foi simples. Nem seria. E creio que nunca um dia chegue a ser fácil qualquer vida, mas, muito mais: nem mesmo quero que seja.

Aprendi a amar o passado como quem ama o futuro ou o presente. O tempo verbal é detalhe para exímio poetizar. A memória estuda a saudade inquieta com suas linhas brilhantes de velar: o tempo sempre foi de amar, lutar, superar, e ainda que é saber esperar… O luto. Esquecer, não. É memória valiosa: “Esquece não”. Existe amor em cada inflexão, em cada reflexão. Fez boa escola.

Dê-se, minha mãe, para a quintessência, longa Estrada, estirada em caminho guiado: há Estrela em céus a desanuviar. Ou seria elevar? Admiro A Estrela do Oriente em seu olho através de minha memória cansada e salgada, vejo sem ver a roda da Graça, às Graças, rodeando até mesmo um pouco de pólvora ao povo; ou, para mim, amor sempre e sempre de novo.

Revejo no pensamento o encanto de seu Ouro disposto em filosofia a buscar tudo transformar – pedra encantada – professora, sempre, certa, certeira. Aos montes e às estradas. Às Estrelas. Admiro o céu que vivia aberto em seu peito de desbravar. E eu que tanto aprendi ao observar seus dias, agora ainda aprendo ao pensar me em seus dias. Ícaro nunca me veio… À Estrada: céu seu, em horizonte e dentro do peito – abre alas para seu carro-chefe alegórico perfeito, na Lapa, no Pelô, no mundo ou no além-mundo. É sua filosofia a transformar mais. Caminhar mais.

Os Orixás e todas as entidades mais a abençoariam. Deus o faria também. Aos pagãos, a sã ciência acolheria sua vida em propósito cumprido. A sua Estrela é Guia. Guia sua Estrada. Ora aluna, professora, coragem, luta… Quanta batalha. A magia não falha e a Estrada também é seu lugar – sempre foi e sempre será. É do amor em Cora, uma vida sua também ao pé do borralho, uma de tantas Vidas suas, talvez, acocorada. Benzia, curava. Amaldiçoava, chorava, ria, caía, levantava e lutava. Quanto orgulho da poesia que fez versos doces de amargas frutas. Venceu muito mais que uma única última batalha.

Admiro, como filho, e aluno curioso também, seu olhar protagonista. Às vezes por demais goiano, mas sempre do Mundo. Seu Mundo. Agora mais além dele. O menino talvez não fala, mas sente, pensa e age. Ensinamentos seus. Seguir a caminhar como Estrada, em fé e com fé, assim como me foi ensinado pela Mater, Matriarca, Mente-Mantea-Mãe amada. Salve. E voe em encontro dos seus tantos sonhos além-mundo mandado. Tem o infinito, mãe minha. E minha infinita saudosa e amorosa memória.

Obrigado pelo privilégio de ser filho seu, cria sua. Com tanta Bravura. Estradas e Estrelas são nosso lugar comum em amor e encantos de amar. Em aprendizados, tantos ainda! “Amar enche a vida”, escutei mais baixo do que gostaria, mas, guardei. Amo a senhora. Para sempre. E sigo como sempre me pediu: caminhando em passos curtos e ritmados, retumbados, encantados. E evoluindo: “Peça bença e faça das Virtudes seus Guias; são as Guias de maior força para caminhar. É Magia”.

Somos da mesma constelação, e minha memória sempre vai admirar a sua Estrela brilhando. E que as Estradas e o Caminhar, em tantos planos e ideias, sejam como aqui: chão para aprender o quão mais for em transcendentalidade. Ser aluno e ao mesmo ensinar é a dádiva divina e encantada dos nossos espíritos também encantados. É encantaria, é uma saudade, uma memória, uma estrada que há de se encontrar ainda. É seu todo universal. Uma vez mais, com amor à eternidade que você apreendeu precocemente: obrigado por tudo que de conhecimento foi deixado. Sua estrada inspira e a estrela é sempre guia. “Con amor, para mi mamá un regalo poético cósmico”. Gracias.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes