Pesquisar
Close this search box.

Falsídias babélicas

Falsídias babélicas

Mal-entendidos derivados das traições dos tradutores são tão antigos quanto o pomo de Adão, um vacilo de São Jerônimo, autor da Vulgata, que verteu a fruta da árvore do bem e do mal, malum, em maçã, maalum, para a glória dos nova-iorquinos e do Steve Jobs.

Por Antônio Carlos Queiroz (ACQ)

Antes dele, o pessoal da Septuaginta, que transladou o Antigo Testamento do hebraico para o grego entre os séculos III a.C. e I a.C., em Alexandria, já havia operado o milagre da concepção da Virgem Maria. Como assim? Os caras reduziram o termo ha-almah em hebraico, menina moça, para o grego párthenos, virgem.

A torta tradução dessa palavra na profecia de Isaías (7:14) sobre o futuro Filho do Homem foi transposta talequale para o Evangelho de Mateus, e, como o equívoco era muito conveniente, os Padres da Igreja deixaram por isso mesmo. “O Senhor fez em mim maravilhas!

Até hoje a malícia babélica de Javé produz arte ou tragédias e draminhas.

No primeiro caso, a armação serviu de inspiração para gente como o Joyce e o Umberto Eco, que transformou o Silicon Valley em Vale do Silicone. Facécia versus facécia.

Do exemplo do segundo caso eu tive notícia faz alguns anos.

Os personagens: Ariovaldo e Daniel, colegas no Instituto Goethe, e Daphne, uma moça do Guará I por quem o Ariovaldo andava arrastando as asinhas, provocando, sem saber, ciúmes vulcânicos no Daniel.

Um dia o Ariovaldo convidou o Daniel e seu violão para acompanhá-lo numa serenata à moda antiga debaixo da janela de Daphne. Aluno aplicado, o Ariovaldo iniciou o sarau com a Ständchen D 957 (4), uma serenata do Schubert, melosa e açucarada que nem a Rosa do Pixinguinha:

Leise flehen meine Lieder

Durch die Nacht zu Dir;

In den stillen Hain hernieder,

Liebchen, komm’ zu mir!

 

Minhas canções carinhosas

Te chamam à noitinha;

No bosque tranquilo e mimoso,

Vem cá, queridinha!

A Daphne ficou tão derretida que desceu de pijama e língua e tudo pra beijar o Ariovaldo, e ainda sobrou uma bitoca pro Daniel. Todos foram dormir com os anjos, aparentemente.

Nos dias seguintes, um, dois, três, estranhamente, a Daphne deixou de atender às chamadas do Ariovaldo. No quarto dia ele deu um pulo no Guará para falar com ela. Nada, ninguém atendeu.

A próxima semana chegou e o Ariovaldo já estava esperando o pior. Acidente? Doença aguda? A Daphne simplesmente havia desaparecido. Para piorar a situação, o Daniel também escafedeu na sequência. Na secretaria do Goethe, disseram que ele havia trancado a matrícula.

Passaram semanas, passaram meses, o Ariovaldo já estava quase esquecendo o drama, quando, não mais que de repente, no meio de um corredor do Park Shopping, viu uma cena que o deixou catatônico: a Daphne e o Daniel empurrando um carrinho de bebê. Engoliu em seco, fez o pelo-sinal, contou até 73, e abordou o casal:

– Que porra é essa?

Os dois ficaram vermelhos, baixaram a cabeça, mas a única coisa que o Ariovaldo ouviu foi um “sinto muito” da Daphne, que tratou de dar um solavanco no carrinho pra escapulir dali a toda.

Muito tempo depois, o Ariovaldo encontrou uma prima da Daphne e puxou conversa, ainda tentando entender o que havia acontecido. A prima revelou que o Daniel já vinha procurando a Daphne muito antes da serenata, ocasião perfeita para ele dar o último bote.

“Sabendo que a prima estava dividida entre vocês, o Daniel disse que você estava de gozação, que nunca levaria o namoro a sério, ao contrário dele, disposto a se casar o quanto antes”.

– E ela acreditou, sem mais?

– O Daniel apresentou uma “prova”! Mostrou à Daphne a tradução feita pelo Google de uma frase informando que a tal Ständchen do Schubert era uma “mentira”. Disse que “mentiras” eram composições que o Schubert fazia às pencas por dinheiro, por encomenda de rapazes românticos interessados em seduzir mocinhas ainda mais românticas.

– Não entendi!

– Faça você mesmo o teste! Bote lá no Google Translate a frase em inglês “Ständchen is a Lied for solo voice and piano by Franz Schubert…” O Google vai traduzir a palavra Lied, canção em alemão, como mentira.

– Puta merda, essa aí é pra acabar com os pequis de Goiás e os bosques de Viena ao mesmo tempo!

Com um tapinha nas costas, a prima da Daphne foi saindo de fininho, deixando o Ariovaldo em pandarecos.

Ver aquilo dava até dó. Dó menor!

Os links para os dois vídeos da música:

 

 

http://xapuri.info/como-o-estado-impede-a-reforma-agraria/

Block
revista 115

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes