Pesquisar
Close this search box.

Filme ‘Para’Í’ exalta a luta indígena e estende o diálogo a crianças e adultos

Filme ‘Para’Í’ exalta a luta indígena e estende o diálogo a crianças e adultos

Abordando a resistência do povo Guarani Mbya, “Para’Í”, de Vinicius Toro, chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (20).

Por Lilianna Bernartt/Mídia Ninja

A história foca em Pará (Monique Ramos Ara Poty Mattos), uma garota indígena que encontra uma espiga de avaxi para’i – milho colorido, tradicional do povo Guarani e, deslumbrada com o novo achado, decide plantar o milho para que ele germine em suas terras. Com a ajuda de sua melhor amiga Silmara (Samara Cristina Pará Mirim O. Martim), ela desbrava seu território e, durante essa jornada, passa a se relacionar com seu espaço e raízes culturais.

O diretor Vinicius Toro aponta questões relevantes da luta indígena, a partir do olhar infantil de Pará sobre seu entorno. Ao concentrar a narrativa na garota, coloca em destaque o personagem principal da trama – o indígena. É a partir dela (e junto com ela) que vamos tomando consciência das problemáticas decorrentes da interferência do homem branco em territórios indígenas. No caso específico do filme, a questão avança para o fato de se tratar de uma comunidade próxima à população urbana da grande metrópole.

O choque da coexistência da aldeia com a tecnologia e o urbanismo frenéticos da cidade grande resvala diretamente na manutenção da identidade e costumes dos indígenas da comunidade Guarani. Por diversos momentos o longa confronta este abalo identitário, seja de cunho religioso – ao questionar a influência da igreja Cristã nos costumes indígenas; cunho existencial/ legitimidade/ pertencimento – quando Pará se sente excluída e questiona se seus amigos da escola sabem que ela é da aldeia; ou de cunho físico/territorial – com o confronto com o homem branco.

Mesmo com todas as importantes problemáticas apontadas pelo longa, “Para’Í”, mais que um filme-denúncia, é um filme sobre resistência. O simbolismo vegetal, da semente que permanece germinando independente das condições desfavoráveis que se impõem a ela; a figura da menina Pará, que representa o futuro da comunidade indígena Guarani – que se questiona e luta, reverberam na luta indígena, que resiste diante da constante opressão da ameaça, da invisibilidade, do apagamento histórico, da colonização. Extremamente atual, “Para’Í” exalta a força dos povos indígenas e estende o diálogo da importância da luta indígena a crianças e adultos.

Lilianna Bernartt – Jornalista. Fonte: Mídia Ninja. Foto: Divulgação/Descoloniza Filmes. Este artigo não representa necessariamente a opinião da Revista Xapuri e é de responsabilidade do autor.

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes