O tipo de personalidade mais rara do mundo

O tipo de personalidade mais rara do mundo

Se você tem essas 12 características, tem o tipo de personalidade mais rara do mundo!

Por Giorno dopo Giorno

Você já se sentiu meio diferente das outras pessoas?

Esse sentimento, apesar de bem comum, pode indicar que você tem algo de muito especial: você pode ser uma pessoa rara e faz parte de um grupo bem seleto de pessoas com a personalidade mais rara do mundo, o INFJ (Introvertido, Intuitivo de Sentimento e Julgamento)!

Estima-se que apenas 1,5-2% da população mundial possua esse tipo de personalidade, que já foi identificado em personalidades tão grandes como Martin Luther King, Nelson Mandela e Madre Teresa.

Aqui estão as 12 característicos do pessoal do INFJ:

1- Procuram sempre a verdade: São pessoas que dedicam sua vida em busca da verdade. Constantemente se envolvem em questões cósmicas e tentam encontrar um significado profundo em tudo que as rodeia.

2- Acreditam no poder dos sentimentos: São pessoas conectadas aos sentimentos e intuições, e confiam neles para seguir a vida.

3- Foco no que realmente importa: Concentram-se no que realmente importa e deixam os pequenos problemas inconvenientes de lado. Enfrentam os desafios da vida com otimismo.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

4- Preferem pequenos grupos: Nunca tem muitos amigos, pois não tem medo de cortar nada negativo e desconfortável de suas vidas.

5- São dedicados: Entendem que todos resultados da vida provêm do trabalho, da dedicação. Eles nunca fogem das suas responsabilidades. Fazem o melhor em tudo.

6- Habilidade especial em ler pessoas: Tem grande capacidade de ler as pessoas ao seu redor através da observação. Os ajuda a entender melhor quem realmente vale a pena abordar ou não.

7- Empatia é seu sobrenome: Tendem a ser extremamente empáticos e generosos com as pessoas. Estão sempre dispostos a conversar, e oferecer um abraço a quem precisar.

8- Reconhecem a prioridade: Priorizam a qualidade em detrimento da quantidade, e pensam que devemos fazer o melhor de nós mesmos no que fazemos.

9- Escritores: Eles são apaixonados pela escrita, e preferem se comunicar assim.

10- São pessoas extremas: Eles se movem de um extremo a outro, nunca se sabe o que estão sentindo.

11- São hábeis em associação: São bons em conectar pontos e encontrar conexões onde aparentemente não há possibilidade de fazê-lo.

12- Amigos da solidão: Eles sabem e dão importância aos momentos de solidão, portanto dedicam tempo a ficar sozinhos.

Essas características foram traduzidas do site Giorno dopo Giorno.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora