Pesquisar
Close this search box.

Krenak: “A mentira coloca a vida das pessoas em risco”

Krenak: “A mentira e a manipulação colocam a vida das pessoas íntegras em risco”

Líder consagrado na Constituinte, o indígena teme hoje pela segurança de quem, como ele, milita em prol das questões socioambientais; a fala de seu povo sobre a natureza é pacífica, enfatiza, mas o cenário político parece tentar associá-la a aspectos negativos.

Ailton Krenak é um dos principais líderes indígenas do Brasil.  Mineiro, descende de um grupo que vive em uma reserva, desde o fim dos anos 1920, na margem esquerda do Rio Doce, entre os municípios de Resplendor e Conselheiro Pena. Jornalista e escritor, ele tem 65 anos e milita há mais de quatro décadas.  Em 1987, durante as discussões da Assembleia Constituinte, conquistou atenção nacional ao pintar o rosto de preto com jenipapo enquanto discursava sobre o modo de vida de seu povo, que perdia aspectos importantes da cultura diante da insegurança de não ter as terras demarcadas. Sua fala contundente foi decisiva para a aprovação dos artigos 231 e 232 da Constituição Federal, nos quais os direitos sociais dos indígenas foram reconhecidos, inclusive a demarcação de territórios. Das 1.296 terras indígenas existentes no Brasil, no entanto, apenas 31% estão demarcadas. “Temos ao menos 400 processos parados por conta da judicialização”, diz.

Diante da posição do presidente Jair Bolsonaro, publicamente contra as demarcações, Ailton destaca a intensificação da militância. Ele conversou com o De Olho nos Ruralistas no dia 30 de maio, em São Paulo, data da segunda manifestação contra os cortes de verba na educação. Seguem os principais trechos da entrevista concedida à repórter Priscilla Arroyo.

De Olho nos Ruralistas – Jair Bolsonaro disse que durante o seu governo não haveria nem mais um centímetro de terra indígena demarcada. De que maneira essa postura reflete na militância?

Ailton Krenak – Quando o governo falou que ia tirar a Fundação Nacional do Índio (Funai) do Ministério da Justiça e levar para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, nós levantamos e fomos fazer o governo mudar a decisão. Ganhamos (essa batalha) no Congresso, no jogo democrático. A Funai voltou para o Ministério da Justiça com o poder de demarcar os nossos territórios. Isso obriga o executivo a desengavetar os mais de 400 processos de terras indígenas, que estão paralisados, para concluir o rito demarcatório. [No dia 19 de junho, Bolsonaro decretou o retorno da responsabilidade de demarcação para o Ministério da Agricultura; o Congresso terá 120 dias para acatar ou recusar a decisão].

De Olho nos Ruralistas – Inclusive porque essas demarcações já deveriam ter acontecido há 25 anos, conforme aponta a Constituição…

Se o Estado está travado, dominado e contra a gente, não podemos cobrar coisas passadas, e sim pensar daqui para frente. Temos de destravar esses processos e cessar a pressão do agronegócio em cima dos nossos territórios. Se há um sentido legítimo de território é a concepção indígena, no qual as terras são demandadas por coletivos, pelo bem comum do povo. É diferente de um latifundiário querer ficar com a posse dele individual de um território  onde tem água, ecossistema, biodiversidade e transformar em uma monocultura. Do ponto de vista da economia, transformar aquilo no lucro de um só.

De Olho nos Ruralistas – Como avalia a democracia hoje no Brasil?

Estamos vivendo um tempo de tantas falsidades, e uma delas é dizer que vivemos uma situação que chama democracia relativa ou um estado de direito relativo, no qual o pleno exercício da cidadania fica suspenso, onde as pessoas podem ser aviltadas, ofendidas. E  não têm a quem recorrer porque o sistema da justiça não está a serviço do bem comum, ele está cooptado. O aparelho da Justiça está cooptado.

De Olho nos Ruralistas – Cooptado por quem?

Cooptado por uma ideologia, por uma mentalidade. O capitalismo necrosa a vida democrática. Ele adoece (a democracia), porque torna os operadores do sistema da justiça subalternos à grana. É o que está acontecendo. Estamos visto isso de maneira escancarada.

De Olho nos Ruralistas – Você sente medo de fazer ativismo em um período tão nebuloso?

Protejo a minha família de exposição. Estamos avançando para um território inseguro no qual a mentira e a manipulação podem colocar a vida das pessoas íntegras, que fazem um trabalho ambiental sério, em risco. Isso me incomoda. Podemos ser notados como alguém que está ameaçando. A nossa fala sobre a natureza é pacífica. Vincular a gente com qualquer coisa negativa é uma sacanagem.

De Olho nos Ruralistas – A mídia tem papel relevante nesse processo?

Fico muito preocupado com esse território da disputa porque deixa de ser o chão onde nós pisamos e passa a ser quase uma camada virtual de realidade, realidade líquida em que a informação não tem base de checagem. Diante da informação, a população fica inquirindo se aquilo tem alguma origem verdadeira, se é uma mentira, insinuação. Se não há um chão verdadeiro, entramos no mundo das mensagens midiáticas – o marketing. O senso comum acha que marketing é alguma coisa que vende produtos, mas ele também vende ideias.

De Olho nos Ruralistas – A antropóloga Lucia Helena Rangel, assessora do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), acredita que o preconceito contra indígenas não se alterou ao longo das últimas décadas. Para ela, isso faz parte da formação social do brasileiro. O que acha?  

Não acredito que essa relação vai melhorar. Essas atitudes inspiradas no racismo e no preconceito, que configuram discriminações, podem ser mais verificadas à medida que são socialmente observadas. Isso pode criar um controle social. Acho que é mais importante existir um controle social sobre as nossas relações do que uma lei ou uma norma. A sociedade brasileira é escravocrata, racista e preconceituosa no sentido também dos gêneros. E se atribui a virtude da tolerância. Eles dizem que eles toleram. Mas tolerar não é aceitar.

De Olho nos Ruralistas – O rompimento da barragem da mineradora Samarco em Mariana, em novembro de 2015, poluiu o Rio Doce e prejudicou o acesso do povo Krenak à água. Estamos falando de uma população de 1.600 pessoas que vive nas margens do rio entre os municípios de Resplendor e Conselheiro Pena. É possível identificar qual atividade – extração vegetal, animal e mineral – é  mais danosa para o ambiente?

O Brasil é um grande território extrativista, e isso vai afetar toda a plataforma territorial – rios, floresta, clima, ecossistema amplo. É uma impossibilidade identificar qual dessas atividades é mais danosa. A história do garimpo e da mineração no Brasil se confunde com a fundação da ideia de um país. O agronegócio é recente. Ele já pega um território em disputa por diferentes outras atividades econômicas. Todas elas, hoje, com a pressão do capital global, estão desregulamentadas. Há algo de mais grave nisso: se permitirmos  que o agente minerador possa se licenciar, estaremos decretando o fim do mundo.

De Olho nos Ruralistas – Você enxerga futuro para o planeta Terra?  

Nós, a humanidade, temos uma capacidade de adaptação que me deixa apavorado. Se uma catástrofe em escala global exterminar 90% da população do planeta, os outros 10% que sobreviver vão continuar sendo uma peste. Então a nossa única oportunidade é todo mundo desaparecer para a Terra voltar a se regenerar. Não estamos sem esperança, estamos diante de um desafio. Ou honramos a vida aqui no planeta ou renunciamos à vida. Temos de largar de ser imbecil e fazer uma escolha.

Fonte: De Olho nos Ruralistas


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/produto/e-book-a-verdade-vencera-luiz-inacio-lula-da-silva/”]COMPRE AQUI[/button]

Capa Lula a verdade 1

 

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes