Pesquisar
Close this search box.

Labibe Saad Generoso: A nossa Dona Babi de Formosa

Labibe Saad Generoso: A nossa Dona Babi de Formosa

Por Iêda Vilas-Bôas

Não há quem passe pelo centro da cidade e não pare,  antes de chegar à Praça da Prefeitura, para tirar um dedo de prosa, ou ganhar um beijo carinhoso de Babi, Dona Babi, a mulher empreendedora, forte, atenciosa, trabalhadeira e exemplar que é Labibe Saad Generoso, filha de Joana Saad e de um próspero comerciante libanês chamado Nassin Abdala Saad (turco, não!), fugitivo da guerra, vindo de Kafaraka.

Ainda muito moça formou-se professora no Colégio São José. Por 18 anos, exerceu a profissão, em Formosa. No ano de 1960, passou em concurso para lecionar na recente Capital, mas o pai, muito zeloso, não permitiu que a filha pegasse a estrada todos os dias, melhor ajudar na educação dos filhos de Formosa, onde chegou a ser diretora de muitas escolas no município, trabalhando até 60 horas semanais: manhã, tarde e noite.

Um dia veio um moço falante, educado e gentil, de Belo Horizonte, e se apaixonou pelos negros cabelos de Dona Babi. Dali a pouco tempo se casaram, em 20 de maio de 1962, e formaram o querido casal Hircio Generoso e Labibe Saad.

Seu Hircio era exímio contador e veio trabalhar no Banco Mercantil, e Babi cuidando de lecionar e da boa criação de seus filhos: Aldo, Aline e Hircinho, que lhes deram netos e bisnetos.

Nessa mistura de raças, apareceu o meu compadre Frederico Ignácio Kachuko Iacovenko, de descendência russa, casado com Aline (cujo nome foi escolhido por influência da música em moda à época) e trouxeram ao mundo Murilo e Mônica, que virou estrela e foi morar com os anjos. A pequena Mônica, de quem ninguém jamais se esquece, faleceu aos 11 anos. Depois o vovô Hircio foi também para morada eterna. Tristes tempos.

O filho Aldo (homenagem ao avô paterno) casou-se com a renomada alfabetizadora Eulita e tiveram Karem, Alyne Grazielle, Aldo Neto. A família aumentou com Heloísa e Lara, filhas da Grazielle e do Bruno.

O filho Hircinho, casado com a professora Rogéria, é pai de Pedro Ivo, Eduardo e André. Pedro Ivo e Brenda contribuíram com a vinda da Helena. E André e Tainá esperam para julho mais uma integrante para essa admirável família: Olívia.

Em 1970, ela deixou a profissão e o marido deixou o Banco e abriram a Tabacaria e Papelaria Central. Seu Hircio cuidava das contas e das compras, e ela ficava e fica no balcão. Ali vende-se de quase tudo e ganha-se de brinde sorrisos, risadas e carinhos.

Babi é toda cordialidade, amor e dedicação para com todos. E nunca negou um pedido de ajuda ou um fiado para que um aluno não ficasse sem o material escolar. É no dia a dia, no atendimento aos clientes que Babi sofre junto, sorri, dá atenção especial, compartilha, ensina e aprende, e ali entre a correria de cuidar da casa nos fundos da loja e do balcão e atendimento colocou as crianças para ajudar desde novinhos, e ensinou na prática a lição de servir e de solidariedade.

Um passatempo e hábito de Babi é a leitura. Lê muito, principalmente sobre a vida dos santos e gosta de fazer palavra cruzada. Tem muitas amigas, que faz questão de visitar. É fiel devotada e serve de coração sua paróquia: a Igreja Matriz Imaculada Conceição.

Babi é personalidade marcante em nossa cidade: profissional de sucesso, mulher empreendedora, mãe zelosa, avó e bisa muito amada. Para o “amorzinho” de minha comadre Aline e nosso, fazemos esta homenagem e enviamos nosso bem-querer embrulhado em papéis de seda, celofane, lindíssimos papéis de presente, desenhados com canetinhas de neon e fitas multicores.

Para Babi, toda nossa admiração!

Iêda Vilas-Bôas – Escritora. Esse texto foi escrito em parceria com Aline GenerosoYacovenko,  filha de Babi.

 

[authorbox authorid=”” title=”Sobre a Autora”]

Slide 1

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

revista 115
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes