Pesquisar
Close this search box.

LAVA JATO COMPLETA DEZ ANOS SOB DESMORALIZAÇÃO JURÍDICA E POLÍTICA

Lava Jato completa dez anos sob desmoralização jurídica e política

Decisões da Operação foram revertidas ou anuladas na justiça pela parcialidade e conluio dos envolvidos; Dallagnol perdeu mandato e Moro está prestes a ser julgado pelo TRE

Por Murilo da Silva/Portal Vermelho

Em 17 de março de 2014 foi deflagrada a primeira fase da infame Operação Lava Jato. Hoje, seu espólio encontra-se em franca desmoralização jurídica e política.

Inicialmente voltada para investigar operações ilegais do doleiro Alberto Youssef dentro da Petrobras, rapidamente a Lava Jato evoluiu e atingiu o meio político. A partir da delação premiada do doleiro, que já havia sido preso na condução do Caso Banestado no Paraná, desvendou-se irregularidades da gestão da estatal. No entanto, o que foi feito a partir daí só demonstra o quanto dois personagens contribuíram para a corrosão da democracia a partir do caso: Sérgio Moro e Deltan Dallagnol.

Personagens mais influentes sobre quando se remete à Operação, o destino de ambos revela o quanto a atuação na Lava Jato foi enviesada para abalar um governo democraticamente eleito e, por fim, alçar ao poder pessoas que – hoje se sabe – tramaram diuturnamente por um Golpe de Estado – não contentes com as oportunidades que a democracia lhes concederam.

Na primeira chance, após diversas situações que desestabilizaram o país e culminaram no golpe de Dilma Roussseff, o então juiz federal Sérgio Moro abandonou a magistratura para ser ministro da Justiça do maior beneficiado de suas ações: Jair Bolsonaro. Após tomar essa atitude que desmoralizou sua atuação na Lava Jato para o grande público, ele caiu em descrédito com o bolsonarismo. Mesmo assim conseguiu se eleger senador, mas hoje responde por diversas irregularidades por sua campanha e tudo indica que pode ter o mandato cassado.

A perda do mandato é o desfecho esperado para uma verdadeira carreira contra o Brasil. Moro já foi desmascarado com vazamentos de áudios pelo The Intercept Brasil onde ficou claro o seu conluio com Deltan e os procuradores da força-tarefa em Curitiba. O episódio ficou conhecido como Vaza Jato e a sociedade pode observar que o ex-juiz autorizava e divulgava grampos ilegais.

A partir daí a parcialidade de Moro, que sempre foi questionada, ficou ainda mais evidente e muitas de suas decisões passaram a ser revertidas nos últimos anos. A mais notória delas foi a que o julgou suspeito para condenar Lula, injustamente encarcerado por 580 dias. Mesmo sem provas, o ex-juiz quis se lançar aos olhos da extrema-direita – com a benção da grande mídia.

Com Dallagnol, ex-coordenador da força-tarefa da Lava Jato, não é diferente. Deixou o Ministério Público Federal (MPF), em 2021, se aliou a bolsonaristas para se eleger deputado federal, porém, veja só, teve o mandato cassado por burlar a Lei da Ficha Limpa, uma vez que deixou o MPF sem responder processos internos que culminariam na inelegibilidade nas urnas.

Estes são os símbolos da Lava Jato que completa dez anos e deixaram como saldo para o povo brasileiro a extinção de 4,4 milhões de empregos, segundo o Dieese, a partir de dezenas de empresas afetadas pelas investigações.

Fim e revisões

Ainda sob Bolsonaro, a Operação foi paulatinamente desmontada, com as forças-tarefas desmanteladas, até ser encerrada em 2021, afinal, a extrema-direita já havia conseguido seu objetivo no momento.

Já no Supremo Tribunal Federal – antes fiador dos desmandos vindos de Curitiba – o momento é de reavaliar a própria atuação. Uma dessas decisões anulou provas “contaminadas” obtidas “às margens” da lei no acordo de leniência da Odebrecht”, em setembro passado. Atualmente, a Corte determinou a conciliação em acordos de leniência na Lava Jato.

Também em setembro a AGU anunciou uma força-tarefa para investigar desvios na antiga Operação Moro e Dallagnol.

Nesse sentido, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) apontou em um relatório que a Lava Jato teve “gestão caótica” e “suposto conluio”. O Conselho abriu investigação contra Moro e magistrados do TRF-4.

Pesam contra Moro e Gabriela Hardt, também ex-juíza da lavajatista, “indícios de violação reiterada dos deveres de transparência”, com dispensa do devido processo legal em decisões de repasse de mais de R$ 2 bilhões à Petrobras, de 2015 a 2019, quando a empresa era investigada nos Estados Unidos.

Experiência dolorosa

A deputada federal pelo Paraná e Presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann, utilizou as redes para relembrar o caos trazido pela Operação ao país.

“Dez anos de Lava Jato, que custou ao país a destruição do estratégico setor de exportação de serviços, engenharia, óleo e gás, a condenação de 4 milhões de pessoas ao desemprego e incalculável, mas imenso, prejuízo à economia do país. A herança política da Lava Jato, cujo o único alvo real era Lula, foi a eleição de um presidente de extrema-direita em 2018, que por pouco não reinstaurou a ditadura no país. Sua herança institucional foi o descrédito nas instituições, especialmente do Ministério Público e do Judiciário, que hoje se esforçam para reconstruí-la. Foi uma experiência dolorosa que, apesar dos imensos danos causados ao país, ao estado de direito e à democracia, nos deixou como lição a resistência heroica do presidente Lula e daqueles que o apoiaram na defesa de sua inocência”

Fonte: Portal Vermelho Capa: Antonio Cruz e Lula Marques/Agência Brasil


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×