Pesquisar
Close this search box.

Mapa interativo centraliza dados sobre violência de gênero no Brasil

Mapa interativo centraliza dados sobre violência de gênero no Brasil – Plataforma permite cruzamento de informações relacionadas a gênero, raça e regiões, estado por estado

 Por Lu Sudré – Brasil de Fato

Em 2017, 26.834 mil estupros foram registrados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) no país, o equivalente a 73 por dia. As mulheres foram vítimas de 89% das violações sexuais.

Elas também representam 67% dos registros de violência física no mesmo ano, sendo que o Distrito Federal registrou o maior índice: 75%.

Esses são apenas alguns entre os muitos dados apresentados pelo Mapa da Violência de Gênero, lançado neste mês pela organização Gênero e Número, com apoio da Alianza Latinoamericana para la Tecnología Cívica (Altec). A plataforma interativa reúne informações de homicídios, agressões, violências sexuais e físicas contra mulheres, homens e LGBTs em todo território brasileiro.

 

Quem acessa o site mapadaviolenciadegenero.com.br tem a possibilidade de cruzar e explorar várias informações, que podem ser selecionadas de acordo com gênero, raça, ano e região, possibilitando a compreensão sobre o cenário de violência de cada unidade federativa do país. Os índices foram organizados com base nas séries históricas do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/DATASUS) de 1996 a 2016, e do Sinan, de 2014 a 2017.

Os resultados obtidos, após a seleção das variáveis, pode ser baixado em formato excell ou similar.

Maria Lutterbach, cofundadora da Gênero e Número, primeira organização de mídia orientada por dados com foco em gênero da América Latina, explica que o trabalho foi desenvolvido ao longo de um ano por uma equipe multidisciplinar. O objetivo do projeto é tornar as informações sobre o cenário de violência extrema e acentuada contra mulheres e LGBTs mais acessíveis.

“Acreditamos que a maior contribuição do Mapa da Violência de Gênero é aproximar a população desses dados sobre violência. Em geral, são dados que ficam restritos a pesquisadoras e pesquisadores, jornalistas, que precisam ou querem se aprofundar nesse tema. Com o Mapa, esses dados ficam disponíveis para qualquer pessoa que se interesse ou que seja sensível a esse problema”, afirma Lutterbach.

Segundo ela, o projeto encontrou fragilidades em relação às informações disponibilizadas pelas bases públicas, que podem ser verificadas detalhadamente nas notas metodológicas do Mapa.

“Quanto mais pessoas tiverem acesso a esses dados e conhecerem o cenário de violência contra mulheres e pessoas LGBT, mais possibilidade teremos de denunciar esse problema no país e exigir uma melhor coleta e produção de dados sobre essa questão. Mais possibilidade temos de fazer pressão por melhores dados porque afinal de contas são eles que estruturam ou deveriam estruturar as políticas de prevenção e enfrentamento à violência”, avalia a jornalista.

 

Legislação

O Mapa também disponibiliza um levantamento sobre as leis brasileiras relacionadas à violência de gênero. Foram encontradas 531 normas legislativas nos 26 estados e no Distrito Federal.

Tocantins, Roraima e Acre estão entre os estados com o menor número de leis sobre o tema, com quatro, cinco e nove, respectivamente. O estado com a legislação mais robusta é o Rio de Janeiro, com 47 normas, seguido pela Paraíba, com 40, e pelo Rio Grande do Sul, com 36.

A plataforma evidencia que grande parte da legislação trata da violência após seu registro. A prevenção dos crimes por meio da educação ou da reabilitação de autores da violência corresponde apenas a 143 das normas, 27% do total.

“Para além das leis que foram marcos no combate à violência, como a Lei do Feminicídio e Maria da Penha, temos a possibilidade de visualizar quais foram os esforços no âmbito legislativo de criar mecanismos legais para prevenir esse tipo de violência que acometem mulheres e pessoas LGBTs no país, assim como para acolher as vítimas que sofrem essas violências”, comenta Maria Lutterbach.

De acordo com o Mapa, em 2017, houve 12.112 registros de violência contra pessoas trans e 257.764 casos de violência contra homossexuais ou bissexuais no Brasil. Por dia, foram 11 agressões às pessoas trans e 214 contra homossexuais ou bissexuais.

Fonte: Brasil de Fato

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15


 

E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

COMPRE AQUI

Capa Lula a verdade 1

 
 
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes