Pesquisar
Close this search box.

Milei afunda Argentina e já é rejeitado por 52,8%

Milei afunda Argentina e já é rejeitado por 52,8%

De acordo com pesquisa, 46,75% dos argentinos reprovam a Lei Ônibus e 59,4% contestam sua eventual imposição por decretos

Por André Cintra/Portal Vermelho

O ultradireitista Javier Milei não teve os chamados “cem dias de lua de mel” como presidente. Na realidade, a paciência dos argentinos se esgotou em não mais do que algumas semanas. A Casa Rosada tentou associar a audaciosa greve geral de 24 de janeiro aos “baderneiros” do movimento sindical, mas uma recente pesquisa deixa claro que a rejeição do povo com o governo é crescente e generalizada.

Eleito presidente com contundentes 55,65% dos votos válidos, Milei já perdeu, precocemente, seu capital político. Levantamento do instituto Zuban Córdoba divulgada nesta segunda-feira (29), passados apenas 50 dias do início do mandato, mostra que 52,8% da população “desaprova totalmente” a gestão Milei. Além disso, para 54,4%, a Argentina “caminha na direção errada”, em meio ao “choque” econômico e aos retrocessos anunciados pelo novo presidente.

Na avaliação de Gustavo Córdoba e Ana Paola Zuban, responsáveis do instituto Zuban Córdoba pela pesquisa, Milei é vítima dos “consensos precários” que determinaram a eleição dos últimos presidentes argentinos. Segundo eles, “os governos agem sempre como se esses consensos fossem eternos ou permanentes e abusam deles até se desgastarem, gerando processos agravados de queda da confiança ou de credibilidade, que acabam afetando gravemente o resto do mandato”.

O autoritarismo é outro aspecto que desgasta o governante do sinistro partido A Liberdade Avança. No mesmo dia da greve geral, a Justiça da Argentina atendeu a uma “ação de proteção” da central sindical CGT (Confederação Geral do Trabalho) e anulou seis artigos da reforma trabalhista de Milei. Segundo a juíza trabalhista Liliana Rodríguez Fernández – que assinou a decisão –, não há nenhuma base legal para que essas mudanças na legislação sejam feitas via DNU (Decreto de Necessidade e Urgência), e não por projeto de lei.

O revés influenciou a opinião pública. Embora o governo tenha recuado em vários pontos da Lei Ônibus – que promove uma desregulamentação geral da economia –, os argentinos temem uma investida antidemocrática de Milei para implantar seu pacote ultraliberal. De acordo com a pesquisa, 46,75% reprovam a Lei Ônibus e 59,4% contestam sua eventual imposição por decretos.

O recado está dado: a exemplo do que ocorreu no Brasil durante o governo Jair Bolsonaro (PL), é possível que a breve experiência de Milei no poder já tenha despertado uma reação mais suprapartidária em defesa da democracia. Com minoria no Congresso, o presidente argentino tinha condições de formar uma base mais ampla, não fossem suas tentações arbitrárias.

Um dos poucos dados favoráveis a Milei na pesquisa é que 45,9% atribuem a crise econômica a seu antecessor, Alberto Fernández. Por ora, somente 39,1% se deram conta de que, se a crise está ainda mais agravada, a responsabilidade é do atual presidente. O problema é que esse suposto trunfo tem validade.

Nesta terça-feira (30), enquanto o governo digeria os amargos índices de impopularidade, o FMI (Fundo Monetário Internacional) revelou que suas previsões para a Argentina pioraram sensivelmente. Em outubro, a instituição estimava um crescimento de 2,8% do PIB argentino em 2024. Agora, com as medidas de Milei, o país deve ter uma contração: -2,8% no ano.

O número é ainda pior que o projetado pelo Banco Central da Argentina, que prevê uma queda de 2,6% na economia. A isso se soma a hiperinflação, que não para de crescer e já é a maior da América Latina. Para muitos analistas argentinos, a dúvida não é mais se Milei vai ou não vai cair antes do fim de seu mandato – mas quando isso ocorrerá, para o bem do povo argentino.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Reprodução


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes