Pesquisar
Close this search box.

Morte, suplantação da vida

A Morte, a suplantação da Vida em benefício da Alma

Padre Joacir D’Abadia

 
A morte para nós deve ser uma realidade presente, mas não com a presença na vida. É decisivo: marca um destino eterno: a finalidade de todos os homens. Ouso, porém, questionar a vida com as palavras de Fulton Sheen: “Que adianta viver, quando se desconhece a finalidade de ser homem?” Com isso se “duvida de que valha a pena viver, mesmo na abundância” de carência de sentido! Deste modo, a alma anseia a morte do homem?
 
Santa Faustina dizia: “reze pelos agonizantes!”, contudo, por outro lado, Santa Terezinha tinha o hábito de rezar por aqueles que morreriam no “hoje”. O “agora” é o que importa, nos importa a vida. O futuro é incerto, mas o máximo do nosso agora é estar presente em Deus ao passo que não sabemos ainda quanto tempo teremos para continuar com o nosso Deus.
 
 
Para Fulton Sheen “O homem moderno quer reaver sua alma!” Porém, o Salmo 142 diz que a alma anseia pelo senhor: “Minha alma tem sede de vós, como a terra sedenta e sem água” (Sl 142, 6). Todavia, Sheen segue dizendo que “Em palavras simples, todos eles querem reaver suas almas; ser de novo um todo!” Mesmo porque “Querem possuir aquilo que os torna humanos, que dá sentido à política, à economia, à psicologia, à sociologia; a saber, uma alma”.
 
 
Questiona o professor Hocking, de Harvard: “Ouço falar por toda a parte em liberdade, porém como conseguirei ser livre a menos que tenha alma?” O mesmo responde: “Mas a sociedade de nada me pode valer, pois está na mesma confusão que eu. Ela é formada de milhões de almas tão frustradas quanto a minha. Não sou animal, ou uma libido, ou um proletariado, ou um átomo; sou qualquer coisa de diferente, de mais e de maior do que tudo isso. E quero ser mais! Quero reaver minha alma!”.
 
Contudo adverte o Venerável Sheen, “Para recuperar nossas almas, temos que fazer ouvidos moucos a esse falatório sobre a natureza do homem, com que nos empanturram no decorrer do século passado”.
 
O  advogado e político americano de Massachusetts, Richard Henry Dana Jr. (1 de agosto de 1815 – 6 de janeiro de 1882) modera: “É prerrogativa da alma e sua sina moldar as aparências à sua própria feição. Se ela é justa, tudo em volta está bem; se o não é, tudo referve como o inferno, e assim multiplica a alma alegria e dores, abandona-se e resgatando-se”.
 
Voltemos uma vez mais ao Dom Fulton Sheen, pois com grande determinação ele aponta: “hão de recuperar a alma. Por entre ferimentos mortais, fogo e metralha, hão de acercar-se do significado da vida, daquilo que no seu íntimo, faz com que sejam homens. Recobrar nossas almas exige de nós duas coisas: dar as costas, por completo, ao modo de pensar de hoje e volver ao Divino Criador, que nos fez e só ele nos pode dizer o que somos”.
 
O amor é que conclui a vida. Nossa alma vai se aproximando do amor. Nossa alma pede nossa vida para que ela continue amando-a. A morte é querer amar mais ainda. Que nossa alma deseja este amor, temos certeza. Nossa alma quer que nossa vida caiba mais amor, porém tão frágil que é, busca a morte para poder continuar amando. Por fim, o fundador da Prelazia Opus Dei, São Josemaria Escrivá sintetiza: “Para quem quer em tudo dar glória a Deus, a morte é apenas um detalhe”. Um detalhe que suplanta a vida em benefício da alma.
 
 
[Padre Joacir d’Abadia, Pároco da Paróquia São José Operário – Formosa-GO / Diocese de Formosa-GO]
 
Filósofo, Escritor, Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel e Licenciando em Filosofia, membro da “Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano” (ALANEG), da “Academia de Letras do Brasil – Seccional Planaltina-GO” (ALBPLGO) e da “Casa do Poeta Brasileiro”,  autor de 12 livros. Pe. Joacir Soares d’Abadia, Pároco em Alto Paraíso-GO, Especialista em Docência do Ensino Superior, Bacharel em Filosofia e Teologia, Licenciando em Filosofia, membro do Conselho de “Pesquisas e Projetos” (UnB Cerrado), membro do Conselho de Presbíteros, Coordenador da Pastoral da Educação e Coordenador dos Padres do Setor IV. Escreve para os jornais: “Alô Vicentinos” (Formosa-GO) e “Carta de notícias” (Posse-GO). É o fundador do jornal “Ecos da chapada” (Alto Paraíso-GO). Ganhou, em 2011, o Concurso Internacional de Filosofia da “Revista Digital Antorcha Cultural” da Argentina e têm 4 obras publicadas no exterior. É autor 8 livros: “Opúsculo do conhecer” (Cidadela); “A caridade e o problema da pobreza na periferia” (Agbook); “A Igreja do ressuscitado” (Virtual Books); “Contos de barriga cheia” (Cidadela); “O eu autor” (B24horas); “Taffom Érdna: romance com a sabedoria” (Palavra e Prece); “A Filosofia ao cair da folha” (Cidadela) e “Riqueza da Humanidade” (B24horas). Contato: Whatsapp (61) 99315433 ou joacirsoares@hotmail.com
 
Block

 

 

 

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes