Pesquisar
Close this search box.

Na Itália, Lula reforça papel do Brasil no enfrentamento à crise climática

Na Itália, Lula reforça papel do Brasil no enfrentamento à crise climática

Presidente se reuniu com os chefes de estado e de governo do país e com o prefeito de Roma. Visita é novo passo rumo à retomada das relações do Brasil com o mundo

Por Priscila Lobregatte/Portal Vermelho

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpriu uma intensa agenda de encontros na Itália, nesta quarta-feira (21), como parte da retomada e fortalecimento das relações internacionais do Brasil com o mundo. A visita teve como foco, entre outras questões, a crise climática e o acordo entre Mercosul e União Europeia. 

Após se reunir, no fim do dia, com o prefeito de Roma, Roberto Gualtieri, Lula disse que a viagem foi mais um passo para “recolocar o Brasil no centro das discussões sobre as questões climáticas no mundo”. O assunto, segundo o presidente, esteve presente nas conversas que manteve com os chefes de estado e de governo da Itália ao longo do dia. 

O presidente disse, ainda, que o Brasil “tem uma matriz energética, possivelmente, a mais limpa do mundo” e tem o “compromisso de zerar o desmatamento na Amazônia até 2030”. 

Lula destacou sua gratidão pela lealdade e solidariedade de Gualtieri, que foi visitá-lo durante sua prisão na sede da Polícia Federal em Curitiba. “Espero poder um dia retribuir todos os gestos que fez a mim e ao Brasil quando estávamos vivendo momentos tão difíceis”, declarou. 

Relações históricas

Os primeiros compromissos do dia foram com o ex-primeiro-ministro da República Italiana, Massimo D’Alema, e com a secretária-Geral do Partido Democrático Italiano, Elly Schlein. Em seguida, Lula teve um encontro com o presidente italiano Sergio Mattarella, no Palácio Quirinale, em Roma, seguido de almoço oferecido a Lula e à primeira-dama, Janja Lula da Silva.

Os presidentes dialogaram sobre como ampliar o intercâmbio cultural e o comércio entre o Brasil e a Itália e sobre a necessidade de equacionar o conflito entre Rússia e Ucrânia. Outro assunto abordado foi a negociação do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. 

Pela redes sociais, Lula destacou: “Conversa com o presidente da Itália, Sergio Mattarella, sobre o estreitamento das relações entre dois países irmãos e o acordo União Europeia e Mercosul. Vamos atuar para aproximar nossas universidades e ampliar o intercâmbio comercial entre nossos países”. 

Lula também destacou sua ligação com o país europeu. “Minha relação com a Itália é histórica, desde a época em que fui dirigente sindical. Hoje retorno ao país para fortalecermos as relações e parcerias entre as duas nações”. 

Na sequência, Lula visitou o Papa Francisco, um dos momentos mais aguardados da viagem. Mais tarde, o presidente brasileiro foi recebido pela primeira-ministra de ultradireita Giorgia Meloni, no Palácio Chigi. O encontro entrou na última hora na agenda oficial da visita e não havia sido confirmada até então sob a justificativa, por parte da chefe do governo italiano, de incompatibilidade de agendas. 

O encontro entre Lula e Giorgia é visto como uma forma de reaproximação e normalização das relações, dadas as divergências ideológicas entre ambos e as críticas já feitas pela italiana ao brasileiro. Além disso, o governo italiano não enviou representante à posse de Lula. Por outro lado, os dois países mantêm boas e históricas relações, originadas no processo de imigração italiana no Brasil. 

Além disso, Brasil e Itália mantêm profícuas relações comerciais. Segundo dados do governo, o volume de negócios entre os países chegou a US$ 10,46 bilhões em 2022. As exportações do Brasil para a Itália somaram quase US$ 4,9 bilhões, fazendo do país europeu o 15º principal destino para produtos brasileiros. Já as importações de produtos italianos para o Brasil ficaram em torno de US$ 5,5 bilhões, o sétimo maior volume de importações feitas pelo país.

Nesta quinta-feira (22), Lula concederá entrevista coletiva e mais tarde seguirá para Paris, onde se encontrará com o presidente Emmanuel Macron, juntamente com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Um dos objetivos, segundo noticiado, é destravar o acordo entre Mercosul e União Europeia. 

Fonte: Portal Vermelho Capa: Ricardo Stukert/PR


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes