Pesquisar
Close this search box.

No aniversário de Lula, país manifesta anseio por democracia

No aniversário de Lula, país manifesta anseio por democracia

Com alegria e irreverência, em todos os estados e também no exterior, brasileiros pedem liberdade do ex-presidente, justiça e respeito à Constituição

Publicado por Redação RBA

 Atos e atividades em todo o país levaram milhares de pessoas às ruas para festejar, neste domingo (27), o aniversário de 74 anos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Movimentos populares, partidos e apoiadores sem vínculos com entidades da sociedade civil organizada aproveitaram os festejos para protestar contra a prisão política de Lula, bem como exigir sua libertação e o restabelecimento da normalidade democrática no país.

A maior manifestação pela data foi realizada em Curitiba pela Vigília Lula Livre, a poucos metros da sede da Polícia Federal em Curitiba (Paraná), onde o ex-presidente está detido desde abril de 2018. O evento teve a presença da presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffman, do irmão de Lula Frei Chico, da deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ) e foi marcado por diversos atos culturais.

O “parabéns a você” ocorreu em torno de um bolo com mais de 5 metros de extensão e foi cantado por e milhares de participantes de todas as regiões do país que viajaram em caravanas até a capital do Paraná. “O presente que estamos dando a Luiz Inácio Lula da Silva é essa resistência”, declarou Benedita da Silva.

Gleisi fez referência, entre outras, ao legado já deixado pelo ex-presidente, em sua vida toda dedicada à luta pelos direitos dos trabalhadores. “Lula deixa um dos maiores legados de governo ao povo brasileiro e vai deixar um das maiores legados de resistência e coragem ao estar aqui de cabeça erguida e não trocar sua dignidade pela liberdade”, afirmou.

São Paulo

Além de uma mobilização na AVenida Paulista para colher assinaturas pela libertação do ex-presidente, a capital paulista comemorou a data no Armazém do Campo, região central da cidade, onde cerca de mil pessoas almoçaram o Escondidinho Pernambucano, preparado pela chef Carmen Virgínia. O evento foi intercalado com diversas atrações musicais e manifestações políticas. Entre os presentes, os deputados Alexandre Padilha e Nilson Tatto, além do ex-senador e vereador Eduardo Suplicy, todos do PT-SP.

“Em primeiro lugar é um dia de afeto. Estive recentemente com ele e tenho que dizer que ele venceu aquela máquina de depressão. Mas também temos que repensar os próximos passos e esperamos que o STF cumpra seu papel de guardião da Constituição e faça cumprir a Constituição. Que seja reconhecido o direito da presunção de inocência do ex-presidente Lula”, afirmou Padilha

Para Nilton Tatto, “é importante comemorar e também trabalhar pela libertação do presidente Lula. Os trabalhadores querem o Lula de volta. Nós precisamos fazer com que a Justiça pare de fazer política. Todos sabem da ilegalidade do processo que levou o Lula à cadeia, dos problemas da Lava Jato, revelados pela Vaza Jato. Boa parte dos milhões de desempregados do país, é culpa da Lava Jato”, encerrou.A data comemorativa não passou despercebida no estado natal do ex-presidente, onde estão sendo realizadas confraternizações em vários municípios, e os pernambucanos abusaram da criatividade na hora de comemorar.

Fonte: Com reportagem do Brasil de Fato

Block
 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes