Pesquisar
Close this search box.

Bozo, os milicos e a sepultura cavada

Bozo, os milicos e a sepultura cavada

Só vão sobrar os milicos no laranjal?

Por Altamiro Borges

Em meio aos enterros do coronavírus, Jair Bolsonaro também cava sua sepultura. Na semana passada, ele chutou o popular Mandetta; agora, demitiu o diretor-geral da PF e forçou a queda do “herói”  Sergio Moro. Já há boatos de que o abutre Paulo Guedes também vai dançar. Só vão sobrar os milicos no laranjal?

Mas já há tensão nos quarteis. Ouvidos pelo jornal Estadão, “oficiais-generais avaliam que o governo de Jair Bolsonaro terá dificuldades de se levantar após a despedida de Sergio Moro… Eles se disseram ‘perplexos’ e ‘chocados’ com as declarações acusando o presidente de interferência na PF e fraude”.

Ainda segundo o jornalão, “um dos militares disse que Bolsonaro virou, no mínimo, um ‘zumbi’ no Palácio do Planalto… ‘Tudo tem limite’, afirmou um dos generais à reportagem. Outro disse que o presidente cometeu ‘suicídio’ e não recupera mais seu capital político”.

Após sujarem novamente a sua imagem, será que os generais vão tentar limpá-la agora? Segundo o Estadão, ainda há dúvida sobre o que fazer. “O tamanho do problema ainda está sendo avaliado, mas todos ressaltam que as consequências são ‘imprevisíveis’. O que joga contra Bolsonaro é a credibilidade de Moro, afirmam”.

Bolsonaro virou um zumbi

Dois oficiais afirmaram que Jair Bolsonaro “destruiu as várias pontes de governabilidade que estavam sendo construídas… E, pior, que ele colocou o país em nova crise política, num momento de grave pandemia do coronavírus”. Isolado, criminoso e, agora, basicamente, com apoio dos milicos!

Por fim, o Estadão registra: “Os oficiais-generais chegaram a lamentar que estejam nesse processo político – no governo – ‘até o pescoço’ e, agora, não sabem ainda como sair da encruzilhada em que se meteram”. Eles concordaram que a crise “põe o Congresso e a sociedade no debate do impeachment”.

Sobre o impeachment, os oficiais alertaram que o processo “é um caminho ‘longo’ e ‘difícil’ de ser executado. Por isso, prevalece a opinião na caserna de que o destino de Bolsonaro pode ser mesmo de seu antecessor, Michel Temer – um zumbi após as acusações que envolviam o grupo JBS”.

Ala militar pode forçar a renúncia

Mais venenosa, a Folha garante que a “ala militar do governo Bolsonaro entrou em crise com a bombástica saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A retirada do apoio ao presidente é uma das hipóteses na mesa que, se concretizada, pode levar a uma renúncia” do presidente.

Segundo a Folha, “dois fatos fizeram elevar a pressão de setores importantes da cúpula sobre seus enviados ao governo. Primeiro, a publicação no Diário Oficial da exoneração do diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, sem consulta aos fardados… Segundo, o pronunciamento explosivo de Moro em sua saída”.

“Um interlocutor direto da ala militar afirmou que os generais ficaram chocados com a acusação explícita de interferência na Polícia Federal… Na avaliação dos militares, o presidente isolou-se de vez com esses fatos”, relata a Folha, que aposta na saída dos milicos do laranjal.

E a Folha acrescenta: “Além da pressão interna, militares estão vendo subir a insatisfação do serviço ativo com a condução da crise do coronavírus… O comandante do Exército, general Edson Pujol, está cada vez falando menos a mesma língua do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo”.

O impasse entre os milicos é tão explícito que “os generais da ativa compartilharam não memes chamando Moro de traidor ou comunista, mas sim um no qual um jogador de futebol em aquecimento ganha a cabeça do vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB)”, apimenta a Folha.

E o jornal conclui: “Para um político com trânsito livre entre os militares, a situação é irreversível para Bolsonaro. Ele só tem hoje a família, os fardados palacianos e alguns nomes no Congresso para se apoiar”. Se a ala militar recuar, “convida Bolsonaro a renunciar na prática”.

A paranoia do “capetão” 

Antes mesmo de confirmada a queda de Sergio Moro, a revista Veja ironizou a paranoia do “capetão”. “Acossado por teorias de que pode ser traído a qualquer momento por seus auxiliares, Bolsonaro costuma dizer que nenhum ministro é insubstituível”. Ele já chutou Mandetta e não teme o ex-juizeco, que sempre foi tão capacho.

Veja apimenta o caso ao informar que as “movimentações para trocar o comando da PF e, por tabela, desgastar Sergio Moro ocorrem no momento em que acaba de ser aberto inquérito para investigar de quem partiu o financiamento do ato antidemocrático de domingo passado”, que teve a presença do terrorista Bolsonaro.

“Investida de Bolsonaro contra Moro também coincide com decisão do presidente de fazer acenos a parlamentares do chamado Centrão, que reúne partidos como o PL, um dos protagonistas do mensalão, e o PP, legenda mais implicada na Lava-Jato”, conclui a Veja. Bolsominions vão pirar!

Os bolsominions vão pirar de vez

Antes mesmo da queda de Sergio Moro, o gado bolsonarista já andava meio perdido, mugindo pelos cantos. Ele estava apanhando até do próprio “capetão” Bolsonaro. “Em meio à crise do coronavírus, presidente tem dado demonstrações de impaciência com seus apoiadores”, registrou a Folha.

“As respostas ríspidas, antes reservadas apenas aos jornalistas, agora são dadas também a pessoas que integram a claque que costuma ir à portaria do Palácio da Alvorada para chamá-lo de mito, rezar por ele e também fazer pedidos”, informa o jornal. Os bolsonaristas vão pirar de vez!

Fonte: Brasil 247

Slide 1

VISTA NOSSA CAMISA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

camiseta Rir casal

<

p style=”text-align: justify;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes