Pesquisar
Close this search box.

Emir Sader: O Brasil pede a gritos um grande acordo nacional

Emir Sader: O Brasil pede a gritos um grande acordo nacional

Por: Emir Sader 

O país está paralisado. O governo não consegue governar, a oposição está asfixiada pelas perseguições políticas. O Brasil não suporta mais as incertezas, as , as declarações e as ações estapafúrdias de ministros. O país vê ser desmontado o patrimônio público, enquanto os direitos das pessoas são afetados profundamente.

A vitória eleitoral mediante artifícios ilegais e imorais permitiu que a direita impedisse que o PT voltasse a governar o Brasil. Mas paga um preço caro, com um presidente sem as mínimas condições de assumir o cargo efetivamente e dirigir o país. Não tem condições sequer psicológicas de se apresentar como presidente do Brasil e enfrentar questionamentos da imprensa.

Menos ainda de representar o país lá fora. Sua próxima viagem, mesmo a países escolhidos a dedo – Israel, Chile e EUA – promete ser uma vergonha de proporções mundiais. Ele não poderá deixar de ficar exposto a perguntas, a questionamentos, a temas, de que ele foge aqui, com a conivência da mídia. Nem nos EUA e no Chile, ele poderá se furtar à mídia. Ficará claro para o mundo não somente suas posições obscurantistas, mas que ele nem psicologicamente pode assumir um cargo público.

As posições de política internacional já causam danos graves para a economia brasileira, tanto em relação à soja e a produtos agrícolas hoje vendidos à China, como ao frango, e a outros produtos vendidos aos países árabes. Na viagem a Israel, ele será pressionado para confirmar as posições aventureiras do Brasil em relação a Jerusalém, e só piorará as perspectivas do comércio exterior do país.

A falta de coesão política do governo no Congresso coloca grandes dúvidas sobre a possibilidade de aprovação da reforma da Previdência. O governo quer aprovação rápida, para mostrar serviço ao grande empresariado, mas quanto mais rápida a votação, maiores riscos para o governo, que aceita todo abrandamento das medidas propostas, para garantir a aprovação de alguma versão da reforma. Que, por sua vez, enfrenta a dificuldade de tentar incluir os militares, condição de votação da reforma, mas que conta com forte resistência destes e até mesmo dos policiais.

As incertezas econômicas e políticas sobre o futuro imediato do país e do próprio governo colocam freio aos investimentos, já diante de um desempenho sofrível da economia no ano passado, com previsão similar para este ano. As turbulências sociais pelas mobilizações populares serão um componente seguro do cenário político para este ano.

A isso se acrescenta a situação do Lula. A vergonhosa sentença da juíza no processo de Atibaia, a imensa solidariedade que o Lula recebeu no momento da morte do seu neto, em contraste com as brutais reações dos filhos do presidente, repudiadas e corrigidas por eles mesmos, a popularidade do Lula na sua breve saída – tudo gera expectativas ainda maiores sobre o seu destino futuro. A Lava Jato gostaria de acumular condenações que o privem da possibilidade de ele reconquistar a liberdade. Mas o enfraquecimento do Moro no governo, as novas denúncias sobre a Lava Jato – sobre a compra das delações por parte das empresas acusadas e a criação de um fundo privado com recursos públicos -, e manifestações de juízes do STF, geram maiores expectativas sobre o novo julgamento da questão da prisão em segunda instância, dia 10 de abril.

De qualquer maneira, a sensação que vai se criando no cenário político é a de que o país não pode seguir assim. Esses dois primeiros meses do novo governo foram desastrosos, para o governo e para o país. E o presidente pretende desconhecer os desastres: cede às pressões dos filhos, reafirma que vai seguir apoiando-os, reitera o projeto de perseguição à educação, com uma suposta operação Lava Jato contra a resistência de professores e estudantes ao obscurantismo do governo, jogando álcool no fogo.

Não se vislumbra ainda, além de posições do vice-presidente e de juízes do STF, quem poderia assumir a responsabilidade de um novo acordo nacional, que pacifique minimamente o país. Mas está claro que qualquer acordo político nacional tem que se dar sem e contra os Bolsonaros, que restaure a ideia de que são adversários e não inimigos se digladiando na esfera política e que contemple a liberdade do Lula.

Será possível? Quem assumirá a responsabilidade de um acordo desse tipo? Que país teremos se não se conseguir esse tipo de acordo?

Lula Haddad Livre

ANOTE:

Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária:  https://www.xapuriinfo.dream.press/loja-solidaria. Em Formosa, encomendas com Geovana: 61 9 9352 9191. Em Brasília, com Janaina: 61 9 9611 6826. 

Lula Livre: https://www.xapuriinfo.dream.press/produto/lula-livre-estilo-comics/

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes