Pesquisar
Close this search box.

A Marca PT

A Marca PT – A marca é uma necessidade de qualquer empresa ou instituição, para comunicar de maneira rápida e sintética a sua identificação, através de seu símbolo. Por trás de uma marca, sempre existe uma história de muito trabalho, desafios, incertezas, sacrifícios, alegrias e tristezas.  Levando o raciocínio para as instituições, como o partido político, por exemplo. Todos criam seus símbolos com o objetivo de criar uma marca, mas nem todos conseguem sucesso

Por João Rocha

A estrela vermelha, símbolo do PT – Partido dos Trabalhadores, tornou-se uma marca reconhecida no Brasil e no exterior. E, como todas as marcas de sucesso, ela tem uma longa história. Na caminhada, para chegar onde chegamos, foi através de muita luta e sacrifício.

O PT nasceu no bojo do movimento sindical em 1980, em plena ditadura. Sofreu todos os boicotes possíveis, notadamente pelo governo militar, que colocou inúmeros obstáculos para que o PT não se viabilizasse. Muitas companheiras e muitos companheiros foram perseguidos, e alguns foram abatidos. Tombaram em luta, ao longo da caminhada.

Dos companheiros assassinados, cujas mortes repercutiram nacional e internacionalmente, conheci Antonio Costa Santos, o Toninho do PT, prefeito de Campinas; Francisco Alves Mendes Filho, o Chico Mendes; Celso Daniel, prefeito de Santo André; e o Beto Gráfico, o Betão, assassinado na periferia da cidade de Campinas.

TONINHO DO PT

Convivi com Toninho na primeira administração do PT em Campinas, de 1989 a 1992, quando ele foi vice prefeito e secretário de obras e eu administrador regional. De família tradicional campinense, jovem ainda Toninho abraçou a causa dos empobrecidos. Ele foi um dos líderes da Assembleia do Povo, um movimento popular com grande força, constituído por moradores da periferia, notadamente por favelados.

A filiação ao PT foi um passo natural. Como arquiteto, secretário de obras e idealista, Toninho tinha importantes projetos para a cidade, sobre alguns dos quais tive a oportunidade de ouvir as apresentações dele mesmo em reuniões de trabalho. Foi morto em 2001, quando era prefeito de Campinas. A história da morte de Toninho até hoje está mal contada. Morreu porque era petista.

Toninho do PT

CHICO MENDES

Conheci o Chico Mendes em 1980, em Campinas. Conversamos muito, foi muito importante ouvir dele o relato da luta dos seringueiros em defesa da floresta. Daquele breve contato, ficaram algumas lições: coragem, humildade e altruímo. Nos tornamos amigos e trocamos correspondência enquanto ele viveu. O Chico, em plena ditadura, bateu de frente com os fazendeiros e jagunços, foi até as últimas consequências e perdeu a vida na defesa da floresta e dos seringueiros.

Chico Mendes Herói do Brasil

CELSO DANIEL

Conheci o Celso Daniel nas reuniões, nos encontros e congressos do PT,  tenho em meus arquivos textos escritos pelo Celso, que buscava a conscientização dos trabalhadores, o fortalecimento do partido e a proposta de uma administração participativa. Morreu porque lutava por um mundo mais justo e menos desigual.

Celso Daniel

Hoje, neste dia10 de fevereiro de 2020 em que o PT completa 40 anos, não podemos nos esquecer de homenagear aqueles que acreditaram e lutaram por um partido que mudasse a realidade do nosso povo.

João Rocha – Metalúrgio aposentado. Foi um dos fundadores do PT em Campinas, São Paulo. 

Fotos: Chico Mendes/Xapuri/Aldimar Nunes Vieira. Toninho e Celso Daniel: Divulgação – Internet. 


Salve! Pra você que Até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuriinfo.dream.press. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15 e1615110745225

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA? 

ASSINE AQUIBFD105E7 B725 4DC3 BCAD AE0BDBA42C79 1 201 a

 

 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes