Pesquisar
Close this search box.

Os sinais da paz

Os sinais da paz

No século XIX, muitos pesquisadores acharam que a física estava chegando ao fim. Mas a natureza continuou a surpreender os cientistas. No século XX, os liberais acreditaram que a história estava chegando ao fim, com a vitória da democracia representativa e a economia de mercado simbolizada pela Queda do Muro de Berlim. Mas a sociedade se reinventou – para melhor, com a consciência ecossocialista; para pior, com a tríplice ascensão do neoliberalismo econômico, o fundamentalismo religioso e o neofascismo que se espalhou qual uma tempestade pelos hemisférios Norte e Sul.

Por Luiz Marques/Fundação Perseu Abramo

No século XXI, os sionistas creram na possibilidade beligerante de dar um fim a um povo não eleito, o povo palestino. Mas os israelenses no penúltimo dia do ano de 2023, em atos de rua com uma multidão de manifestantes nas cidades de Tel Aviv e Cesareia, onde o primeiro-ministro tem reside, gritaram “Não” e exigiram “Novas eleições”. O jornal The Times of Israel divulgou que as manifestações ocorreram “de forma sóbria e solene”. Um eufemismo cuidadoso para dizer que os acontecimentos reuniram setores importantes na balança da opinião pública local – pela paz.

Parcela dos israelenses, do centro político, concluiu que o premiê Benjamin Netanyahun, após o fracasso em libertar o restante dos reféns do Hamas, coloca Israel (ela sim) em risco de chegar a um fim com os bombardeios sobre a Faixa de Gaza. A prática genocida do governo em curso recende os algozes nazistas no Holocausto. O risco das vítimas de outrora é trocar de posição com os carrascos. Felizmente a voz do mundo ecoa intrafronteiras do Estado chancelado pela ONU, no Pós-Guerra.

Grande notícia

O Estado de Israel provocou o deslocamento de hum milhão e meio de pessoas de suas casas. Em compensação, acrescentou tijolos morais para a reconstrução da Palestina, com a solidariedade da maioria das nações no mapa-múndi, salvo exceções cada vez mais reticentes perante o genocídio. A exemplo dos Acordos de Paris, em 1973, que acabaram com a invasão dos Estados Unidos no Vietnã graças às mobilizações massivas dos jovens estadunidenses, – o brado dramático das mães israelenses (“Tirem nossos soldados de Gaza”; “Israel não sobreviverá”; “Acordo Diplomático já; Abaixo Netanyahun”) indica que o discurso sionista de tergiversação sobre o massacre de mulheres, crianças e civis perde credibilidade nas próprias hostes. Essa é a grande notícia da virada de ano.

É possível a coexistência na região, sem que o Estado de Israel se sinta ameaçado por um Estado da Palestina. Na verdade, é o segundo que terá ainda motivos para ter medo do primeiro. Afinal, no levantamento do Censo de 2021, Israel possui 9,3 milhões de habitantes. Na Faixa de Gaza moram (ou moravam) 2,3 milhões. Fácil saber quem, em regra, leva vantagem nas relações internacionais. A diferença populacional importa entre os países, para não mencionar o poderio militar bélico.

Entre 1815 e 1914, confiou-se no equilíbrio entre as potências europeias (Alemanha, França, Reino Unido), na defesa da propriedade privada, do padrão ouro e da dominação colonial. Fatores julgados suficientes à acumulação do capital e à prosperidade do continente. Só esqueceram que as desigualdades sociais internas são elementos desestabilizadores. Viu-se na Revolução de 1917 com a deposição do Czarismo e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (ex-URSS).

As alianças entre Reino Unido e França, em 1904, para dividirem o Egito e o Marrocos, e com a Rússia em 1906 para dividir a Pérsia, ao mesmo tempo que a Alemanha consolidava alianças com a Áustria e a Hungria romperam o equilíbrio que assegurava a paz relativa. Enquanto os países isoladamente tinham uma grandeza equivalente, a concorrência para evitar os desequilíbrios entre os séculos XV e XVIII ajudou a impor o respeito mútuo. O tamanho servia à equanimidade.

Ousar conviver

Em 1800, a população da França (30 milhões de habitantes) era 50% maior do que a população da Alemanha, que ainda não passara pela unificação de Otto von Bismarck. De certo modo, explica a extraordinária hegemonia militar e cultural francesa na Europa e os planos imperiais de Napoleão Bonaparte, à época. Com a estagnação do crescimento da França, por um longo século, a coisa muda de figura em função do controle de natalidade precoce atribuído a uma descristianização. Em 1910, é então a Alemanha (60 milhões de habitantes) que se torna quase 50% maior que a França. Os problemas reiniciam, lembrando as concepções cíclicas da história e do eterno retorno.

A geopolítica líquida do alvorecer do século passado acentuou os erros herdados do conflito de 1870-71, que trouxeram pesadas penas econômicas para a França. A França faz a revanche com o término da I Guerra, impondo uma absurda reparação a ser paga pela Alemanha, em torno de 350% da renda nacional de 1919-1921. O montante era impagável. Prenunciava-se a II Guerra, e os 20 milhões de russos mortos, 8 milhões de alemães, 6 milhões de judeus e 500 mil de norte-americanos. Convém memorizar os números fabricados em escala industrial. Como diz Thomas Piketty, se a questão demográfica não esgota os motivos dos conflitos, suscita ideias de poder que podem ser pegas por aventureiros. Quiçá banhos de sangue tenham ensinado prudência à política.

O fato de vários países disporem de bombas atômicas, hoje, não diminui a insensatez humana. Aumenta a responsabilidade de seus governantes diante da possibilidade concreta de uma nova guerra, de proporções e consequências inimagináveis pelos critérios do bom senso. Selado o acordo diplomático para a criação de um Estado da Palestina, dada a disparidade de forças militares e de equipamentos de alta letalidade, a apólice de seguro dos palestinos nas próximas décadas será a capacidade de o mundo resgatar os valores do iluminismo, para “ousar conhecer” para além dos preconceitos étnicos e/ou religiosos – e também “ousar conviver” sob um regramento universal.

Para instaurar e manter a paz duradoura, o mundo depende cada vez mais da tolerância, e menos da idiossincrasia das grandes potências da atualidade. A adesão dos Estados Unidos e da União Europeia ao proclamar “apoio incondicional” ao direito de defesa de Israel logo se transformou no direito de um Estado que se autodefine democrático empregar métodos terroristas para combater o terrorismo. Resultou no ódio paroxístico. Várias nações agora puxam o freio de mão, e pedem paz.

O ano de 2024

Nesse sentido, líderes de um país com longa tradição de concertação (o Brasil) e um presidente com reconhecimento e influência no tabuleiro mundial (Lula da Silva) têm um papel a desempenhar, apesar dos comentários da imprensa vira-lata sudestina. Há que respaldar o povo israelense contra o pensamento único do sionismo, de extrema direita, cujo expoente-monstro é Netanyahu. Os sinais se espargem em Israel, com os ventos da luta pela paz vindos do mundo inteiro. Que 2024 seja o ano da reconciliação (sem anistia) no Brasil, e da fundação do Estado da Palestina. Brindemos.

Luiz Marques é docente de Ciência Política na UFRGS, ex-Secretário de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul

Fonte: Fundação Perseu Abramo Capa: Ciclo Vivo


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes