PT repudia ‘falta de endosso’ do Brasil contra coronavírus proposto pela ONU

PT repudia ‘falta de endosso’ do Brasil contra coronavírus proposto pela ONU

 
O PT divulgou uma nota nesta quinta-feira (23) na qual repudia “a falta de endosso do governo do Brasil à Resolução da Assembleia-Geral da ONU”, que foi apresentada pelo México e estabelece um acordo de cooperação internacional para garantir o acesso global a medicamentos, vacinas e equipamentos médicos para enfrentar a pandemia de coronavírus.
Apenas Brasil, Estados Unidos e outros 12 países, entre os 193 membros da ONU, não apoiaram a medida.

Para o PT, “a única saída viável para a pandemia do Covid-19 é uma saída global, que contemple as necessidades de todas as nações do planeta e não deixe nenhum país para trás”.

“Nesse sentido, as ações e diretrizes da ONU e, particularmente, da sua agência especializada em saúde, a OMS, são essenciais para todo o mundo, notadamente para os países mais pobres e carentes de recursos. Querer monopolizar os recursos imprescindíveis para o combate à pandemia, como parecem intentar fazer alguns governos, é um grande desserviço a toda a humanidade”, destaca o partido.

Na nota, o PT também repudia as declarações “inacreditáveis, estapafúrdias e vergonhosas” do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, sobre OMS que, segundo ele, está sendo usada para implantar o regime comunista no mundo.

Confira a íntegra da nota:

O Partido dos Trabalhadores e suas bancadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal repudiam a falta de endosso do governo do Brasil à recente Resolução da Assembleia-Geral da ONU, a qual demanda uma ação global para acelerar rapidamente o desenvolvimento, a produção e o acesso à remédios, vacinas e equipamentos médicos para fazer frente ao novo coronavírus.

Vergonhosamente, o governo Bolsonaro foi um dos 14 governos em todo o mundo que não apoiou explicitamente essa imprescindível Resolução apresentada pelo México, e que mereceu a pronta aprovação de 179 países do planeta.

Voltamos a lembrar, tal como fizemos em nota anterior, que a única saída viável para a pandemia do Covid-19 é uma saída global, que contemple as necessidades de todas as nações do planeta e não deixe nenhum país para trás.

Nesse sentido, as ações e diretrizes da ONU e, particularmente, da sua agência especializada em saúde, a OMS, são essenciais para todo o mundo, notadamente para os países mais pobres e carentes de recursos. Querer monopolizar os recursos imprescindíveis para o combate à pandemia, como parecem intentar fazer alguns governos, é um grande desserviço a toda a humanidade.

Da mesma forma, repudiamos as inacreditáveis, estapafúrdias e vergonhosas declarações do ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro, Ernesto Araújo, sobre o tema. Seguindo as mais toscas e sombrias tradições de um anacrônico macartismo, o chanceler bolsonarista argumenta que a pandemia representa um instrumento para a dominação comunista no mundo e que o globalismo, expresso nas Nações Unidas e na OMS, “substitui o socialismo como estágio preparatório ao comunismo”.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Essas agressões ao sistema das Nações Unidas, num momento tão delicado para a humanidade, fazem recordar até mesmo as manifestações feitas por notórios terroristas e inimigos da civilização, como Osama Bin-Laden, para quem a ONU era um “instrumento de crime”, o que acabou provocando a morte de Sérgio Vieira de Mello no Iraque, um autêntico diplomata comprometido com a razão, a civilização e a vida.

Por último, manifestamos nossos aplausos ao governo mexicano de López Obrador, por ter apresentado essa oportuna e meritória Resolução.

Deputada Gleisi Hoffmann, Presidenta do PT

Senador Rogério Carvalho, Líder da Bancada no Senado Federal

Deputado Enio Verri, Líder da Bancada na Câmara do Deputados

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO