Pesquisar
Close this search box.

QUEDA DA APROVAÇÃO E O OPORTUNISMO DA MÍDIA

QUEDA DA APROVAÇÃO DO GOVERNO E O OPORTUNISMO DA MÍDIA

Afirmação frágil da Quaest é usada pelos veículos de informação da mídia tradicional para pressionar governo sobre Gaza

Por Jordana Dias Pereira/Fundação Perseu Abramo

A pesquisa publicada pela Genial Quaest nesta quarta-feira, 6 de março, traz um panorama geral sobre a evolução da aprovação do governo Lula desde o início do mandato em 2023. Esta rodada ouviu presencialmente duas mil pessoas entre os dias 25 e 27 de fevereiro em 120 cidades de todas as regiões do país e tem margem de erro de 2 pp (pontos percentuais).

Os dados mostram um aumento da avaliação negativa do governo Lula. Nesta última rodada, o governo é avaliado positivamente por 35% da população, e negativamente por 34%. Dos entrevistados pelo instituto, 28% consideram a gestão como regular e 3% não responderam. Em dezembro de 2023, no entanto, 36% tinham uma avaliação positiva do governo Lula e 29%, negativa – o que evidencia uma elevação de seis pontos percentuais (pp) na avaliação negativa.

O Núcleo de Opinião Pública, Pesquisas e Estudos (Noppe) da Fundação Perseu Abramo acompanha o trabalho da Quaest com o devido respeito e atenção. Consideramos suas pesquisas um importante instrumento para leitura do humor do eleitorado e para produção de diagnósticos.

No entanto, uma indução nos chamou atenção nesta última publicação. E é sobre isso que este artigo se atentará.

Felipe Nunes, diretor do Instituto, declara na sua página do twitter que “A maior variação na avaliação nesse período se deu entre os evangélicos. Enquanto a avaliação do governo permaneceu estável entre católicos, a avaliação negativa saltou de 36% para 48% entre os evangélicos”. Segue o quadro abaixo.


Até aqui, nada a se questionar. Os dados parecem claros e outros institutos mostram a mesma tendência – eleitorado evangélico mais crítico em relação ao governo.

No entanto, quando busca explicação para o fenômeno, Nunes constrói uma relação causal estreita. Ele afirma que a queda na aprovação entre o público evangélico tem relação com as falas de Lula sobre Gaza – o que não precisa ser desconsiderado. Mas, notem: não há nenhuma pergunta ou tentativa de aferir quanto um dado tem relação com o outro. Ou seja, quanto a avaliação negativa sobre a fala interferiu, de fato, na avaliação sobre o governo. Ele não tem elementos na própria pesquisa que o permita estabelecer esta relação. A relação de causa e efeito é, portanto, bastante frágil.

Há outros fatores que podem – e devem! – ser considerados. Até porque, como se vê no gráfico acima, a reprovação ao governo entre o público evangélico aumenta de maneira quase constante desde agosto de 2023 – anterior, portanto, ao início da guerra e à fala de Lula.

Neste sentido, a questão econômica, por exemplo, parece ser um caminho interpretativo mais sólido, pois as linhas sobre avaliação da economia, percepção sobre inflação e perspectiva de futuro parecem andar em consonância com a linha de aprovação do governo. Quaest mostra que subiu de 48% para 73% aqueles que têm a percepção de que o preço dos alimentos aumentou. E caiu de 55% para 46% os que se dizem otimistas em relação ao futuro da economia. Não estaria aqui uma chave analítica mais consistente?

Voltando às falas de Lula: de fato, 60% do eleitorado declara que Lula exagerou na comparação. Apenas 28% dizem concordar com a declaração do Presidente. E, assim como em todas as outras áreas que o próprio instituto avalia, evangélicos e quem votou em Bolsonaro se mostram ainda mais críticos em relação a Lula (69% e 85%, respectivamente, acham que Lula exagerou comparando os ataques de Israel ao que Hitler fez na 2ª Guerra Mundial).

Além disso, deve-se ter cautela ao ler dados segmentados. Se a margem de erro na leitura da população como um todo é de 2,2 pp, entre os dados segmentados, esta margem pode subir para 4 ou até 5pp. Isso quer dizer que, se a pesquisa mostra que 48% do segmento evangélico avalia negativamente a gestão (soma de quem considera o governo ruim com quem considera péssimo), esse número pode ser de 43% a 53% (variação de 5pp para mais ou para menos).


Acima, vê-se um gráfico com o acompanhamento do Noppe de todos os institutos de pesquisa. Vale cautela ao encontrar curvas muito acentuadas como esta que a Quaest apresenta neste mês (de 36% para 48%, 12pp, portanto). Ela quer dizer que 7,2 milhões de evangélicos mudaram de opinião em dois meses. Pode acontecer, claro, mas não é comum. O importante é entender a evolução, a tendência ao longo do período e não apenas a variação de uma rodada para outra. É recomendável, portanto, esperar as próximas pesquisas, os outros institutos, para avaliar se a tendência se mantém e investigar mais sobre as possíveis razões.

O fato é que a afirmação frágil e até falaciosa de Nunes foi amplamente usada pelos veículos de informação da mídia tradicional (Valor, Globo, Estadão, Folha) como forma de pressionar o governo contra o posicionamento firme de Lula sobre o genocídio que acontece em Gaza. Alguns exemplos: “Governo Lula atinge pior avaliação após o Presidente comparar reação de Israel com Holocausto, aponta pesquisa” (Estadão); “Lula cai entre evangélicos ao comparar Israel a Hitler” (Folha de S.Paulo); “Queda na popularidade de Lula tem relação com declarações sobre guerra em Gaza, admite ministro” (Valor); “De acordo com a pesquisa Quaest, 62% dos evangélicos desaprovam o trabalho do presidente Lula. Felipe Nunes, diretor do instituto, diz que declaração do presidente, que comparou ação de Israel em Gaza com o Holocausto, reverberou no segmento” (Globo).

É sempre necessário cautela na leitura dos dados de pesquisas para não incorrer em erros de análise – abrindo brecha para instrumentalização política da informação publicada. De qualquer forma, o que se pode afirmar com relativa tranquilidade até aqui é que a relação de causa e efeito que Nunes estabelece entre as declarações de Lula sobre Gaza e o aumento da reprovação do governo é frágil.

O Noppe/FPA seguirá na análise das pesquisas publicadas para averiguar as hipóteses levantadas.

Jordana Dias Pereira é coordenadora do Núcleo de Opinião Pública, Pesquisas e Estudos (Noppe) da Fundação Perseu Abramo

Fonte: Fundação Perseu Abramo Capa: Poder 360


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
REVISTA 107
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes