Reforma da Previdência

Reforma da Previdência: Pauta para além-eleição

Reforma da Previdência: Pauta vigente para além do processo eleitoral – 

A pausa ao ataque da reforma da Previdência sobre a qualidade de vida do povo brasileiro deve acabar logo depois das eleições. A sanha privatista do governo golpista e seus aliados de turno no Congresso Nacional deve tentar aprovar, ainda em 2018, essa reforma nefasta. Aproveitamos, então, este momento de trégua para fazermos um balanço dos danos que a reforma da Previdência trará para a classe trabalhadora brasileira:

1. Benefícios Assistenciais (BPC/Loas): Proposta prevê o fim da vinculação dos benefícios assistenciais Bia de Lima (como Benefício de Prestação Continuada e Loas) ao salário mínimo e o aumento gradativo da idade para requerer o benefício, de 65 anos para 70 anos, prejudicando principalmente as pessoas deficientes e idosas. Mas essa regra também prejudica a grande maioria dos trabalhadores brasileiros, incluindo 77% dos homens e 68% das mulheres, abaixo do corte por idade, porque cria um degrau “abrupto” entre pessoas com características semelhantes. Por exemplo: Um homem de 50 anos que começou a trabalhar aos 16 anos poderá se aposentar aos 51,5 anos; outro de 49 anos e também começou a trabalhar aos 16 anos e portanto, já contribuiu por 33 anos, será obrigado a ficar na ativa por mais 16 anos.

2. Exclusão de servidores estaduais e municipais: A proposta original do governo previa o fim da aposentadoria especial para professores do ensino infantil, fundamental e médio (30 anos de contribuição no caso dos homens e 25 anos das mulheres), sob a alegação de que as aposentadorias de servidores estaduais e municipais cabem aos estados e municípios, e que do contrário causaria “invasão de competência.” A última versão excluiu os servidores estaduais e municipais da reforma, incluindo professores e policiais civis.

3. Fim da aposentadoria antecipada para mulheres: Hoje as mulheres se aposentam cinco anos antes dos homens. Agora se propõe aposentadoria em tempo igual para homens e mulheres. O argumento é de que elas vivem mais. O projeto desconsidera que, além de enfrentar uma dupla ou múltipla jornada de trabalho, a grande maioria das mulheres brasileiras enfrentam maiores dificuldades para conseguir e se manter no emprego, ganham menos que os homens, e têm dificuldade para contribuir para a Previdência por longos períodos.

4. Fim da aposentadoria especial do trabalhador rural: Hoje, os trabalhadores rurais se aposentam aos 55 anos (mulher) e 60 anos (homem). O governo, sob o pretexto de que as condições de vida melhoraram no campo, e de que o sistema apresenta fraudes do campo, quer acabar com o sistema especial de aposentadoria para o trabalhador rural, ignorando o fato de que em geral as pessoas da roça começam a trabalhar mais cedo, têm dificuldade de comprovar renda, e, também, de que as dificuldades sociais continuam existindo, especialmente nas regiões Norte e Nordeste.

5. Fim do benefício integral e da paridade: Alegando igualdade de regras do teto do INSS e da aposentadoria complementar para todos os trabalhadores. Desrespeitando direitos adquiridos, a proposta vigente prevê o fim  do benefício integral de aposentadoria para servidores públicos e da paridade de reajuste salarial entre servidores ativos e inativos (para quem entrou antes de 2003).

6. Idade mínima de 65 anos para aposentadoria: A nova idade mínima para o trabalhador se aposentar é de 65 anos, para homens e mulheres. Os principais argumentos são a demografia – nossa população está envelhecendo, e o aumento da expectativa de vida, de mais 18,4 anos de vida para quem se aposenta aos 65. Entretanto, em outros países do mundo mantém seus regimes de previdência para garantir a qualidade de vida de seus idosos, mesmo com ou aumento do tempo de vida de suas populações.

7. Mudança no valor da aposentadoria: O que se propõe é mudar o modelo de cálculo da aposentadoria, de maneira que o valor passe a corresponder a 51% 51% sobre as melhores contribuições mais 1 ponto percentual por ano adicional de contribuição, reduzindo o valor do benefício e, assim, obrigando o trabalhador a ficar mais tempo na ativa. Com idade mínima de 65 anos e tempo mínimo de contribuição (que sobe de 15 anos para 25 anos), um trabalhador que começou a contribuir aos 16 anos de idade terá que fi car na ativa por 49 anos para receber uma aposentadoria integral.

8. Regra de transição: Homens a partir de 50 anos e mulheres a partir dos 45 anos vão poder se aposentar pelas regras atuais, pagando pedágio de 50% sobre o tempo de contribuição que faltar, segunda a proposta do governo para a Reforma da Previdência.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

9. Pensão por morte: A proposta atual prevê o fi m da vinculação ao salário mínimo, proibindo a acumulação do trabalhador que contribuiu para ter direito ao benefício integral e da acumulação, desconsiderando a queda de renda na velhice, quando se gasta mais com a saúde, com a possibilidade de pensões de valor inferior ao salário mínimo.

GOIÂNIA

Aqui em Goiás, a Prefeitura Municipal de Goiânia avançou a agenda golpista, mesmo em tempos de eleição e aprovou, na Câmara Municipal no último dia 06 de setembro, a toque de caixa, por 18 a 17 votos, uma reforma da Previdência para o servidor/a municipal, em um processo que começou no mês de maio, sem ouvir os servidores/as.

O SINTEGO, é claro, foi contra e, juntamente com o Fórum das Entidades Representativas dos Servidores Municipais de Goiânia, encaminhou para os vereadores/ as o pedido de arquivamento da proposta pelo fato de a Prefeitura não ter ouvido os servidores municipais e acompanhou, até o último momento, as manobras da administração municipal, que condicionou o pagamento dos reajustes dos servidores à apreciação do projeto.

Dentre outras, o SINTEGO destaca as seguintes perdas para o servidor/a público municipal: a fusão dos fundos, o aumento da alíquota de 11% para 14%, e o atrelamento das contribuições dos servidores ao cálculo atuarial.

Bia de Lima
Educadora, Presidente do SINTEGO


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!