Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.
resistir

Resistir é preciso

No campo das telecomunicações, fizeram de tudo para entregar nosso único satélite nacional.

O impeachment da presidenta marcou o ano de 2016. A Constituição Federal foi rasgada e, no lugar da presidente legitimamente eleita, os representantes do mercado colocaram um capacho do capital para implementar medidas como o corte dos direitos dos trabalhadores, aprofundamento da terceirização e, em particular no setor de telecomunicações, colocar a pá de cal sobre o que havia restado de obrigações com a sociedade.

É um projeto que segue acelerado. Agora tentam arrumar deputados e senadores que aceitem as mudanças danosas à previdência pública. A chamada grande mídia, que apoiou e apoia o golpe, continua mentindo.

No campo das telecomunicações fizeram de tudo para entregar o nosso único satélite nacional. Felizmente, até agora, fracassaram. A trama em relação ao crime que o PLC 79/16 engendra no setor de telecomunicações, garantindo a inexistência de licitação para a transferência dos bens reversíveis e a renovação eterna do espectro de frequências e das posições orbitais de satélites, parece que continuará em 2018.

O , subserviente aos interesses das concessionárias Claro, Vivo e Oi, esteve prestes a aprovar o PL 79/16, com o apoio entusiasmado da Anatel e do governo golpista. Mas a resistência das organizações da sociedade, entre elas o Clube de Engenharia e o Instituto Telecom, além de parlamentares progressistas, tem conseguido impedir a consumação do crime.

Não é uma questão interna do setor de telecomunicações, ao contrário. É um ataque flagrante aos interesses da sociedade, principalmente daqueles que dependem da União para ter seus direitos como cidadãos garantidos pelas operadoras.

Sem a imposição de obrigações, a concentração da banda larga nas três operadoras – que hoje dominam mais de 80% do serviço -, será mais acentuada e sua universalização, qualidade e tarifas mais baixas inviabilizadas. Por isso, defendemos que a banda larga seja colocada em regime público.

Exatamente ao contrário dos objetivos das operadoras, que consideram a aprovação do PLC 79 uma panaceia. Realmente é, mas para seus acionistas e não para a sociedade. Receberão R$ 100 bilhões de bens públicos e reversíveis.

Resistir é preciso!

fitratelp

 

Keywords: Resistir, resistir

Uma resposta

  1. O novo satélite brasileiro tem integração do continente da América do Sul esse foi um dos motivos para o brasil construir a base de lançamento da Guina Francesa que agora esta integrado a o brasil, pela ponde de acesso do Amapá a Guiana francesa, e o Satélite brasileiro, tem 50% de sua faixar para uso e controle do exército brasileiro, para a soberania nacional, sobe controle do SISFRON e nossa Força nacional de segurança publica que estas na 13 republica socialistas da américa latina, formando uma só foça nacional de segurança publica de nosso continente, que tem o Maduro como seus comandante geral, em todas as Cavalarias mecanizadas das URSAL. e tem faixa para a democratização de banda lagar a todos os brasileiro, que tem que dar um cheque mate no falcatruas do Cassab ele esta operando as falcatruas, e tem união com o continente africano dando autonomia dos nossos dois continentes, formando a URSAL, Com o EMIRADOS ARABES UNIDOS sem a maior potencia do mundo, a URASL, e União das Republicas socialistas da América latina, sendo 13 países que o compõem, sendo uma UNA-SUL forte e com a SELAC temos CUBA como carro chefe do continente central, VIVO somos a maior potencia do mundo tem que saber operara, com a maior empresa de comunicação que eu forme do Mundo o Diario do centro do mundo esta em 194 países, tem que ter força para opera esta estrutura camarada, a luta continua, quando vc for mandar o JB lembre JB e julio Bonassa. e estou na favela sem o mínimo de condições de dignidade de vida, mesmo a pos a promulgação da constituição da republica federativa do brasil, porque como que com um império desse eu ainda não consiga, ter dinheiro? conto com a suja força companheiros, eu não quero ficar mais aqui nesse inferno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA