Pesquisar
Close this search box.

Rituais funerários, como os povos indígenas respondem à pandemia

Rituais funerários, como os povos indígenas respondem à pandemia

Por: Fábio Zuker

A cerimônia anual congrega grupos de 16 etnias e convidados na Terra Indígena do Xingu, no Mato Grosso

O caso do jovem do povo Yanomami que morreu de Covid-19 e foi sepultado no cemitério da cidade de Boa Vista, capital de Roraima, sem o consentimento dos pais, gera indignação e preocupação às populações indígenas no país. A ordem de enterrar indígenas na cidade para evitar a propagação da contaminação do novo coronavírus é vista por especialistas como uma violência à cultura dos povos tradicionais, que pedem por mediações. No Alto Xingu, nordeste do estado do Mato Grosso, onde também rituais funerários indígenas são muito marcados, há preocupação entre as lideranças indígenas e especialistas.

O Parque Indígena do Xingu antecipou a proteção do território. É lá que todos os anos acontece o Kuarup, um ritual de homenagem aos mortos ilustres, celebrado pelos povos indígenas da região.

No Parque Indígena do Xingu vivem diversas etnias, como os Kamayurá, Kuikuro, Mehinako, Kalapalo, Matipu, Waurá, Kaiabi, Aweti, Ikpeng, Kawaiwete, Kisêjê,Nahukuá, Naruvotu, Tapayuna, Trumái, Yawalapiti e Yudjá. Há também fortes indícios de presença de populações indígenas em isolamento voluntário.

O ritual do Kuarup possui variações conforme as etnias. Para muitas delas, o ritual se centra na figura de Mawutzinin, o demiurgo, primeiro homem do mundo da sua mitologia. Os troncos feitos da madeira “kuarup” são a representação concreta do espírito dos mortos. Também durante o Kuarup ocorre a luta Huka Huka, disputada entre duplas de guerreiros de diferentes aldeias, e o rito de passagem das meninas que iniciam a vida adulta – e envolve preparos e reclusão.

kuarup d ed
Luta Huka Huka entre guerreiros (Foto: Hilda Azevedo / Funai)

A liderança Kaiulu Kamaiurá conta que “mesmo antes das orientações dos órgãos oficiais do governo federal, os caciques e as lideranças tomaram as iniciativas de restringir o acesso dos visitantes não indígenas e o trânsito de indígenas para os municípios do entorno da terra indígena”. Ela diz que “ficou apenas permitida a entrada dos profissionais da saúde”.

Contando com mais de 2.642 hectares, o Território Indígena do Xingu, como preferem chamá-lo os indígenas, dissociando a noção de zoológico embutida na palavra “parque”, foi a primeira Terra Indígena homologada pelo governo federal, pelo Presidente Jânio Quadros, em 1961. Hoje, o território está cercado por fazendas que produzem soja.

Rituais mortuários
Kuarup h ed
Tronco, enfeitado com adornos coloridos, que representa a pessoa falecida
(Foto: Hilda Azevedo/Funai)

Antonio Guerreiro é antropólogo e professor da Unicamp. Ele possui uma pesquisa de longa data sobre rituais mortuários Kalapalo, um dos povos indígenas do Alto Xingu. O pesquisador afirma que há uma variedade nos modos como os povos indígenas lidam com seus mortos, “penso que cada Dsei [Distrito Sanitário Especial Indígena] deveria dialogar com representantes dos povos indígenas que atendem para elaborar protocolos de ação específicos para cada contexto”.

Os rituais mortuários no Xingu acontecem em três momentos distintos. Há grande receio de que esses rituais possam, em cada uma de suas três fases, aumentar o risco de contaminação pelo novo coronavírus: “a preparação do corpo, o enterro, e os banhos para tirar a tristeza dos enlutados envolvem a manipulação direta dos corpos. O Kuarup, por sua vez, reúne um grande número de pessoas, e tem como ápice confrontos esportivos de uma modalidade de luta praticada pelos povos daquela região. No contexto atual da pandemia, todas essas situações podem representar sérios riscos de disseminação do novo coronavírus, algo que precisa ser discutido com as comunidades”, reflete Guerreiro.

O antropólogo explica os diferentes momentos que compõem os rituais funerários no Alto Xingu: “o primeiro envolve a preparação do corpo, que deverá ser pintado (idealmente por algum não parente, ou um parente por casamento do/a falecido/a), e depois o enterro, que é feito de diferentes maneiras, e em diferentes lugares da aldeia, dependendo da idade e do prestígio da pessoa.”

O segundo momento ocorre depois do enterro, e inclui “ações para instruir a alma do morto a se afastar dos parentes vivos, e com o tempo é preciso ‘tirar a tristeza’ dos enlutados. Esse último processo consiste em banhos rituais, que serão dados nos enlutados pelas mesmas pessoas que cavaram a cova e fizeram o enterro (ou seja, não parentes ou parentes por casamento)”, afirma Guerreiro. Estes banhos podem acontecer ao longo do tempo, e se repetirem, para aos poucos irem “tirando a tristeza”, afirma o antropólogo.

O terceiro momento, por fim, é o ritual indígena mais conhecido do país, o Kuarup, eternizado pelo escritor Antonio Callado e por inúmeros estudos. Segundo Guerreiro, consiste em “homenagear/lembrar os mortos e separar de vez suas almas dos vivos”. Guerreiro explica que não é um ritual feito para qualquer pessoa, e sim quando se trata da morte de “um/a chefe ou de parentes próximos de chefes”, afirma ele.

De acordo com o antropólogo, “geralmente, ocorrem vários [Kuarup] todos os anos no auge da estação seca, entre agosto e o começo de setembro, nas aldeias onde pessoas importantes faleceram. O Kuarup é um elemento fundamental da identidade dos povos alto-xinguanos.”

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes