Pesquisar
Close this search box.
SOLIDARIEDADE: LULA MOBILIZA BILHÕES PARA O RS

SOLIDARIEDADE: LULA MOBILIZA BILHÕES PARA O RS

SOLIDARIEDADE: LULA MOBILIZA BILHÕES PARA O RS

Dados recentes, divulgados pela  pela Defesa Civil do Rio Grande do Sul, estampam o triste saldo da catástrofe climática que assola o Rio Grande do Sul desde o final de abril:  446 municípios impactados pelas inundações;  79,4 mil pessoas em abrigos; 538 mil pessoas  desalojadas; 2,1 milhões de pessoas afetadas; 149 pessoas mortas, 806 pessoas feridas e 112 pessoas desaparecidas. Felizmente, 76,4 mil pessoas foram resgatadas, e cerca de 11 mil animais também foram resgatados. 

Por Maria Letícia Marques 

Ante tamanha tragédia, o povo brasileiro se uniu em um grande movimento solidário para, de imediato, aliviar a dor da população gaúcha. Por todo o Brasil, pessoas, famílias, grupos não organizados e entidades da sociedade civil lotam aeroportos com uma belíssima avalanche de doações para seus irmãs e suas irmãs do RS.

Da mesma forma, o governo federal, liderado pelo Presidente Lula, tomou para si a responsabilidade de articular os 3 Poderes da República, para agilizar a liberação de recursos não somente para o atendimento emergencial às pessoas e comunidades devastadas pelas enchentes, mas também para ajudar o povo do RS e o governo gaúcho a reconstruir o estado do Rio Grande do Sul.  

MEDIDAS DO GOVERNO FEDERAL EM APOIO AO RS

Em sua terceira viagem ao estado depois da catástrofe, nesta quarta-feira, 15 de maio,  o presidente Lula voltou ao RS para anunciar a liberação imediata de um PIX no valor de R$  5.100 reais para 240 mil famílias atingidas pelo evento climático extremo. “O benefício será destinado a uma pessoa representante da família. Não mediremos esforços para ajudar as pessoas a reconstruírem suas vidas“, declarou o presidente Lula, em uma publicação na rede social X.

Anteriormente, o Governo Federal já havia realizado três grandes anúncios em apoio ao estado. Primeiramente, destinando mais de R$ 50 bilhões em pagamento antecipados de programas sociais, como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), e linhas de crédito para os setores produtivos que foram afetados.

No dia 11 de maio, foi publicada a Medida Provisória no valor de R$ 12,5 bilhões que abriu crédito para diversas áreas do Governo Federal, possibilitando e garantindo a atuação de diversos órgãos nas regiões afetadas pelas chuvas intensas no Rio Grande do Sul.  No dia 13,  o Governo Federal congelou a dívida do Rio Grande do Sul com a União por três anos. Também foram perdoados R$ 12 bilhões referentes a juros da dívida e  R$ 11 bilhões foram liberados para a reconstrução do estado.  Confira mais informações sobre as ações do Governo Federal. 

DILMA ROUSSEFF DESTINA R$ 5,75 BILHÕES DO BANCO DOS BRICS 

Além das ações do Governo Federal, depois de se reunir com o presidente Lula, Dilma Rousseff, presidenta do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB),  o chamado Banco dos Brics, anunciou, no dia 14 de maio, que o NBB destinará R$5,7 bilhões para a reconstrução do estado. Com este reforço, o governo do RS praticamente atinge a meta preliminar de R$59 bilhões, estimada em um primeiro momento pelo governador do estado como o valor necessário  para o gigantesco esforço de reconstrução das áreas e economias afetadas pelas enchentes de 2024. 

POVO BRASILEIRO: NINGUÉM SOLTA A MÃO DE NINGUÉM

Não obstante o descaso do governador pelas doações físicas resultantes do esforço solidário de milhões de brasileiros e brasileiras, e mesmo com um volume expressivo de recursos assegurados para a reconstrução e reparação dos danos causados pela catástrofe climática, o povo gaúcho ainda precisa do nosso apoio.

Uma vez mais, ninguém pode soltar a mão de ninguémColabore e faça parte dessa rede solidária. Contribua com o que puder, da forma que puder. A título de sugestão, recomendamos duas organizações que têm uma larga história de apoio às causas humanitárias em nosso país: 

Apoie o MST através do site “apoie.se” ou doações via Pix: 09352141000148, CNPJ do Instituto Brasileiro de Solidariedade, vinculado ao MST. 

Apoie a Ação e Cidadania, a organização fundada pelo Betinho, também está mobilizada em uma grande campanha para apoiar a população vítima das enchentes no Rio Grande do Sul.

Maria Letícia Marques – Redatora voluntária da Revista Xapuri. Capa: Lula visita abrigo em São Leopoldo. Foto: Ricardo Stuckert.


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes