Pesquisar
Close this search box.

STF e as escolas indígenas que caminham

STF e as escolas indígenas que caminham

(De São Luís do Maranhão) – “Não é o aluno Guarani que vem para a escola. Somos nós, professores, que vamos até os alunos. Nós somos professores sem fronteira”.

Por José Bessa Freire/TaQuiPraTi

Esta frase de Aline Jáxuca Adão foi dita na oficina realizada com Valcenir Karai Tibes no II Seminário de Arte, Educação e Cultura, organizado pelo Centro de Cultura Vale do Maranhão (CCVM), em São Luís, de 18 a 20 de abril, numa semana de eventos indígenas que pipocaram por todo Brasil.

Neste encontro, com a curadoria da linguista Flávia Berto, ocorreu um diálogo entre acadêmicos indígenas e não-indígenas. A doutora em linguística Márcia Kaingang, o antropólogo Marcus Vinicius Garcia (Iphan) e este locutor que vos fala discutiram em uma das mesas os Instrumentos e estratégias de valorização da diversidade linguística, quando foi exibida a Plataforma Nimuendaju, que de uma certa forma contribui para explodir a tese furada do marco temporal, a ser julgada pelo STF em junho próximo.  

Os participantes vieram, alguns de muito longe, para compartilhar experiências. Lá estavam professores Guarani Mbya (SP), Kaingang (SC e RS), Mehin Krahô e Panhĩ Apinajé (TO), Yudjá Juruna(MT), Tikmũ’ũn_Maxakali (MG), assim como os do Maranhão: Awa Guajá, Gavião Pycop cati ji, Tentehar-Guajajara, Tremembé, Tupinambá, além dos Warao, lá do rio Orenoco, que migraram da Venezuela. Talvez as pedagogias indígenas sejam a maior contribuição dada para a construção do Brasil moderno.

Escola caminhante 

Foto%201%20publico%20mesa

A professor Aline Jáxuca, 31 anos, destacou que as 14 aldeias das Terras Indígenas Tenondé Porã e Krukutu localizadas dentro da cidade de São Paulo optaram por não ter cacique, mas uma equipe de lideranças de núcleos familiares. Lá, a escola bilingue funciona de forma descentralizada – completou Karai Tibes, durante a oficina sobre “Educação Escolar e a luta pelo território: construindo uma escola caminhante”.

– O importante não é ter um prédio de alvenaria. Qualquer espaço sem paredes de sala de aula pode ser lugar de ensino, desde que o aluno se sinta bem. Nosso aluno Guarani, em vez de se isolar, sentado em carteiras enfileiradas uma atrás da outra, olhando o cangote do colega, fica em círculo, cada um frente ao outro, olho no olho, – disse Aline, exibindo fotos de crianças sentadas no chão e até deitadas durante o ato de escrever.

– A alfabetização das crianças é feita em língua guarani e, só a partir do  quarto ano do ensino fundamental, nós ensinamos a “língua estrangeira – o português” – nas palavras da professora Aline, que é alfabetizadora e atua nas aldeias, algumas delas de retomada recente.   

Os Guarani, que enfrentaram os canhões portugueses e os bandeirantes, os missionários e a catequese, além da escola desagregadora, que proibia a língua materna em seu recinto, agora resistem, em aldeias no coração da capital paulista, coabitando com o professor-celular e com o professor-Tv na luta para salvaguardar sua língua e sua cultura, numa escola diferenciada que funciona desde 2015.

– A função da escola é fortalecer a retomada do território, os modos de vida Mbya e os processos próprios de aprendizagem na transmissão dos saberes que sustentam o nhandereko, o modo de vida Guarani. A escola ensina também a plantar. “Em todas as áreas retomadas, conseguimos cultivar a terra. Na safra de 2019 – informou Karai – colhemos 16 toneladas de nove tipos de milho, além de toneladas de mandioca, batata doce, amendoim, feijão, abóbora, melancia”.

Das 14 aldeias novas, 10 já construiram sistemas de captação de água das nascentes, com filtros de areia para água dos rios, além de um sistema de banheiro ecológico sem poluição.

Alfabecantar

foto%20cintiaExperiências similares foram relatadas em  mesas com a participação de representantes de outros povos. Os acadêmicos do Mestrado Profissional em Linguística e Línguas Indígenas (Profllind) do Museu Nacional / UFRJ, Jonas Gavião, autor de três livros e Cíntia Guajajara, junto com Amyria Guajá, que está em processo de formação, expuseram os desafios da educação escolar indígena de 14 povos do Maranhão falantes de 10 línguas, todas elas ameaçadas.  

O projeto comunitário Aldeia-Escola-Floresta, com encontros periódicos de pajés, foi exposto por Marcinho Maxakali e Carlos Maxakali, que discorreram sobre as oficinas de arte, a luta pela retomada do território e o reflorestamento da área, seguido da exibição do filmes “Nũhũ Yãg Mũ Yõg HãmEssa terra é nossa!”.

A oficina Alfabecantar: cantando o cerrado vivo foi ministrada por Gregório Krahô, Júlio Apinajé e Alexandre Herbetta, que abordaram tanto a educação ambiental quanto o ensino musical, como práticas pedagógicas decoloniais da escola e a construção de novas matrizes curriculares, com destaque para o material didático.  

Finalmente, os Yudja Juruna,  um dos povos mais importantes do Xingu,  realizaram a oficina Yudja iwïre ã’ã pe seha: aprendendo com os YudjaO professor e vice-cacique Yabaiwa Juruna, formado pelo projeto “Pedra Brilhante” do Instituto Socioambiental (ISA), participou com seus colegas Karin, Tawaiku, Dayalu e Sedayadu na exposição de seus métodos próprios de ensino, abordando os cantos, a arte, o grafismo, a história e aspectos da aprendizagem da sua língua pertencente ao tronco tupi.

Representantes dos Warao da Venezuela, que vivem no Maranhão, ouviram os relatos e narraram as dificuldades encontradas na caminhada por mais de quatro mil quilômetros, a violência sofrida, a xenofobia, mas também a solidariedade recebida. Hoje são milhares de Warao espalhados por muitas cidades brasileiras. Aguerridos, eles enriqueceram o nosso país, trazendo para cá cantos, literatura e mais uma língua a figurar no mapa do Brasil.  Merecem que o Ministério dos Povos Indígenas providencie uma terra para eles aqui em Pindorama.

A Plataforma Nimuendaju

foto%20marcus%20nimuendajuEmbora o Brasil apresente uma das maiores diversidades linguísticas do planeta, a ideia de que o país é monolíngue segue fortemente enraizada e está na base do apagamento das línguas indígenas faladas no país, conforme foi discutido na mesa na qual Márcia Kaingang discorreu sobre o Grupo de Trabalho Nacional da Década Internacional das Línguas Indígenas (2022-2032) e Marcus Vinicius Garcia expôs as ferramentas da Plataforma Nimuendaju.

Trata-se da versão digital e interativa para a internet do Mapa Etno-Histórico do Brasil e Regiões Adjacentes elaborado pelo etnólogo teuto-brasileiro Curt Nimuendaju, cuja vida foi dedicada ao estudo das línguas indígenas do Brasil. Seu mapa, baseado num trabalho exaustivo de campo e em mais de 900 referências documentais e bibliográficas, traz a localização das áreas de ocupação tradicional, tanto as existentes, quanto aquelas consideradas extintas desde os primeiros séculos da colonização.  

A Plataforma Nimuendaju permite diferentes interações com o Mapa, sobrepondo-o com distintas camadas de informações, entre elas as atuais Terras Indígenas, assim como as Unidades de Conservação e os Sítios Arqueológicos – diz Marcus Vinícius. É possível acessar as referências documentais e bibliográficas para definir a localização indicada no Mapa de centenas de povos indígenas.

Nimuendaju usou o suporte que possuía em sua época, nos anos 1940, sobretudo papel e tinta. Organizou as informações a partir de uma estratégia de classificação destinada a apresentar um emaranhado de dados complexos em plano cartesiano. Já a Plataforma consegue trazer tridimensionalidade ao mapa, possibilitando a interação do internauta de acordo ao seu interesse específico.

Os ministros do STF que vão julgar o marco temporal, em junho, poderão verificar, com um ou dois cliques,  a extensão de cada território tradicional e especialmente sua temporalidade, derrubando qualquer pretensão de quem cobiça as terras indígenas.  

foto%20pintura(1)

As traduções 

Professores de diferentes etnias, que compartilharam suas experiências pedagógicas no evento do Maranhão, foram informados de que a ministra Rosa Weber determinou a tradução ao Nheengatu do texto completo da Constituição Federal de 1988. Eles decidiram, então, traduzir para suas respectivas línguas apenas o art. 231 da Constituição, com a esperança de que possam figurar na exposição sobre arte e cultura indígena inaugurada no STF, em Brasília, na quinta (19) e de ter a Constituição e outros documentos que dispõem sobre os seus direitos traduzidos para suas línguas maternas.

Português Art. 231 – São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças, e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

Língua Awa – Tradutores: Tatuxa’a Awa Guajá e Amyria Guajá

Awa rakwaha pãja awa iku py Brasil pe. Amẽ karai tamỹ awa rakwaha tixa katy rate awa ikuha. Amẽ karai tamỹ ariˈĩ te tinũ katy rate. Amẽ karai tamỹ arikuha tixa katy rata. Tewe arikuha kijã. Aria ariku py wy kurehe aria. Kwa karai u mijẽ amõ hakwaha ria arikaˈa mamaka. Amẽ karai tamỹ arixaˈa taha hurate kumehẽ te kyryˈy. Maˈakera arikaˈa kyryˈy nỹ. Nanimanoka titi tari karai py kyryˈy. Amẽ arikaˈa tinẽ kua arimymy pe.

Língua Tikmũ’ũn_Maxakali – Tradutor: Marcinho Maxakali

Yũmũ ãte yãy yũmũg yũmũg xape. Ãtep tup ũg putat hãg mõg. Ũg mũg yĩy ax nõ hexpexta. Nẽhẽ kutex xatep tup pax nũy-õm. Xip tap yikopit puxa mĩ ha yũmũg. Pu homimõ. Ũg mũ ãtep tup ũgmũg xape xop. Mũtix hãhãm pu gohet ũgmũg. A homipxup.

Língua Tentehar-Guajajara – Tradutora: Cíntia Guajajara

I’i maper uhu ikàg ma’e rehe, izeruze’egaty haw, tenetehara waneko haw rehe. Amogwer a’nam pawywy rehe wiko ma’e wanupe kury. Tuwe uruwiko izypy mehe we nehe, ze’egete, zeruzar haw tuwe rehe. Pezekwaikatu zote ywy rehe urwe. Ta’e kwehe mehe we uruwiko xe ywy rehe ure.

Língua Gavião Pycop cati ji – Tradutor: Jonas Gavião

Cohte me hẽh te amjhõto ẽhi himpexxỳ, me cohte amjõhjahyhrxỳ, me pa’cacuc, me paate ẽhmpoo to amjõhjẽpixxy, paajapacxỳ, me paate amjõhjẽhpixxy, pom coh me pji’ cỹm paapa ẽhnta, qui cohpẽ hatox cỹm me paamy pji ri, ne me paamy pji’ cỹm ẽhmpoo ẽhnta ji jamy, me paamy ẽhmpoo pyhtỳ.

Língua Yudja – Tradutor: Karin Juruna

Abi ha sade pe ide lubahu seha, se wïre, se kamena, se ziya, ī du seme idju seha, pe seha, epïa du seme ha anu, dusi pe yãhã ha anu, epïa a dube dade karai epïa zaka ulu ikua hinaka te, ulume ha anu, ubaha he ī uluzaka ulu be, ī bitïhu pe au taha ubaha.

Língua Warao – Tradutor: Héctor Pérez

Kajono oko yabanaja, tai ka ñbu kuare taera obonoya, deje warakitane ka jobaji eku. Ama Yatukamo diana ko ja, kuare, rome orikuare abane jakitane, dau kabakitane, yabakitane tai ka najoro tane ka jobaji eku. Oko kokotuka abane oñkuare nakakitane ja, tai nojibana jisaka abane narkitane ka comunidade eku. Oko waraotoma kokotuka on etomanetea warao jisaka monika diana yakerawitu.

Língua Guarani Mbya – Tradutores: Aline Jáxuca Adão e Valcenir Karai Tibes

Ma oexa kuaa aguã nhande reko, nhandeayvu, jajeroviaa, nhande yvy jareko hae ma va’e va’ekue rupi hae União oexa kuaa rã, omã’e ve rã, omboete ve rã opamba’e nhande yvy re jareko va’e.

Língua Kaingang – Márcia Nascimento

Kanhgág ag tũ pẽ tỹ ki venhra nỹ ha ag vẽnhmãn kỹ nỹtĩj fẽ, ag jykre pẽ, ag vĩ, ag nén kri fij fã, kar ag jagnẽ mré ag si ag jykre nón han fẽ ti, kar ag jave ag tỹ ga kri mũ ja tóg tỹ ag tũ pẽ nỹtĩ ti, kỹ união tỹ han ge mũ vỹ tỹ ag mỹ ag ga vin mãn ke nĩ, kar ag mré kirĩr ke, kar ag tũ pẽ há kar vin han ke nĩ gé.

P.S. Ver também  – Plataforma Nimuendajú mostra a diversidade indígena brasileira em mapa interativo — Revista Rt


AIZ – cultura brasileira        http://mapa-nimuendaju.eita.coop.br

Fonte: José Bessa Freire/TaQuiPraTi. Imagens Internas: Acompanham a matéria. Capa: Prefeitura de Maricá/Fernando Silva – Via Agência Brasil. 


foto%20mesa%20bessa%20essa

Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes