Pesquisar
Close this search box.
Tal mãe, tal filha

Tal mãe, tal filha: Identidade de gênero no Universo Feminino

Tal mãe, tal filha: Identidade de gênero no Universo Feminino

No Facebook, uma foto com personagens felizes. Mãe e filha. Mãe maquiada até o último centímetro das pontinhas dos cílios, e do lado dela, de rostinho colado, a filha, de no máximo quatro anos, também maquiada. O intuito era fazer esses paralelos de “Tal mãe, tal filha”. Foi algo apavorante.

Nas vitrines virtuais e no mundo real têm de tudo. Mas o que me fez falar sobre essa imagem, foi a finalização da leitura do artigo da professora Edma Góis, “Entre muros e abrigos: o lugar de corpos femininos no romance contemporâneo”, que analisa, entre outros, o grande romance Solo feminino, da excepcional escritora Livia Garcia-Roza.

Edma Góis destaca a seguinte fala de Gilda, protagonista do romance:

“Fui me preparar. Demorei para escolher o que usar, quase todas as minhas roupas são curtas, leves e transparentes; é o que importa, construir uma ilusão de nudez, mas nessa manhã queria algo forte, que estourasse na tela, acabei optando pelo meu vestido de seda violenta (sic), esse é direto e impactante, e colo bonito combina com decotão… Batom escarlate, blush, base em pó líquida, sombra dourada, rímel, lápis de sobrancelhas e contorno dos olhos… A ordem é brilhar!  Me maquiei, escovei os cabelos até meus dedos não mais aguentarem, calcei sandálias plataforma (elevar o corpo aos píncaros dos olhares) e nas orelhas enfiei argolas douradas”.

Segundo Edma o “trecho deixa claro o esforço das mulheres (e não só da personagem Gilda) para se encaixar na personagem feita especialmente para o seu gênero. O esforço para caber no espaço de feminilidade que lhe é apropriado é o comedimento e também o lugar de silêncio para outras corporalidades, outros modos de existir socialmente”.

Gilda uma mulher, que foi criança, assim como a menina da foto que vi na rede social, foi no espaço privado de casa, no espaço restrito e privado de casa, ensinada a criar um personagem o qual deveria ser apresentado no espaço público. Todavia, com o passar do tempo, ela passou a viver um conflito com esse estereótipo de gênero, com esse modo seu de representação aprendido e a cada tentativa de ruptura com ele, a cada tentativa de silenciá-lo recebia uma coerção social, principalmente por parte da mãe, que a emoldurou num quadro de feminilidade que, segundo Virgínia Maria Vasconcelos Leal “pode trazer adoecimento […] em especial às mulheres […] que chegam a criar uma linguagem fraturada num terreno marcado pela falta de comunicação”.

Eu fico impactada profundamente com as mãos que estão nas rodas. Principalmente quando tudo aponta para a multiplicação cada vez mais de determinados movimentos. Compartilho, assim e por isso, outra experiência que vivenciei e que canaliza minha inquietação.

Foi no sábado passado (12/11). Estava numa livraria, aqui de Brasília. Uma mulher procurava quase que desesperadamente por um livro infantil. Já sem saber o que tirar da estante, chamou uma funcionária. Esta mostrou um livro com uma personagem, produto de mercado bem atual e falou “Esse aqui vem com um cenário enorme pra criança montar e é de princesa. As meninas adoram. Tá na promoção R$99,00”. A mulher encantada: “Olha que bacana, acho que vou levar!”.

Nítido está no discurso da vendedora toda a questão da construção da identidade de gênero bem acentuada, enraizada e escrachada e de deixa arrematamos logo e também o comportamento “vai com as outras” da mulher de audição senso-comum. O eco do discurso é poderoso.

Então, a intrometida aqui começou a sondar. Cheguei junto à mulher e indaguei: Quantos anos tinha a criança. Se ela a conhecia. Se sabia se os responsáveis tinham o hábito de ler para a criança. “Você sabe que o livro tem que ser livro e lido e não brinquedo”, etc. Um das primeiras respostas que tive foi “Bem, eu acho que ela gosta de ler, afinal eu a incentivo, sou professora dela”.

Cheguei a visualizar meus olhos crescidos de espanto e meu queixo caído sob nossos pés. Passado a mistura de susto e revolta, afinal estava diante de uma colega-professora, eu comecei a sugerir alguns livros. Foi “um pra cá e um pra lá” bem duradouro esse nosso. Mas, ela não quis saber de mim, nem de minhas sugestões.

Talvez deva ter pensado que eu fosse uma professora dinossauro, dessas que não falam a linguagem das crianças e adolescentes, dessas professoras chatas e formatadas. Eu percebia sua indiferença, porém insistia. Eu pensava era na presenteada.

Aí ela vinha com um livro musical e uns com bonecos e canetas e me perguntava, com um sorriso simpático e até meio orgulhosa com sua descoberta “Será muito infantil?” Eu já querendo saber a ficha corrida e curricular dela, silenciei. Vale dizer que currículo não chega ser a prova viva de olhar crítico realmente construtivo.

No final, ela decidiu por um embrulho-livro que vinha com um conjunto de maquiagem e disse “Achei, vou levar esse. Elas AMAM. Na hora do intervalo, elas vivem se pintando”.

Olhei para ela e disse “Boa sorte!” e fui ter com Bárbara, minha filha, que sobre uma mesinha já separava os livrinhos dela. E disse para mim, mas não em silêncio:

– Agora é a minha vez e que res-pon-sa-bi-li-da-de!

mae-e-filha-pinterest

Foto: pinterest.com

ANOTE AÍ:

Wanessa Dias –  Poeta militante, especialista em literatura, professora de redação e licenciada em Letras, pela Universidade Federal do Pará, terra onde aprendeu a tecer as primeiras palavras e construir sonhos, dedicando- se a pesquisa de autores da literatura clássica brasileira. Ultimamente tem se dedicado a estudar a literatura contemporânea, criando as condições para melhorar, mais ainda, seus textos e poemas, com o cheiro do mundo das letras que a encanta e faz encantar seus leitores.
Block
 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes