Pesquisar
Close this search box.

#VazaJato: MoroGate prova o próprio veneno

#VazaJato: MoroGate prova o próprio veneno

Por: Florestan Fernandes Júnior/brasil247

“Lava Jato, eu acredito!”. Esta frase, até pouco tempo, podia ser vista em carros, geralmente importados, nos congestionamentos dos grandes centros urbanos do país. O slogan sempre me incomodou. Por que a operação comandada pela Justiça do Paraná precisava tanto se autoproclamar imparcial?

A frase servia para reforçar o trabalho do juiz Sergio Moro e dos métodos da força-tarefa, que constrangia testemunhas e atropelava prazos e ritos processuais. As primeiras conversas entre Moro e o procurador federal Deltan Dallagnol, divulgadas pelo jornalista norte-americano Glenn Greenwald e sua equipe do Intercept Brasil, desnudam a possível farsa judicial que condenou e tirou o ex-presidente Lula da disputa eleitoral no ano passado.

Desde o início do processo, a sentença condenatória já estava no bolso do juiz. Essas novas revelações só reforçam a certeza daqueles que, como eu, desde o início duvidavam da imparcialidade do magistrado. Uma certeza que ficava evidente à medida que o processo avançava rapidamente, inclusive pelas declarações extemporâneas de políticos e jornalistas que, privando da intimidade com Moro, anunciavam categoricamente que Lula seria condenado e preso bem antes da sentença ser proferida. Esses comentários eram feitos abertamente em rodas de “notáveis” formadas em jantares e premiações nas quais Moro era o principal homenageado.

Tudo isso aconteceu num momento em que o processo ainda dependia de análise das provas apresentadas pela defesa do ex-presidente. Chega a ser divertido ver Moro e Dallagnol sendo vítimas agora daquilo que mais fizeram nos últimos três anos: o vazamento de delações premiadas sem provas e até de áudios de conversas privadas da presidenta Dilma Rousseff com o ex-presidente Lula.

Mais do que a destruição de reputações, de pessoas humilhadas pelas prisões preventivas que se alongavam por meses e até anos no intuito de forçar delações que melhor se encaixavam nas peças acusatórias formatadas pela Lava Jato, esse modus operandi levou à destruição da economia do país. Exemplo disso é a paralisação nos últimos anos de todas as obras tocadas pelas grandes empreiteiras.

Da noite para o dia, milhares de operários e engenheiros da construção civil ficaram desempregados. Nossas empreiteiras perderam também o mercado internacional no qual realizavam grande obras, como a construção de portos e aeroportos. O efeito cascata foi imediato, paralisando toda a cadeia produtiva do setor e atingindo em cheio a produção de ferro, cimento, tijolos, pedras e areia, entre outros.

O enfraquecimento da Petrobras provocou prejuízos ainda não dimensionados, mas que abriu as portas para o leilão e a entrega do nosso pré-sal às poderosas Shell e Chevron. A Lava Jato, sem dúvida, teve um enorme impacto (negativo) social e econômico para o país. Sedimentou ainda o caminho para a chegada da extrema-direita ao poder, que presenteou Moro com um ministério.

A partir desta semana, dezenas de habeas corpus deverão ser impetrados em favor de possíveis vítimas da Lava Jato. Fatos novos podem surgir caso delatores se sintam confortáveis para revelar o que mantêm em segredo e que pode comprometer ainda mais a operação que abalou o Brasil.

Fonte: Brasil247


Slide 1

VISITE NOSSA LOJA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

5F00E586 66F0 4CD3 BAF5 DBFCEF8B566E


<

p style=”text-align: justify;”> 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes