ABC Fotos: Ricardo Stuckert
ABC Fotos: Ricardo Stuckert

A esquerda brasileira: de um século a outro

A esquerda brasileira: de um século a outro

A esquerda brasileira tem de forma subordinada, à frente Emir Sader induzir o crescimento econômico uma longa trajetória, já cruzou diferentes conjunturas políticas. Se tomamos as últimas décadas do século passado e as primeiras deste século, podemos encontrar pelo menos três perfis distintos da esquerda brasileira.

Por Emir Sader

Ao longo dos anos 1950 e começo da década seguinte, a esquerda lutava pelo que chamava de reformas de base. Tratava-se de, no marco do processo de industrialização, promover a reforma agrária e a limitação da exportação de lucros, como objetivos imediatos, com um programa nacionalista geral para o Brasil.

Era uma esquerda nacional e popular, apoiada no movimento sindical urbano, de sindicalização rural e do movimento estudantil. Lutava, além disso, por uma política externa independente. Uma esquerda que foi fragorosamente derrotada pelo golpe militar. Não teve capacidade de resistir e foi destruída pela ditadura, tanto nas suas organizações sindicais como nas suas bancadas parlamentares e dirigentes populares.

A ditadura militar impôs a questão democrática como central. Houve uma tentativa de construção de uma esquerda vinculada à luta armada, com guerrilhas, que foi rapidamente derrotada e liquidada. A partir daquele momento, a oposição à ditadura passou a ser dirigida por setores liberais. A esquerda passou a fazer parte, opositora, que passou a comandar o processo de transição democrática, com o fi m da ditadura.

O caráter liberal – e, portanto, limitado – da democratização, que nem sequer conseguiu aprovar as eleições diretas para presidente, levou ao seu esgotamento e permitiu que a direita se renovasse e mudasse a agenda nacional. A pauta neoliberal descolocou a esquerda, que foi derrotada sucessivamente em três eleições presidenciais, sem conseguir impor uma agenda nacional distinta.

O acúmulo de descontentamentos com as políticas neoliberais favoreceu, finalmente, que o PT lograsse convencer a maioria dos brasileiros que o problema fundamental do Brasil não é a inflação, mas a desigualdade social. Foi com esse projeto que o PT finalmente conseguiu eleger o presidente do Brasil e reelegê-los sucessivamente. A nova esquerda no Brasil, a esquerda do século XXI, é uma esquerda antineoliberal. Uma esquerda que propõe a prioridade das políticas sociais no lugar da prioridade dos ajustes fiscais, do neoliberalismo.

Que propõe os processos de integração regional e intercambio Sul-Sul, ao invés dos Tratados de Livre Comércio com os Estados Unidos. E que se propõe a resgatar o papel ativo do Estado, no lugar do Estado mínimo e a centralidade do mercado, para e colocar em prática políticas sociais de redistribuição de renda. Essa esquerda conseguiu, pela primeira vez no Brasil, governar o País ao longo de três mandatos, com mais de 10 anos de governos, eleitos democraticamente. Conseguiu diminuir grandemente as desigualdades sociais e regionais no País.

É uma esquerda que teve sucesso nos seus governos. Conseguiu realizar seus objetivos imediatos, cortando a disseminação generalizada do neoliberalismo. Mas tem um desafi o maior agora, caso consiga efetivamente eleger o Lula de novo. Não bastará o restabelecimento da democracia liberal.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Será necessário democratizar o Brasil, a sociedade brasileira no seu conjunto. Democratizar o Estado brasileiro, os meios de comunicação, democratizar o Judiciário, democratizar as estruturas econômicas, democratizar a vida cultural. Além de que, terá que colocar em prática não apenas um programa antineoliberal, mas pós-neoliberal. Não apenas de resistência e negação do neoliberalismo, mas pós-neoliberal, de superação do neoliberalismo. Tratar-se-á de uma nova fase da história da esquerda brasileira.

https://xapuri.info/resgatar-o-estado-para-resgatar-a-democracia/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora