Pesquisar
Close this search box.

A ESQUERDA E A DEMOCRACIA

A esquerda e a democracia

A sociedade vive sob dominação do capital econômico e sua reprodução, independente da intenção dos atores sociais.

Por Luiz Marques/Fundação Perseu Abramo

Seus tentáculos entrelaçam-se em um emaranhado de instituições e relações cotidianas. Esse é o ponto de partida teórico de Pierre Bourdieu no instigante artigo sobre “Modos de dominação”, em A produção da crença. Para evocar uma bela canção setentista, o cidadão que cumpre com seu dever “está contribuindo para nosso belo quadro social”.

O poder econômico não se encontra na riqueza, mas nas articulações institucionais e mecanismos que utiliza para a acumulação capitalista, sem depender somente dos recursos individuais. O ser social não se reduz ao capricho de um soberano ou ao torneio de vontades atomizadas. A realidade é uma construção social e institucional, em um labirinto de contradições.

O liberalismo resume os conflitos à competição de indivíduos. O racismo e o sexismo se reciclam em postos ocupados por homens brancos, héteros e cristãos, escolhidos num espelho. O prócer do Collège de France “faz uso da noção de crença para expressar os mecanismos dialéticos de reforço entre as estruturas sociais e estruturas mentais não facilmente identificáveis”, lê-se no verbete sobre “Crença”, do Vocabulário Bourdieu, organizado por Afrânio Mendes Catani et alli. No que tange à política, a produção de sentido é promovida pelos meios de comunicação.

Vencer obstáculos

Ao cobrir acontecimentos que influem na sociedade e no Estado, a concepção da mídia corporativa prioriza os expoentes do Executivo e Legislativo, incluindo porta-vozes dos Partidos. Movimentos rurais e urbanos, sindicatos, entidades comunitárias, estudantis e ONGs não fariam política; apenas pressionariam os políticos. Uma barreira separa a “sociedade civil” da “sociedade política”, que equivale à esfera estatal onde ocorrem as deliberações. A separação apoia-se no respeito às normas procedimentais. Com o que o Orçamento Participativo (OP) não teria legitimidade para se imiscuir na alçada parlamentar, apesar de a participação constar na Constituição.

Deputados e senadores disfarçam posições de classe, na temporada de caça aos votos. A imprensa liga as excelências às bancadas do BBB: armamentista (Bala), evangélica (Bíblia), ruralista (Boi); em geral, em pleitos para Presidência das Casas Legislativas. Ali, a teia de apoios tem caráter ainda pessoal, amealhado no tête-à-tête. As disputas por espaços de influência são submetidas ao crivo ideológico na demarcação de territórios, com divisórias maleáveis na tática; porém, muito rígidas na estratégia. Nos gabinetes o jogo é jogado pelas individualidades, desde que não esqueçam a filiação às cores do time de origem. O fundo partidário é um fator de persuasão.

As crenças são coletivas no universo simbólico da estrutura social. No contexto das condutas, dos pensamentos e das disposições acha-se o sentido das práticas – a bússola que orienta o dinamismo das ações individuais e grupais. Por exemplo, nos propósitos espúrios e ilegais do conluio da Lava Jato, norteada pela complexa campanha de lawfare contra a reputação dos agentes públicos e das empresas de engenharia, para ocultar os interesses estrangeiros no país.

Objetivou-se alijar construtoras nacionais do mercado global; ao custo de 4,4 milhões de empregos, redução de 3,6% do PIB e queda de 85% das receitas empresariais. Afastar das eleições o líder das pesquisas, após o impeachment forjado, era essencial para o desmonte dos direitos trabalhistas e previdenciários, a pseudo “ponte para o futuro”. A pantomima judicial e midiática é a prova de que os ditames do livre mercado manipulam as frágeis liberdades democráticas.

A força das crenças

Crenças também alavancam a ascensão da extrema direita no mundo, com a cumplicidade de figuras de proa do liberalismo político, para não citar os mandachuvas do liberalismo econômico que, entre a democracia e o fascismo, repetem os erros das décadas de 1920 (Mussolini) e 1930 (Hitler). Os mandatários da opinião do atraso temem mais as forças que lutam por justiça social do que os inimigos juramentados do Estado de direito democrático. Trocam a esperança igualitária pelo status quo discriminatório, a coragem pelo medo, o amor pelo ódio.

A extrema direita é a ponta de lança do neoliberalismo depois da crise sistêmica de 2008, iniciada nos Estados Unidos. A “sociodiceia conservadora”, na terminologia de Pierre Bourdieu, recrudesce com o discurso pós-moderno sobre o fim das classes, das ideologias e da história. “Esse evangelho, ou melhor, a vulgata mole que nos é proposta de todos os lados sob o nome de liberalismo é feita de um conjunto de palavras mal definidas como ‘globalização’, ‘flexibilidade’, ‘desregulação’, etc. Suas conotações liberais e mesmo libertárias podem conferir a aparência de mensagem de liberdade e de liberação para uma ideologia conservadora que se pensa como oposta a todas as ideologias”. A começar pelo Estado, daí em diante tudo vira mercadoria na prateleira.

Tradicionalmente o Estado tem “uma mão direita” (os agentes ligados à financeirização), e “uma mão esquerda” (as funções de política social, educacional, ambiental e assim por diante). A última é mutilada pelo extremismo direitista, conforme dá testemunho o fatídico quadriênio no Brasil e, o atual, na Argentina. Os bens coletivos deixam de pertencer ao povo para integrar a sanha privatista de parques e a especulação imobiliária, à revelia dos planos diretores.

Rompem-se os diques que a comunidade erigiu para se proteger do espírito egoísta e antissocial, no passado. A sociabilidade plural e multicolor torna-se pó. Os mercados agem com desprezo em face dos direitos políticos universais, já adquiridos. O ciclo fecha-se com o assalto institucionalizado ao núcleo de decisão na economia sobre a política monetária, isto é, o Banco Central. O Judiciário legaliza as múltiplas e degradantes investidas do capitalismo hegemônico.

Desafio no presente

Embora as iniquidades comprometam a democracia, são inegáveis as vantagens políticas do regime democrático, salienta a professora de Teoria Política Ellen Meiksins Wood, da York University, de Toronto, em O renascimento de Marx, organizado por Marcello Musto: “Desde a antiguidade grega, não existia uma forma de sociedade em que desigualdades tiveram menos efeito sobre os resultados políticos, do que naquelas com direitos associados à democracia liberal”.

Tais direitos permitem dispor e ampliar a liberdade de imprensa para divulgar os próprios credos. “Nunca antes as organizações da classe trabalhadora, exercendo as liberdades de expressão e de associação ‘burguesas’, tiveram consequências tão diretas e significativas no domínio político”. Coisa que exige uma vigilância constante para a manutenção, sem censura. O neofascismo busca bloquear o debate público, com atos de violência contra a esquerda.

Compreende-se que as classes dominantes, durante séculos, tenham se contraposto à extensão dos direitos políticos à maioria da população – ameaçava as hierarquias, as propriedades e os privilégios. A democracia precisa ser aperfeiçoada até para materializar promessas da modernidade, presentes nos valores civilizatórios. O governo Lula lidera a travessia, numa conjuntura de adversidades. A barbárie fincou raízes de opressão neocolonialista, no lapso 2016-22.

Os vilões dessa narrativa histórica são as finanças e a desindustrialização; os heróis são o povo e a nação com o projeto de mercado interno de massas e distribuição de renda. O desafio da democracia está em conciliar o desejo utópico e a transformação social real, para conter o poder explorador das classes apropriadoras. No Brasil, a mudança política e a mudança econômica partem sempre da luta, organização e criatividade de quem defende a humanidade e o planeta.

Fonte: Fundação Perseu Abramo Capa: 


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes