Pesquisar
Close this search box.

A língua portuguesa e os conteúdos digitais

A língua portuguesa e os conteúdos digitais

Quantidade de conteúdos em língua portuguesa na internet pode ser reveladora do potencial, inclusive econômico, de nosso idioma

Por Carlos Seabra/Portal Vermelho

A quantidade de conteúdos em língua portuguesa na internet pode ser reveladora do potencial, inclusive econômico, de nosso idioma – o nono mais falado no planeta (e quarto em termos de falantes nativos), sendo a língua mais falada no hemisfério sul. Estima-se que algo entre 3% e 4% dos conteúdos na internet estão em português. Já em termos da quantidade de livros, os publicados em nosso idioma representam cerca de 2% dos editados em inglês, diferença essa multiplicada em função das tiragens muito baixas do nosso mercado editorial.

Para aumentarmos a quantidade de nossos conteúdos na web, é fundamental digitalizar acervos já existentes e estimular a produção e disponibilização de novos conteúdos – tanto de literatura e outros textos, como também áudios e vídeos, todos devidamente classificados e com metadados.

É importante destacar outros aspectos, como o surgimento de novas formas de expressão, inclusive regionais, facultadas pelas mídias digitais e a produção de conteúdos não somente da cultura clássica mas incluindo a expressão e registro de culturas locais, em áudio, imagem e vídeo, além da escrita – tanto dos países de fala lusófona quanto das diásporas em outros cantos do planeta, inclusive os diversos idiomas crioulos africanos, americanos e asiáticos.

A produção cultural acessível de forma ampla à sociedade é fator fundamental para o desenvolvimento, educação e qualidade de vida das populações. A produção e uso de conteúdos culturais são tarefas da sociedade. Mas cabe ao Estado, além de assegurar a liberdade de expressão e produção de cultura, exercer o papel insubstituível de garantir à sociedade os meios de acesso a sua própria produção cultural.

“A cultura é uma alavanca para o desenvolvimento econômico”, afirmou Jack Lang, que durante dez anos foi ministro da Cultura da França, promovendo o desenvolvimento das indústrias culturais francesas, incluindo cinema, música, teatro e artes visuais, apoiando financeiramente a produção e incentivando a exportação de produtos culturais franceses.

Frente ao desenvolvimento de novas mídias, com sua convergência e a ampla difusão de acesso, especialmente com dispositivos móveis, observa-se uma grande valorização dos acervos digitais existentes, e o enorme desafio de superar os gargalos de infraestrutura, gestão da informação, marco regulatório e capacitação, para dar conta da demanda dessas mídias e para que esses conteúdos contribuam para a formação das novas gerações.

Ações possíveis podem incluir, dentre outras, a identificação e mapeamento de acervos e coleções, existentes tanto em instituições culturais quanto através de processos colaborativos no âmbito da sociedade – e que envolvam as diversas entidades produtoras e usuárias de cultura no sentido tradicional e também as comunidades que produzem cultura em novas formas de expressão.

Para uma maior universalidade, poder-se-ia promover o princípio de que os conteúdos produzidos ou financiados pelo governo e pelo setor público sejam – ressalvadas restrições legais – livres, públicos e de acesso de toda a população, com a disseminação da informação sendo considerada uma prioridade de governo.

Um exemplo de ação que poderia engajar nossos intelectuais, pesquisadores, acadêmicos, alunos e professores, militantes culturais, artistas e mobilizar políticas governamentais e empresariais seria, por exemplo, alimentar a Wikipédia (enciclopédia online, gratuita e colaborativa, que reúne informações sobre diversos assuntos, em vários idiomas, escritas por voluntários de todo o mundo) com mais conteúdos em nosso idioma. Este é hoje o maior acervo mundial de conteúdos abertos de referência, na forma de enciclopédia aberta, possuindo um milhão e cento e vinte mil artigos em português (com mais de oito mil editores ativos). Com mais artigos na Wikipédia temos diversos outros idiomas: inglês, alemão, espanhol, francês, italiano, holandês, japonês, polonês, russo, sueco e vietnamita. Ou seja, ocupamos a 17ª posição nesse ranking.

Exemplo do potencial econômico e cultural de nosso idioma, o ensino da língua portuguesa encontra-se em vertiginosa expansão em universidades chinesas e o governo de Pequim não tem medido esforços nem investimentos para liderar os estudos sobre o português. O vetor dessa expansão está em Macau, território chinês que foi domínio português entre 1557 e 1999. Nas últimas duas décadas, o número de universidades chinesas que ensinam português praticamente decuplicou, somando hoje 56 instituições.

Produtos e serviços em nosso idioma constituem-se, cada vez mais, em importantes fatores econômicos. Estima-se que em 2100 a maioria dos falantes de português será africana, com o brutal crescimento demográfico previsto para Angola e Moçambique, que no seu conjunto somarão 266 milhões de falantes. Um número muito acima dos 200 milhões estimados para o Brasil – estes dados são do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE).

Portanto, com a estimativa de que a maioria dos falantes de língua portuguesa no mundo estará na África até o final do século, é imperativo estabelecer um triângulo virtuoso entre Portugal, Brasil e os PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), especialmente num momento de grandes mudanças geopolíticas de um novo mundo multipolar. Esta é uma oportunidade crucial para fortalecer os laços entre os países lusófonos e revitalizar suas trocas econômicas, especialmente de produtos culturais e científicos.

Os movimentos de libertação nacional das ex-colônias africanas despertaram em Portugal a consciência dos militares do Movimento das Forças Armadas à frente da Revolução dos Cravos (25 de abril de 1974), é necessário reconhecer o protagonismo dos PALOP para impulsionar a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Isso requer uma revisão da relação entre Portugal e Brasil, há bastante tempo marcada pela estagnação devido à visão ensimesmada do Brasil e a uma certa arrogância lusitana.

Enquanto Fernando Pessoa disse que “minha pátria é a língua portuguesa” e a antropóloga Lélia Gonzalez cunhou o termo “pretuguês” para se referir à enorme influência das línguas africanas no português falado no Brasil, compete-nos agora agregar valor e gerar riquezas com uma economia criativa sem similar concorrencial: nosso idioma.

O ciberespaço, as tecnologias da comunicação e informação, as alianças com espaços linguísticos afins – além das sinergias e as mestiçagens existentes no mundo lusófono e nas suas diásporas – são meios partilhados que os países lusófonos podem colocar a serviço da língua portuguesa e das suas culturas, mapeando os dados econômicos e gerando indicadores que subsidiem as políticas dos países envolvidos.

Fonte: Portal Vermelho Capa: Cseabra/Midjourney


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×