Pesquisar
Close this search box.

A luta contra o racismo no coração do Brasil

A luta contra o racismo no coração do Brasil

Por: Iêda Leal

Durante 4° Encontro Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo de Estado, em Goiânia, mãe de Marielle Franco e entidades que combatem o racismo apontam a quantidade absurda de assassinatos de pessoas negras.

A Secretaria de Combate ao Racismo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) tem exercido um trabalho fundamental no encaminhamento de políticas para promover a igualdade racial.

Compete à pasta coordenar e propor políticas; fortalecer e fomentar a criação e o funcionamento de Coletivos Estaduais e Municipais junto às entidades filiadas; desenvolver estudos, pesquisas, projetos e publicações para subsidiar a CNTE e suas afiliadas no monitoramento e na implementação do Estatuto da Igualdade Racial e do ensino de história e cultura africana, afro-brasileira e indígena na educação brasileira.

Como titular da pasta, coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado (MNU) e vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores no Estado de Goiás (CUT – GO), procuro realizar atividades que atendam a todas essas especificidades, visando sempre a luta contra o racismo, a garantia do direito à vida do povo negro, que é sistematicamente exterminado no nosso país, levando a discussão antirracista aos locais de trabalho, ajudando as pessoas a se prepararem para o enfrentamento diário do racismo.

 

No mês de maio, em mais uma dessas atividades para denunciar a violência que vitima os negros diariamente, a mãe da vereadora Marielle Franco (negra, ativista política dos direitos humanos, foi assassinada a tiros em 14 de março de 2018, em um crime até hoje sem elucidação total), a advogada Marinete da Silva, esteve em Goiânia e participou do 4° Encontro Nacional de Mães e Familiares de Vítimas do Terrorismo de Estado, de uma roda de conversa na sede do MNU e da Rádio Trabalhador, reiterando a luta das mães que tiveram seus/suas filhos/as exterminados/as pelo Estado brasileiro.

Nessa roda de conversa, uma das denúncias reforçadas foi a de a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil. Segundo a 5ª edição do Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), divulgada no ano passado, a possibilidade de jovens negros serem assassinados é 2,88 vezes mais do que a de jovens não negros, sendo a arma de fogo o principal meio utilizado nos crimes.

Diante desses dados amedrontadores, todos/as juntos/as e unidos/as, CNTE, MNU, movimentos sindicais, Marinete da Silva e tantos/as mais, devemos honrar o legado de Marielle Franco, símbolo de resistência dentro e fora do Brasil e, além de mantermos vivo o seu legado, continuarmos na luta contra o Estado brasileiro que ainda se apresenta racista e genocida do povo negro. Parem de nos matar! Vidas negras importam!

 

ieda111

 

Iêda Leal – Tesoureira do SINTEGO; Secretaria de Combate ao Racismo da
CNTE; Conselheira do Coordenadora Nacional do Movimento NegroUnificado – MNU; Vice-Presidenta da CUT-GO.

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 99697-0863, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes