Pesquisar
Close this search box.

A vida – e os amores – de um bicudinho-do-brejo ancião

A vida – e os amores – de um bicudinho-do-brejo ancião

Monitorado desde 2007, Rosaldo é o bicudinho-do-brejo mais velho já registrado e tem ajudado os pesquisadores a entender como garantir a conservação da espécie.

Por Duda Menegassi/O Eco

Num pequeno ninho na ilha do Jundiaquara, em Guaratuba, no sul do Paraná, vive um pássaro singular. Rosaldo é um bicudinho-do-brejo, espécie que ocorre apenas nos brejos salinos e estuários da região sul. Com 16 anos e três meses, bateu o recorde de idade pra espécie, que costuma viver em média 5 anos. Conhecido pelo nome, Rosaldo representa também o recorde de tempo de monitoramento de um indivíduo de bicudinho na natureza, um feito possível graças à dedicação da equipe do Projeto Bicudinho-do-Brejo que o acompanha desde 2007. 

O bicudinho-do-brejo (Formicivora acutirostris) não mede mais do que 15 centímetros, o tamanho de uma caneta. Nas fêmeas, o peito rajado de manchas pretas e brancas, em contraste com o dorso castanho, chama atenção logo de cara. Já no macho, o peitoral é todo cinza escuro. Nas asas pretas do macho, pontos brancos desenham estampas únicas em cada um. O bico, alongado e fino, é a arma ideal para ir atrás das formigas, seu banquete favorito.  

Rosaldo possui duas anilhas que ajudam na identificação. E assim, em meio à vegetação herbácea do brejo que protege seu ninho, a equipe do projeto o observa todos os meses. Nesses 16 anos de monitoramento, Rosaldo ensinou muitos aos pesquisadores. “Comparamos as estratégias reprodutivas do Rosaldo ‘vovô’ com o tempo em que ele era jovem, bem como com seus ‘vizinhos’ mais novos. A proposta é verificar se existe capacidade de aprendizado com a experiência, o que diminuiria a preocupação com a sobrevivência da espécie em consequência da mudança climática”, explica a coordenadora do projeto, Giovana Sandretti-Silva.

A crise climática e os impactos do aumento do nível do mar no habitat do bicudinho-do-brejo, restrito a essas áreas úmidas salinas do litoral, é uma das principais ameaças à conservação da espécie, atualmente avaliada nacionalmente como Vulnerável ao risco de extinção.

Acompanhado de perto por toda sua vida, Rosaldo foi cuidado e ensinado por seu pai até os 54 dias de idade, quando partiu para suas próprias aventuras. Os bicudinhos-do-brejo vivem em casais, com uniões que podem durar a vida toda, e os dois se revezam nos cuidados com os filhotes. Aos sete meses, Rosaldo encontrou uma parceira e foi morar no território em que vive até hoje. Esse primeiro “casamento” durou quatro anos e gerou três filhotes. Sua companheira morreu no início de 2012. 

Rosaldo encontrou uma nova parceira alguns meses depois. Com a segunda “esposa”, com quem ficou por mais de nove anos, deu origem a mais oito filhotes. Em 2021, entretanto, a fêmea, que já completava 10 anos, sumiu. Inabalável, o pequeno pássaro – que já é pai de 11 bicudinhos – reencontrou o amor no mesmo ano, ainda sem descendentes – “apesar das tentativas constantes”, conta a equipe do projeto.

A equipe do Projeto Bicudinho-do-Brejo realizou duas estimativas populacionais este ano, com dois métodos distintos. O cálculo mais otimista, que considera que todo ambiente na área de distribuição da espécie estaria em condições adequadas para abrigar indivíduos de bicudinhos-do-brejo, aponta 6.200 indivíduos na natureza. Ao levar em conta uma modelagem da dinâmica populacional da espécie, entretanto, estima-se que há, na verdade, menos de 1.000 bicudinhos na natureza. 

Os pesquisadores explicam que para sustentar um casal de bicudinhos, o território pode ter desde apenas 0,25 hectare – caso todas as condições sejam extremamente favoráveis – até 3,2 hectares, em locais com condições mais adversas para espécie.

Para apoiar a conservação da espécie, foi firmada uma cooperação técnica e científica entre as equipes do do Projeto Bicudinho-do-brejo e do Zoológico de São Paulo. A primeira etapa consiste na manutenção das plantas do ambiente natural e o oferecimento de uma dieta balanceada para a espécie, além do conhecimento no manejo das aves. Eventualmente, se necessário, após análise dos especialistas e com as autorizações necessárias, o Zoo poderá atuar na conservação ex situ (fora do ambiente natural) da espécie a fim de manter uma população de segurança em cativeiro. 

“Serão 10 anos de trabalho conjunto com o objetivo de aumentar a quantidade de ambientes de vida do bicudinho-do-brejo e ajudar para que mais filhotes nasçam e sobrevivam”, esclarece o coordenador do projeto Marcos Bornschein, professor da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Fonte: O Eco. Foto de capa: Gabriel Marchi.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
REVISTA 108
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes

×
×