Água, mais água

Água, mais água

A lei do rio não cessa nunca de impor-se sobre a vida dos homens. É o império da água. Água que corre no furor da correnteza, água que leva, água que lava, água que arranca, água que roda no rebojo, água que vai abaixando, ainda bem que começou a baixar, mas de repente volta em repiquete…

Por Thiago de Mello

Água de rio que quase não corre, um perigo quando vem o vento geral. O vento não avisa, vai chegando e fazendo dela o que bem quer. Água que se agarra ao vento para poder voar, água que gosta de ficar parada no silêncio do igapó.

Água de muita fundura, mais de cem braças de fundo, no silêncio do abismo se movem, lentas, as gigantescas piraíbas cegas.

Água de igarapé estreito, como o querido Pucu, com o encanto de suas curvas que me conhecem tanto. Pode vir a maior vazante, que ele nunca mostra o fundo do seu leito. Água rasa transparente, água rasa barrenta, onde as arraias de ferrão de fogo se espalham de manhã cedinho.

Água atravessada de capim, de margem a margem. De capim canarana, de capim perimembeca, fechando a passagem, na curva do Paraná. No Baixo Amazonas, chamam esse capim de banzeiro. No Negro e no Solimões, banzeiro é a batida das ondas no barranco, quando passa motor de linha, lancha veloz.

Água coberta de chavascal, de aninga de folhas grossonas. A gente caminha por cima da espessa vegetação entrelaçada, a gente chega e escuta embaixo dela o barulho dos peixes assustados.

Água de doenças: água de ameba, água de febre negra, febre que só dá em rio de água preta. Ela mata a criança em dois dias, mordida pelo veneno de um vegetal aquático, parente do timbó, usados pelos índios Saterê quando saem de madrugada para surpreender a piracema dos tucunarés: o timbó adormece os peixes.

Água de cacimba, friazinha: no ardor tímido da mata, o olho d´água se oferecendo, nunca para de minar. As águas medonhas das cachoeiras do Alto Apurinã.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

As águas barrentas do Solimões, do Madeira, do Juruá, do Purus. As águas azuis do Tocantins, as verdes do Tapajós. As águas negras (que amanhecem azuis e de repente ficam cor de cobre) do rio Andirá, o rio do meu coração.

As águas do Amazonas varando impetuosas o Estreito de Breves, no Pará, onde saem se alargando, se espalhando desmedidas pela baía de Marajó. As suas ondas chegam a parecer de mar alto. O gaiola, de dois passadiços, motor de centro potente, balança que nem palmeira quando o vento vem. É ali que o rio convoca, orgulhoso, todas as suas energias para o encontro com o mar Atlântico e empurra as águas do oceano por distâncias quilométricas.

Thiago de Mello – Poeta maior do Brasil e da Amazônia, em “Amazonas – águas, pássaros, seres e milagres do pedaço mais verde do planeta”. Editora Salamandra, 1998.

https://xapuri.info/lei-maria-da-penha-10-anos-cumpra-se/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 
 
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!