Procura
Fechar esta caixa de pesquisa.
Antonio Victor: Tempos de Quintais

Tempos de Quintais

Tempos de Quintais

Tempos de quintais. Tempos distantes. Tempos felizes!

Tempos outros, tempos idos. Tempos de quintais, tempos que se foram e que se vão. Costumes que se perdem em meio à pressa da modernidade.

Ante a iminência do que não mais se anuncia, mas já se evidencia, o registro feito na obra do escritor-poeta-compositor goiano Antonio Victor ganha grande importância pelo que transmite de história, numa literatura de feição própria, que mescla a simplicidade do falar rural goiano ao conhecimento apurado da escrita em sua forma clássica.

Sobre isso, no prefácio do seu livro Ira Sagrada (Goiânia: Kelps, 2014), o escritor Bernardo Élis registrou: “Antonio Victor tem uma visão de mundo não muito corriqueira ou trivial e sabe no-la transmitir (…). Ao fixar o universo novelístico, roceiro ou urbano, aborda temas que não podem ser esquecidos…”.

No posfácio, Bariani Ortencio avalia: “Este Antonio Victor é um fenômeno na nossa literatura. Poético, psicólogo, filósofo sertanejo, metafórico, diálogos na fala erudita e na coloquial, altamente descritivo com vocabulário adequado, mestre em aplicar o suspense. Não é um simples contador de “causos”, mas contista com linguagem saborosa…”.

TEMPOS DE QUINTAIS

O pilão de arroz e paçoca ao pé da parede da velha casa. Bananeiras no quintal e, mais ao fundo, touceiras de cana-caiana.

Roupas de variadas cores no quarador natural de buchas trepadeiras. Sol quente do mês de maio, tempo bom. Na cozinha, o fogão de barro, a lenha, encardidas panelas sobre o fogo brando.

A jovem mãe temerosa e um bebê com quebranto. Vovó benzedeira, ramos de arruda na mão direita, gestos repetidos, jaculatórias ininteligíveis no ritual da crença e da cura.

O bebê tranquilo, a mãe em paz, vovó feliz. Café quentinho no bule de esmalte com biscoitos frescos.

Um trovão repentino, pingos grossos de chuva temporã, vovó e eu em disparada rumo às roupas no quarador. Surpresa. Risos. A mãe com o bebê ao colo no banco da cozinha. Indiferente a tudo, a gata de olhos verdes no rabo do fogão.

Tempos de quintais. Tempos distantes. Tempos felizes!

Antonio Victor nasceu em Formosa, Goiás, em 29 de outubro de 1958.

Obs.: publicado originalmente em 27 de set de 2016


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

PHOTO 2021 02 03 15 06 15 e1615110745225


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?
[button color=”red” size=”normal” alignment=”center” rel=”follow” openin=”samewindow” url=”https://lojaxapuri.info/categoria-produto/revista/”]ASSINE AQUI[/button]
 

BFD105E7 B725 4DC3 BCAD AE0BDBA42C79 1 201 a

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados

REVISTA