Parlamentares da Bancada do PT na Câmara Federal comemoraram pelas redes sociais a libertação do jornalista e fundador do site WikiLeaks,  Julian Assange, ocorrida na terça-feira, 25 de junho,  em Londres.

Assange ficou encarcerado por 1.901 dias em uma prisão de segurança máxima, por ter divulgado para o mundo informações sigilosas do governo dos Estados Unidos que comprovavam casos de espionagem contra outras nações realizadas por este país, além da prática de crimes de guerra e outras violações de .

Para ser solto, Assange concordou em se declarar culpado de uma acusação que os EUA faziam contra ele. Em troca, os Estados Unidos abdicaram do processo de extradição movido contra o fundador do WikiLeaks junto à Justiça britânica. Para isso, foram contados como pena os 5 anos que o jornalista permaneceu preso na Inglaterra. Assange retornou nesta terça em um voo para a Austrália, seu país natal.

DEPOIS DA LONGA PERSEGUIÇÃO, A LIBERDADE 

Segundo lideranças petistas, a libertação de Julian Assange representa a vitória de democracia e da liberdade de imprensa.

Em mensagens postadas no X (antigo Twitter), os petistas comemoraram a notícia da libertação de Julian Assange. Para a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), essa também é uma vitória de todos que lutam pela liberdade de informação. “Julian Assange finalmente está livre, informa o Wikileaks! Vitória importante de todos que se uniram a ele em defesa da liberdade de informação e contra uma perseguição descabida e injusta”, escreveu.

Já o líder do Governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), escreveu que “a libertação de Julian Assange representa a vitória da liberdade de imprensa em todo o mundo”. “Assange virou símbolo da luta pelo direito à informação transparente e democrática. Sua libertação é um passo importante na defesa dos direitos humanos e da liberdade de expressão”, ressaltou.

Na mesma linha, o deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) destacou que a libertação de Assange merece ser celebrada. “Símbolo da liberdade de imprensa e do jornalismo independente, a prisão de Assange era ilegal e arbitrária, um ataque frontal aos direitos humanos. Assange ousou revelar as entranhas do poder ao mundo e isso incomodou muita gente. Um dia para ser celebrado!”, observou.

PRESSÃO INTERNACIONAL 

Parlamentares ligados à luta do MST destacaram que esse movimento social sempre defendeu a libertação de Julian Assange. O deputado Valmir Assunção (PT-BA), integrante do movimento, disse que “a liberdade de Assange é resultado de uma campanha global que abrangeu organizadores de base, defensores da liberdade de imprensa, legisladores e líderes políticos e movimentos sociais de todo mundo”. “O MST foi firme na defesa da liberdade de expressão”, apontou.

O deputado João Daniel (PT-SE), também oriundo do MST, escreveu que “uma corrente mundial defendeu Assange e a liberdade do exercício do jornalismo”. “Ele não deveria ser preso, mas sim exaltado por sua coragem”, destacou.

Já o deputado Nilto Tatto (PT-SP) observou que esta terça-feira foi um “dia histórico para a democracia, para a liberdade imprensa e para a liberdade de expressão”. “Dia histórico para quem luta contra a tirania, o colonialismo e o imperialismo. Liberdade para Assange!”, declarou.

Assange descansa agora, com sua família, em sua terra natal, a Austrália.

ASSANGE LIVRE: "ESSA LIBERDADE NÃO É SÓ MINHA"
Foto: Divulgação/Internet