Pesquisar
Close this search box.

Por uma ministra negra no STF

Campanha pressiona por uma ministra negra no STF

“É fundamental que haja uma mulher negra no STF, uma pessoa negra para que a gente comece a discutir a democratização nos espaços de poder”, afirmou Sílvio Almeida, ministro dos Direitos Humanos, à Carta Capital. Com a saída próxima da ministra Rosa Weber do Supremo Tribunal Federal, movimentos negro e feminista pressionam por indicação de uma ministra negra para ocupar a cadeira na corte através de campanha nas redes.

Por Planeta Ella/Mídia Ninja

Em 132 anos de existência, pode ser a primeira vez que uma mulher negra vai ocupar um cargo no STF. Ao todo, apenas 3 ministras mulheres e 3 ministros negros estiveram no topo da hierarquia do poder judiciário. Mas, por que é tão essencial a presença e participação de mulheres negras no poder judiciário?

A população negra é maioria no Brasil, representando cerca de 56% dos brasileiros; as mulheres representam 51% da população. Mulheres negras são 28% da população brasileira e ocupam apenas 7% nos cargos políticos e menos ainda no judiciário, 2%, segundo dados do último levantamento do IBGE.

Assim, não há representação fiel da população na política, espaço fundamental de discussões acerca da realidade brasileira. Essa sub-representação é reflexo do racismo estrutural e institucional que impossibilita pessoas negras de chegarem a posições de poder, as mantendo marginalizadas do centro de tomada de decisão. Ter uma mulher negra progressista no STF é um passo fundamental para o avanço nessas transformações, contribuindo para a democratização desses espaços, colocando pela primeira vez mulheres negras como protagonistas das decisões nacionais.

Em artigo para o Poder 360, Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial, disse que “a representatividade irradia transformação, teoria, simbologia e prática. (…) Altera a voz de quem fala e a atenção de quem ouve”. Ela anunciou apoio à campanha que conta com diversas instituições e projetos, como Instituto Marielle Franco, Girl Up e Nossas, que anunciaram lista de três nomes de mulheres com ampla experiência na área jurídica possíveis de indicação: Adriana Cruz, Lívia Sant’anna Vaz e Vera Lúcia Araújo.

“Não estamos falando de uma, mas da primeira. Esta, que carregará o peso de abrir a porta tardia, mas que sem dúvidas dará passagem a outras e tornará a Corte mais forte e mais capaz de realizar seus julgamentos decisivos”, finaliza Anielle.

É urgente a maior representatividade, diversidade e presença de mulheres negras em espaços de poder e decisão no país. Apenas com instâncias jurídicas refletindo a realidade brasileira é que haverá de fato uma democracia representativa, com o início da reparação da dívida histórica a partir de mais chances de avanços progressistas firmados na justiça social.

Fonte: Mídia Ninja. Foto: Fellipe Sampaio/ SCO/STF.

Block

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados