Pesquisar
Close this search box.
Por que há uma centena de povos indígenas que querem continuar isolados?

Por que há uma centena de povos indígenas que querem continuar isolados?

Por que há uma centena de povos que querem seguir isolados? Há cerca de uma centena de povos isolados ou não contatados, a maior parte na América do Sul e na Nova Guiné, e em menor número no centro da África e em algumas ilhas do Índico…

Por Jaime Rubio Hancock /El País

Estes últimos incluem os sentineleses, que habitam a ilha de Sentinela do Norte, no arquipélago de Andaman (Índia). Em novembro de 2018, eles entraram no radar das notícias, depois do desaparecimento do missionário norte-americano John Allen Chau, que entrou na área com o objetivo de evangelizá-los. A suspeita é que ele tenha sido assassinado pelos membros da etnia.
“Não se deve achar que, pelo fato de estar isolado por decisão própria, um povo desses desconheça o mundo por completo”, afirma Fernando Monge, professor de Antropologia na espanhola Universidade Nacional de Educação à Distância (UNED), em entrevista ao EL PAÍS. Esses povos, diz o antropólogo, simplesmente “não têm interesse em estabelecer contato com seu entorno”.
Um entorno do qual se esquivam, mas que conhecem, observa Luísa Abad, antropóloga da Universidade da Castela -La Mancha, também na Espanha. “Todos os contatos que essas comunidades estabeleceram com a população dominante tiveram consequências negativas”, relembra.
No caso da Amazônia, onde ela já trabalhou, Abad recorda a “experiência traumática que representou o genocídio no final do século XIX por causa da extração da borracha” naquela região, o que “provavelmente se transmitiu desde então mediante narrativas orais”. Atualmente, essas comunidades continuam enfrentando os interesses “das companhias extrativistas de gás, hidrocarbonetos e madeira”. Em regiões do Brasil, como no território dos Yanomami (Roraima), ainda há grupos indígenas isolados que são impactados pelo garimpo ilegal.

povo isolado
Um dos povos isolados da Amazônia. AFP

Colonização e doenças

A situação desses povos é similar em todo o mundo. O site da ONG Survival International, que defende os direitos dos povos indígenas, reúne depoimentos semelhantes de etnias do Peru, como os catacaibo e os isconahua, por exemplo. Quanto aos sentineleses, recorda que as tribos vizinhas “foram aniquiladas depois de que britânicos colonizaram suas ilhas”.
Outro risco que esses grupos correm é o fato de não terem imunidade contra doenças comuns, como o sarampo ou a gripe, que representam um risco mortal para eles. Abad recorda que esse é outro motivo pelo qual tais comunidades querem evitar o contato com estranhos: em muitas ocasiões, essas experiências terminaram com membros da comunidade morrendo depois de um contágio. Esta é também uma das razões pelas quais as autoridades indianas se recusam a recuperar o cadáver de Chau, ao menos por enquanto.
Abad acrescenta que estas aldeias estabelecem contatos esporádicos com outros povos vizinhos quando necessitam, antes de voltarem a se recolher, de modo que não é correto falar em “povos não contatados ou isolados”, sendo melhor se referir a “povos em situação de isolamento e contato inicial”.
A esse respeito, Abad recorda que, estando no Peru, os machiringas lhe falaram sobre esses contatos que haviam mantido com pessoas de algumas comunidades isoladas com as quais compartilham idioma. “Sua principal preocupação era que estavam cercados”, relata.
É justamente na Amazônia que, segundo os especialistas, há mais tribos não contatadas. De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), existem 107 registros da presença de índios isolados em toda a área da Amazônia legal. As estimativas, entretanto, podem estar abaixo do número real, pois frequentemente se trata de observações feitas sobrevoando a floresta ou com base no depoimento de outras comunidades que vivem por perto.
O Governo brasileiro não aborda estes grupos, apenas os monitora de longe. Eles são apenas acolhidos quando o contato parte deles, geralmente porque se sentem em perigo, como ocorreu em agosto de 2014, na Terra Indígena Kampa e Isolados do Rio Envira, no Acre —30 índios da etnia Sapanahua, que até aquele momento tinha escolhido viver de forma isolada, procuravam ajuda para fugir de pistoleiros peruanos que atacaram seu povo; todos pegaram gripe, doença para a qual não têm imunidade, mas se recuperaram.

A ilha de Sentinela do Norte também foi sobrevoada em 2005 por um helicóptero, que buscava comprovar os efeitos de um tsunami na região. Um dos habitantes recebeu a aeronave disparando uma flecha com seu arco.

Gravação aérea de uma tribo isolada do Amazonas publicada pela ONG Survival

Direitos pouco respeitados

O que ocorre se alguém ignora todas as precauções e quer visitar um desses povos? A questão jurídica é mais complexa e depende de cada país. No caso de Sentinela do Norte, segundo noticiou o EL PAÍS, “a presença de estrangeiros é proibida nas imediações, embora pesquisadores locais aleguem falta de controle marítimo na zona”.
Monge observa que há um marco básico sobre esse tema que é a Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, aprovada pela ONU em 2007. Esse documento, votado após 20 anos de negociações, reconhece o direito dos povos nativos à propriedade da terra, aos recursos naturais desses territórios, ao respeito a suas tradições e à autodeterminação.
Entretanto, como explica Abad, a legislação nacional e internacional não é respeitada por culpa dos interesses econômicos que há por trás, especialmente na Amazônia. No Brasil, o contato com esses povos também não é permitido, mas garimpeiros ilegais frequentemente chegam perto de suas áreas. “Se em Sentinela do Norte houvesse petróleo, os sentineleses não teriam sido deixados em paz como foram até agora. E tampouco seriam respeitados se não se defendessem continuamente.”
Sem deixar de lamentar a morte de Chau, Abad aponta que o missionário cometeu um “gravíssimo erro” causado por “desinformação e prepotência”. E acrescenta: “Eles não nos pediram para irmos lá. É preciso respeitar sua decisão”.
Não sempre é assim: a ONG Survival International menciona em seu site a experiência dos jarawa, uma tribo nômade de 400 pessoas, também das ilhas Andaman. Alguns jarawenses romperam seu isolamento em 1998, e desde então a comunidade enfrentou tentativas de “sedentarização” por parte das autoridades locais, além de caçadores ilegais que se apropriam dos animais necessários à subsistência dos indígenas.
Somem-se a isso duas epidemias de sarampo nos últimos 20 anos e o turismo maciço. A Survival usa o termo “safáris humanos” para descrever como os turistas dirigem por seu território na esperança de “avistá-los”.

Matéria publicada neste site originalmente em 29 de novembro de 2018. 

Por que há uma centena de povos indígenas que querem continuar isolados?
Povo isolado da Amazônia. AFP

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Caminhando na Floresta

 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.
COMPRE AQUI

Caminhando na Floresta

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes