Pesquisar
Close this search box.
Como nascem as cidades

Como nascem as cidades

Como nascem as cidades

“Algumas povoações resistiram, como Pirenópolis, Goiás, Corumbá, cujos habitantes entregaram-se à lavoura de subsistência e à criação de gado. Para isso foi preciso despovoar os campos dos indígenas bravios, confinando-os em aldeamentos, onde lhes era ministrado o ensinamento de métodos de trabalho e da religião católica. Sobretudo se lhes ensinava como extinguir-se.”

Por Jaime Sautchuk

Dessa forma o escritor goiano Bernardo Élis descreveu o fim do chamado Ciclo do Ouro em Goiás, que durou um século, de 1722 a 1822. Começou com a chegada à região da expedição do bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva Filho, o Anhanguera II, e durou enquanto havia o precioso metal na superfície, nos cursos d’água e nas barrancas.

Como diz o escritor, pra sobreviver, as populações das vilas e aglomerados humanos migraram de atividade, passando ao cultivo de lavouras e à criação de gado. Com o passar do tempo, entretanto, outras atividades econômicas atraíram pessoas e deram origem a novas vilas, cidades e municípios.

Cada um dos 246 municípios goianos tem sua história, é claro, sempre centrada na economia, mas formando uma cultura própria, que reflete a convivência dos membros das novas comunidades. Em alguns casos, como na época do ouro, esse processo é tão forte que marca época do desenvolvimento do estado.

Um desses casos é o do município de Ceres, fruto de um processo socioeconômico que mobilizou o país inteiro, muito além das fronteiras goianas. Foi reflexo retardado da Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder por 15 anos, com a proposta de acabar com o domínio das velhas oligarquias e de modernizar o Brasil, nas cidades e no campo.

Anos depois, o governo federal implantou a política da “Marcha para Oeste”, que propunha a ocupação do que era chamado de “terras sem homens” de Goiás e Mato Grosso. Pelo lado oficial, em 1941 foi implantado um projeto de reforma agrária que, embora limitado, deixou suas marcas para sempre.

Era o da Colônia Agrícola Nacional de Goiás, que teve como primeiro administrador o engenheiro Bernardo Sayão Carvalho de Araújo. À época, o projeto chamou a atenção do país inteiro e deu prestígio ao governo por bom tempo. Afinal, dava a entender que a promessa revolucionária de promover uma reforma agrária no país estava sendo cumprida.

De todo jeito, numa área do centro-norte goiano, em pouco tempo já havia perto de 4 mil famílias assentadas em glebas de mais ou menos 30 hectares. Os colonos recebiam sementes e outros insumos, e havia postos médicos, escolas, centros comunitários, e assim por diante, sob gestão do governo estadual.

A sede do projeto se chamava Ceres, a deusa da agricultura na mitologia grega, e com o tempo ali surgiu o município do mesmo nome, que em 2014 tinha 25 mil habitantes. Ceres manteve forte produção agropecuária, mas se tornou também um importante centro de serviços, citado como exemplo nas áreas de saúde, educação, informática e infraestrutura urbana.

No entanto, lá atrás, no seu início, o projeto tinha esse limite de lotes a distribuir e parou por aí. Era filho único de mãe solteira. Só que a propaganda em torno do empreendimento atraiu muito mais gente de todos os cantos do país, principalmente do Nordeste.

Boa parte desses migrantes ocupou terras mais ao norte do estado, na região do município de Uruaçu, próximo de onde estavam as vilas de Formoso e Trombas. As posses eram repartidas pelos próprios ocupantes, em lotes também pequenos, de até 30 hectares.

Ocorre que a valorização das terras, com a abertura de estradas, atraiu também grandes proprietários, grileiros, que passaram a ocupar áreas enormes, expulsando os posseiros. Pra isso, eles contrataram jagunços armados, e o terror se implantou na região, com violência e mortes a todo instante.

O camponês José Porfírio de Souza, o Zé Porfírio, tinha saído do oeste da Bahia e, depois de enjeitado em Ceres, virou posseiro em Trombas. Por diversas razões, inclusive a de já ser alfabetizado, ele se tornou líder daquela gente. Sob seu comando, com diplomacia, eles formavam grupos pra ir a Goiânia pedir socorro ao governo estadual.

Ao contrário, a Polícia Militar do Estado participava de ações ao lado dos jagunços, ameaçando, prendendo e até matando posseiros. Certa feita, ao voltar de uma dessas viagens, Porfírio deparou-se com sua casa em chamas e sua mulher e filhos apavorados, nos matos ao redor. Foi a gota d’água.

Ele, então, liderou a formação da Associação dos Trabalhadores Agrícolas de Formoso e Trombas, uma verdadeira força armada de resistência. O conflito armado se instaurou em definitivo na região, a ponto de os camponeses ocuparem as duas vilas, onde montaram bases pra um embate prolongado.

A mídia nacional batizou o movimento de “República de Formoso e Trombas”. A contenda perpassou todos os governos até a década de 1960. Zé Porfírio se elegeu deputado estadual, com a maior votação do Estado, pela sigla do PTB, em coligação com o PSB. A situação mudou.

Como governador, foi eleito Mauro Borges Teixeira, filho de Pedro Ludovico, mas tido como de esquerda. Logo ao assumir, ele iniciou negociações e menos de um ano depois distribuiu 20 mil títulos de terras aos camponeses revoltosos.

No entanto, após o golpe de estado de 1964, os títulos de terra foram anulados, e Zé Porfírio teve seu mandato cassado e fugiu. Mas acabou sendo preso, e hoje ele consta da lista de desaparecidos políticos.

Imagem: Acervo da Cidade – Pirenópolis, Rua do Rosário, 1917.  Matéria publicada originalmente em março de 2021. Jaime foi embora deste mundo em julho de 2021. Deixou imensa saudade. 


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes