Dadá: Bordando o Cangaço

Dadá: Bordando o Cangaço

Um texto lindo da escritora Lia Zatz sobre Dadá e a vida no Cangaço.  A autora informa que o livro, que conta a sobre o cangaço e a vida da cangaceira e exímia bordadeira Dadá, é baseado na realidade. A entrevista, porém, nunca foi feita. É primorosa obra de ficção.

“– É verdade que a senhora só tinha doze anos quando entrou para o bando de Corisco?

– Treze.

– E como é que a senhora tomou essa decisão de virar bandida, cangaceira?

– Primeiro que tudo, eu nunca fui bandida. Depois, Corisco me carregou à força. E agora, se for pra fazer esculacho de minha vida, da de Corisco, me chamar de bandida, vamos é já parando por aqui, que fama eu já tive é muita na minha vida e quero mais não, quero respeito e sossego.

– Mas dona Dadá, como é que a senhora conseguia fazer bordado tão bonito, tão delicado, se viva embrenhada no meio da caatinga, fugindo da polícia?

– Ah, minha filha, é que a gente não vivia assim só fugindo e atacando. Tinha tempo de calmaria, tempo de amar e dançar, de parir e chorar, de coser e bordar…

– E como é que era a vida nesses tempos?

– Ah, era bom demais. Não tinha persiga, não sabe? Tudo ficava mais fácil. A gente vivia bem, com luxo, tinha vestidos escolhidos, tinha rouparia do jeito que queria, vestidos de seda, viu? Que aquelas roupas de couro, de pano grosseiro eram só para a viagem, para não rasgar as roupas bonitas na caatinga…

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

– Os homens traziam quando voltavam da expedição, ou encomendavam com os coiteiros: cortes de tecido, joias, perfumes. Iche!  Eles disputavam para fazer de sua mulher a mais bonita, a mais bem vestida, a mais cheia de joias. E os homens também, era tudo vaidoso. Gostavam de se vestir bem, perfume então! Frasco de cheiro, que a gente chamava. Teve vez até de volante descobrir nosso esconderijo por causa do perfume – Dadá falou sorrindo.

– E comida? Verdade que vocês só comiam rapadura com farinha e água?

– Quem foi que te disse essa bestice? Jacuba era só para os tempos de luta, aí sim, faltava de tudo! Em tempo de calmaria, quando a gente tava em um abrigo bem seguro, iche!  Comida não faltava. Era a fartura, era buchada, bode assado, farinha com carne assada no umbu.

– Era vida normal, então? Como se vocês estivessem em casa? Os homens descansavam das batalhas, as mulheres faziam as tarefas domésticas: cozinhavam, lavav…

– Menina, você tá mesmo é desinformada. Ó, vou te dizer uma coisa: mulher é que não ia pra beira do fogo, de jeito nenhum. Ela podia até lavar e temperar a comida, mas quem cozinhava eram os homens. Era bacana. Cada dia um cozinhava, outro lavava a panela, tudo organizado. Não tinha isso de “não faço”.  Chamava, era seu dia, tinha de fazer. Tudo limpinho, ajeitado, acabava de comer, a gente dividia.

– Nossa, homens e mulheres dividindo o trabalho?

– Era sim. Costurar? Lavar roupa? Cada um que cuidasse da sua, podia ser homem, podia ser mulher.

– Puxa, do jeito que a senhora fala, parece que era o paraíso para as mulheres.

– Ah, não era não. Mas hoje eu não quero falar de coisa triste, só de festa. Porque no sertão a gente gosta muito de festa. Domingo em roça de sertão é dia de tocar realejo, cantar, dançar coco e embolada. E no cangaço a gente sentia falta dessa festaiada. Então, sempre que podia a gente organizava um baile, chamava tocador de realejo e cantador, e dançava até cansar.  Vou te dizer, menina, que cangaceiro gostava tanto de música que até no meio de batalha com volante, tiro, facada, xingação de cá e de lá, os cangaceiros cantavam.

– Cantavam quê?

– O nosso hino de guerra, ué. E Dadá cantou:

OLÉ MULÉ

RENDEIRA,

OLÉ MULÉ RENDÁ

TU ME ENSINA

A FAZER RENDA

QUE EU TE ENSINO

A GUERREAR”

dada-125x125

Excerto do livro de Lia Zatz: Dadá – Bordando o Cangaço. Editora Callis. 2004.

https://xapuri.info/elizabeth-teixeira-resistente-da-luta-camponesa/

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora