Pesquisar
Close this search box.

Dez mil mortos em Gaza

Dez mil mortos em Gaza

“É terrível, não vamos sair disso”, grita a jornalista palestina do L’Humanité.

Por Revista Focus Brasil 

Sujeito a terríveis bombardeios e incursões terrestres por parte do exército israelense, mais habitantes do enclave palestino morrem a cada dia. A situação humanitária ainda está a piorar com os centros de saúde sendo atingidos. Telavive está cada vez mais isolada internacionalmente e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu é criticado em seu próprio país.

Narima já não responde. A última mensagem da jovem dizia que, com seus três filhos e seu marido, ela havia deixado a cidade de Gaza para Deir Al Balah, mais ao sul, mas ela disse à reportagem da L’Humanité que “mesmo aqui os bombardeios não param”.

Walid, por outro lado, recusou-se a sair, a cumprir as ordens israelenses lançadas dos aviões. “Sair é reviver o que meus avós passaram. É Nakba, o exílio sem esperança de retorno”, assegura. Zoher deixou para trás a sua aldeia de Abassan e, juntamente com a sua família, encontrou refúgio numa escola da ONU para refugiados palestinos. “É terrível, não vamos sobreviver”, gritou, durante nossa última conversa, já quase inaudível.

Narima, Walid e Zoher estão vivos ou mortos? Não sabemos nada sobre isso. Desde 27 de outubro, Israel cortou todas as comunicações, incluindo a internet. A Human Rights Watch alertou que isso poderia ser uma “cobertura para atrocidades em massa, que contribui para a impunidade por violações dos direitos humanos”.

Provavelmente é isso que está acontecendo. As poucas imagens são dos corajosos jornalistas palestinos no local, que transmitem através de telefones de satélite. Cenas alucinantes de prédios totalmente destruídos, ruas quebradas, crianças feridas com rostos ensanguentados ou mortas, envoltas em mortalhas que suas mães usam com olhares sem vida. Homens gritam a sua raiva. As cenas são ainda piores do que as vistas em ofensivas israelenses anteriores, em 2008–2009 ou 2014.

Para evitar controvérsias sobre os números, a Autoridade Palestina divulgou uma lista de 2.665 nomes de crianças, juntamente com números de carteira de identidade, mortas entre 7 e 23 de outubro. Um número que tem aumentado nos últimos dias.

De acordo com o Ministério da Saúde em Gaza, o número de mortes ultrapassou 9.500, 70% das quais são crianças, mulheres e idosos, enquanto mais de 18.567 pessoas ficaram feridas. O número de palestinos ainda sob os escombros de casas e edifícios bombardeados desde o início da ofensiva seria de cerca de 1.800, incluindo 1.000 crianças.

Desde a noite de sexta-feira, 27 de outubro, o exército israelense vem operando em terra com soldados e blindados, enquanto continua a intensificar seus bombardeios contra o território de 365 km² por via aérea, terrestre e marítima, oficialmente em retaliação pelo sangrento ataque do Hamas em seu solo em 7 de outubro, que matou 1.400 pessoas.

Gaza está sujeita a bloqueio desde 2007, mas o governo israelense tem apertado o cerco à faixa desde o início de sua ofensiva, há semanas, para incluir cortes de água e eletricidade, impedir a entrada de materiais básicos e combustível.

Os ataques aéreos e de artilharia israelenses concentraram-se em Beit Hanoun, Beit Lahia e Jabaliya, no Norte do enclave palestino. Mas muitas áreas a noroeste da cidade de Gaza também foram submetidas a intensos bombardeios. O Sul, onde a população deve se reagrupar, não é mais poupado, como se Israel quisesse forçar os habitantes de Gaza a cruzar a fronteira egípcia. A ONU identificou mais de 1 milhão de deslocados.

Desde 7 de outubro, vários funcionários ou ex-funcionários israelenses pediram ao Egito que instalasse os palestinos em “tendas” no “espaço quase infinito” do Sinai. Uma vontade israelense duradoura. Em 1948, 760 mil palestinos fugiram ou foram expulsos de suas casas. Foi o Nakba, o desastre. O mesmo cenário ocorreu em 1967, após a vitória israelense. Após a Guerra dos Seis Dias, 300 mil palestinos tomaram o caminho do êxodo.

A situação humanitária é desastrosa. Além da ONU, o Crescente Vermelho Palestino (PRC) denuncia as práticas do exército israelense, que bombardeou instalações de saúde 69 vezes, destruindo 12 delas; 46 dos 72 centros de saúde pararam de funcionar após o bombardeio e devido à falta de combustível.

Foto: divulgação/ Atia Darwish / APA Images

ONGs e agências da ONU (estas últimas anunciaram que 53 de seus funcionários foram mortos) relataram ter perdido contato com suas equipes em Gaza. Algumas operações cirúrgicas são realizadas sem adormecer completamente os pacientes, incluindo amputações, devido à escassez de produtos anestésicos, alertaram, no último sábado, 28, os Médicos Sem Fronteiras (MSF).

TORMENTO 

– Segundo informações da Autoridade Palestina, 70% das 9,5 mil pessoas que morreram nos ataques em Gaza são mulheres e crianças

Enquanto o porta-voz militar israelense anunciava “a expansão da invasão terrestre” em conjunto com intensos ataques aéreos direcionados a todas as áreas, o objetivo final não foi revelado. “Não temos interesse em ocupar Gaza ou ficar em Gaza”, disse o embaixador israelense na ONU, Gilad Erdan, em 12 de outubro.

A única indicação partiu do ministro das Relações Exteriores, Eli Cohen. Ele anunciou a “diminuição do território de Gaza” após a guerra. O que parece reforçar a ideia de criar uma grande zona de exclusão ao Norte e nas margens da Faixa de Gaza ao longo de Israel. Para isso, o exército israelense poderia enviar comandos encarregados de enfrentar os combatentes do Hamas, inclusive nos túneis, esporadicamente e em vários lugares ao mesmo tempo, antes de se retirar. Mais do que a morte dos seus soldados, o governo israelense teme que alguns sejam feitos prisioneiros.

As dificuldades de Benjamin Netanyahu neste caso são multiplicadas pelo seu crescente isolamento diplomático. Ele avisou que essa guerra será “longa e difícil”, mas não convence nem internacionalmente nem em seu próprio país. O primeiro-ministro se mostra incapaz de tranquilizar as famílias israelenses cujos membros estão agora em Gaza. Da mesma forma, não responde ao líder do Hamas do enclave palestino, Yahya Sinouar, que no sábado, 28 de outubro, disse estar pronto para concluir “imediatamente” a troca de reféns contra “todos os prisioneiros” palestinos.

“Muitos civis, incluindo crianças, foram mortos. Isso vai contra o direito internacional humanitário”, advertiu o Alto Representante da União Europeia, Josep Borrell. A opinião pública em todo o mundo está em emoção, quer acabar com o massacre em curso na Faixa de Gaza e expressá-lo nas próprias ruas, apesar das proibições em alguns países.

Esse borrão mantido por Israel, sem dúvida, visa não colocar o aliado dos Estados Unidos em apuros, já que Washington se tornou quase o último grande apoio de Israel, como ficou claro nos debates na ONU nos últimos dias. A Assembleia Geral que, ao contrário do Conselho de Segurança, reúne todos os estados-membros, aprovou, no final de outubro, uma resolução sobre “a proteção dos civis e o cumprimento das obrigações legais e humanitárias” por 120 votos a favor, 14 contra e 45 abstenções.

Isso quer dizer que Israel está sozinho hoje. França, Espanha e Bélgica apoiaram o texto, enquanto Alemanha, Itália e Finlândia se abstiveram. Este é um sinal de dificuldade, para alguns governos que geralmente apoiam Telavive sem limites, em se opor a tal desejo. Parar Israel é urgente. Os governos americano e europeu, incluindo a França, que desde o início só têm palavras para a defesa de Israel, carregam uma pesada responsabilidade à medida que os crimes de guerra se multiplicam em Gaza. 

Fonte: Revista Focus Brasil. Matéria publicada em 06/11/23. Dados atualizados pela redação da Revista Xapuri em 15/11/23, data de fechamento da edição 109. Foto: Divulgação/Pierre Barbancey / L’Humanité.

Foto: divulgação/ Anas al-Shareef/ Reuters
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

0 0 votos
Avaliação do artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 112
REVISTA 109
REVISTA 110
REVISTA 111
REVISTA 108
REVISTA 107
REVISTA 106
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes