Pesquisar
Close this search box.

Elizabeth Teixeira, 98: Eu continuo na luta!

Elizabeth Teixeira, 98: Eu continuo na luta!

Em 13 de fevereiro de 2023, Elizabeth Teixeira, a militante das lutas do campo brasileiro, liderança das históricas Ligas Camponesas, completou seus 98 anos de vida. Viva Elizabeth Teixeira! 

Por Zezé Weiss

De Elizabeth Altina Teixeira, a moça da roça, filha de fazendeiro, que teve que enfrentar a família para se casar João Pedro Teixeira, um homem preto, pobre, sem-terra e, ainda por cima, da luta, a longa vida sempre exigiu teima e coragem. Em 1962, com a morte do companheiro, Elizabeth assumiu a liderança do movimento camponês no município de Sapé.

O amor a João Pedro a fez fugir de casa para morar com ele, aos 16 anos. Grávida do segundo filho, mudou-se com João Pedro para Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco, e ali o ajudou a fundar o Sindicato dos Trabalhadores da Construção. Por causa da luta, a João Pedro faltou emprego e a família voltou para a Paraíba onde, ajudada por familiares, produziu seus 11 filhos e passou a liderar a luta das Ligas Camponesas no estado.

“Eu continuo na luta!”. A reação de Elizabeth após o assassinato do companheiro, morto pelas costas, com três tiros de fuzil, fez dela exemplo de resistência para o movimento dos trabalhadores rurais de Sapé, da Paraíba e do Nordeste. Nessa luta renhida, enfrentou o machismo da época e abriu picada que outras mulheres, como a amiga Margarida Maria Alves, pudessem liderar espaço de defesa dos camponeses e camponesas do Nordeste, que viviam, praticamente, em estado de escravidão.

Por conta de sua luta por direitos, terra, trabalho e dignidade, por combater o latifúndio no interior da Paraíba na década de 1960, foi presa diversas vezes, passou a viver na clandestinidade, com o nome de Marta Maria da Costa, em São Rafael, no Rio Grande do Norte, depois do golpe militar de 1964. E, provação maior, viu dois de seus filhos, José Eudes e João Pedro, serem assassinados pelo latifúndio e perdeu a filha mais velha, que se matou, por medo de que a mãe tivesse a mesma sorte do pai.

Os anos de clandestinidade duraram até 1981, quando o cineasta Eduardo Coutinho a reencontrou e a fez protagonista do documentário “Cabra Marcado para Morrer”, iniciado em 1964 e interrompido durante a ditadura militar. Lançado em 1984, “Cabra Marcado para Morrer” é considerado por críticos de cinema como um dos melhores documentários brasileiros de todos os tempos.

No Rio Grande do Norte, Elizabeth sobreviveu como lavadeira de roupa e dando aulas. Ela conta que, mesmo na clandestinidade, nunca deixou de defender a Reforma Agrária, causa que continua defendendo até os dias de hoje.

Em 2017, em um encontro como presidente Lula, ela disse: “Enquanto houver a fome e a miséria atingindo a classe trabalhadora, tem que haver luta dos camponeses, dos operários, das mulheres, dos estudantes e de todos aqueles que são oprimidos e explorados. A luta não pode parar!”.

Depois de descobrir que havia sido beneficiada pela Lei da Anistia, de 1979, Elizabeth, que vivia “exilada” apenas com um de seus filhos, voltou para a Paraíba, onde, depois de 20 anos, reencontrou a filharada e foi morar em João Pessoa, em casa doada pelo cineasta Eduardo Coutinho.

Aos 81 anos, quando foi homenageada pelo Senado brasileiro, Elizabeth marcou posição em seu discurso de agradecimento: “O que eu considero importante é que o nosso povo brasileiro se una, fiquem todos unidos, lutando por uma reforma agrária. A maior alegria da minha vida se eu tomasse conhecimento de que fosse implantada uma reforma agrária em nosso país, e que todos os homens do campo tivessem condições de sobreviver ali na terra, melhorar essas condições do trabalhador da terra, isso aí era o que eu tinha mais prazer na minha vida, e hoje, na idade em que estou, tomasse conhecimento de um movimento desses.”

O relatório final da Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória do Estado da Paraíba, reconhece que o Movimento das Ligas Camponesas, aliado aos sindicatos dos trabalhadores rurais, foi o que melhor retratou a resistência dos povos da terra no cenário de confronto do campo brasileiro durante o regime militar. À frente do espaço de luta aberto pelas Ligas Camponesas, a presença aguerrida de Elizabeth Teixeira não somente fez história, mas também, e principalmente, abriu caminho para que outras mulheres, como Margarida Maria Alves e as que a sucederam pudessem seguir teimando em nome da Resistência.

A anciã serena que, do alto de suas quase  10 décadas de vida, já recebeu e recebe grandes homenagens, dentre elas o Diploma Bertha Luz, do Senado Federal, e a Medalha Epitácio Pessoa, a mais alta honraria do Estado da Paraíba.  E para alegria sua, a casa onde viveu com João Pedro em Sapé foi tombada e hoje abriga o Memorial das Ligas Camponesas. Viva Elizabeth Teixeira em seus 98 anos! 

P.S. Por amar a vida, Elizabeth Teixeira vacinou-se contra a Covid-19 assim que a vacina foi liberada, no ano de 2021. 

Zezé Weiss – Jornalista. Editora da Revista Xapuri.
@zezeweiss

Foto de Capa: Reprodução/Documentário Ligas Camponesas


Block
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes