Florestas Estaduais: A preservação da vida na Amazônia

Florestas Estaduais: A garantia de preservação da vida na Amazônia (A experiência acreana) 

A criação das florestas estaduais está diretamente relacionada com os movimentos sociais acreanos das décadas de 1970 e 1980. A defesa da floresta significava a preservação dos seus moradores para livrá-los da expulsão de suas terras e constitui-se no ponto chave para estimular, através da Reforma Agrária na Amazônia, o surgimento das unidades de conservação…

Por João Paulo Mastrângelo

As Florestas Estaduais são desdobramentos desse modelo de reserva para finalidades específicas, principalmente para o ordenamento territorial, conservação ambiental e produção sustentável, que atenda às aspirações dos seus moradores e garanta uma estratégia de desenvolvimento regional. Esse, portanto, foi o propósito da adoção dessa modalidade de unidade de conservação no Acre.

O Acre defendeu a floresta por saber que estava defendendo a vida. Posteriormente foi aprimorando a estratégia de ordenar seus territórios, baseado em premissas de sustentabilidade para garantir a evolução das suas necessidades políticas econômicas e sociais. A essência dessa estratégia nasceu no seio das comunidades florestais acreanas e o Governo Estadual, a partir de 1999, captou esse sentimento, internalizou, aprimorou e o transformou numa política pública com resultados comprovados.

A importância da criação das Florestas Estaduais contempla alguns aspectos fundamentais às políticas públicas na Amazônia:

  1. Ser fiel à elaboração de ordenamento adotada pela comunidade conforme o modo de vida tradicional das populações;
  2. Dialogar de maneira efetiva com as principais preocupações mundiais em relação à conservação da floresta amazônica;
  3. Fortalecer uma estratégia direcionada ao desenvolvimento regional, consciente de que essas florestas são a base da matéria-prima para as atividades econômicas em evolução no Estado;
  4. Tornar competitiva a economia de base florestal, com garantia de trabalho e renda no Estado.

A criação das florestas públicas não significa preservar por preservar. Com um patrimônio de aproximadamente 500 mil hectares de Florestas Estaduais, o Governo do Estado do Acre pretende, nestas áreas, garantir a estrutura básica para a realização do manejo florestal de uso múltiplo, a prestação de serviços públicos de qualidade, além da manutenção das atividades extrativistas tradicionais e o desenvolvimento de uma agricultura familiar sustentável.

No caso específico do Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório, localizado no Vale do Juruá ao longo da Rodovia Federal BR-364 entre os municípios de Cruzeiro do Sul e Tarauacá, teve como propósito demonstrar uma forma inteligente de se construir estradas na Amazônia, garantindo em primeiro lugar a mitigação de impactos ambientais decorrentes da pavimentação da estrada e contribuir para dinamizar a economia local com inclusão social.

A Floresta Estadual do Antimary foi o grande laboratório dessa experiência que está em fase de expansão no Estado. Nesta Unidade de Conservação, por exemplo, já é uma realidade a garantia de renda para todas as famílias a partir do manejo florestal sustentável. Além disso, a Floresta do Antimary tem se tornado uma das florestas tropicais mais estudadas no mundo, no que se refere à tecnologia aplicada ao manejo florestal exercendo, portanto, um papel chave na produção de conhecimento para todas as florestas tropicais do nosso planeta.

É importante lembrar que nós acreanos ainda temos grandes desafios em relação à conservação de nossas florestas. No entanto, a experiência acumulada com a criação da gestão de Florestas Estaduais no Estado do Acre confirma a viabilidade do modelo, atestando, desta forma, que importantes passos foram dados pelo Governo e a sociedade acreana em busca da sustentabilidade em todas as suas dimensões na Amazônia, que atualmente representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes no mundo com a maior diversidade do planeta.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

João Paulo Mastrângelo – Engenheiro Florestal, MSc, em “Acre – um estado florestal” – publicação do Governo do Estado do Acre – mandato do governador Tião Viana, sem data. Dada a pressão para a redução das reservas estaduais na Amazônia, o texto se faz necessário para a compreensão do que está em risco de perda.

Foto de Capa – Floresta do Antimary – El Pais. 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora