LOGO BRANCA XAPURI
Pesquisar
Close this search box.
Cerrado

Cerrado: Taxa de desmatamento preocupa

Cerrado tem redução nas taxas de desmatamento em 2018. Mas ainda preocupa

A taxa de desmatamento do Cerrado é a menor desde que dados oficiais começaram a ser publicados, mas ainda é uma taxa preocupante para a savana mais biodiversa do mundo

Por WWF-Brasil

Brasília, 11 de dezembro – Os resultados divulgados nesta terça-feira (11/12) pelos ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Ciência Tecnologia, Informação e Comunicações (MCTIC) mostram que o bioma Cerrado perdeu 6.657 km² de área nativa no período de agosto de 2017 a julho de 2018, de acordo com os resultados do PRODES Cerrado, projeto que mapeia o desmatamento em toda a extensão deste bioma.

O número mostra uma redução de 11% no desmatamento em relação ao mesmo período do ano anterior. Apesar do resultado positivo, é fundamental garantir o monitoramento, a fiscalização do desmatamento ilegal e ampliar políticas públicas e privadas para alcançar redução e controle do desmatamento. No avanço dessa agenda, é essencial que o governo incorpore na divulgação dos dados a proporção do quanto desse desmatamento é legal ou ilegal.

O PRODES Cerrado considera como desmatamento a remoção completa da cobertura vegetal natural do bioma, independentemente da utilização subsequente destas áreas. Desde junho deste ano, as informações divulgadas passam a ser atualizadas anualmente. Em 2016 perdemos 6.777 km2 de vegetação nativa. Em 2017, a perda foi de 7.474 km2. O dado de 2018 liberado hoje de 6.657 km2 representa a menor área desmatada registrada na série histórica. Embora seja menor, o dado ainda é preocupante. Os dados estão disponíveis neste link

“Os dados anuais são fundamentais para não só mensurar a taxa de perda de vegetação, mas também para entender a dinâmica do desmatamento e propiciar ações mais assertivas no seu controle. Dar visibilidade e transparência a estes dados permite que outros atores também atuem, como o setor do agronegócio”, afirma Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil.

Cerrado
Fonte: Inpe/Prodes Cerrado 2018 (organizado pelo MMA).

Ciência e Inovação
Liderado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o projeto de monitoramento da cobertura vegetal iniciou-se nos anos 70 para o bioma Amazônia e vem sendo expandido para outros biomas, como o Cerrado. É uma tecnologia desenvolvida pela Ciência brasileira e um serviço prestado pelo INPE para toda a sociedade brasileira. Para realizá-lo, é preciso apoio e investimento. O projeto pretende, até 2020, realizar o monitoramento em todo o país.

“Reconhecido internacionalmente, o monitoramento contínuo, atualmente, tem foco na perda da cobertura vegetal, mas é fundamental entender qual o impacto do desmatamento na biodiversidade, nas paisagens naturais e nos serviços ambientais. É uma contribuição para a sociedade e para que outras instituições, dentro e fora do governo, possam fazer estudos ambientais”, explica Cláudio Almeida, coordenador do Programa de Monitoramento da Amazônia e Demais Biomas do INPE.

Nos governos estaduais, o poder da transparência
O Cerrado se estende por 11 estados em área de cerca de 2 milhões Km2, o equivalente a 23% do território nacional. Apesar de a análise espacial trazer o panorama total do desmatamento no bioma, ele não responde se a remoção da cobertura vegetal aconteceu de forma legal ou ilegal.

“Os dados do PRODES nos ajudam a ver onde está acontecendo a conversão. O próximo ponto é compreender o porquê e de que maneira ela ocorre. Neste contexto, os dados de autorização de supressão emitidos pelos estados e municípios, bem como os dados do CAR e PRA, são fundamentais”, afirma Edegar Rosa, coordenador do Programa Agricultura e Alimentos do WWF-Brasil.

No Brasil, qualquer atividade que envolva manejo e/ou supressão de vegetação nativa necessita autorização, seja qual for o tipo da vegetação e seu estágio de desenvolvimento. Se a atividade ultrapassar os limites territoriais do estado onde será implantado o empreendimento, e em casos específicos, cabe ao IBAMA a autorização para supressão da vegetação nativa. Em caso de atividades cujos os impactos sejam restritos ao território do estado, a competência para avaliação e emissão das licenças será de responsabilidade dos órgãos estaduais e municipais, como as Secretarias de Meio Ambiente.

“O que acontece hoje é que não há transparência na emissão dessas licenças, uma vez que essas autorizações não são públicas. Os governos estaduais têm um papel fundamental nisso para atuar em conjunto com o Ministério Público, na fiscalização dessas atividades, coibindo e penalizando desmatamentos fora da lei”, afirma Frederico Machado, especialista em políticas públicas do WWF-Brasil.

Vale lembrar que, no caso do Cerrado, é permitido pelo Código Florestal desmatar entre 65% e 80% da vegetação nativa em área privada, dependendo do estado, o que fragiliza ainda mais a proteção do bioma. Além disso, a prorrogação do prazo para registro das propriedades rurais no Cadastro Ambiental Rural (CAR), pela quarta vez, atrasa o monitoramento do cumprimento da lei de proteção de Áreas de Preservação Permanente e Reservas Legais.

“Nós temos elementos de sobra para reforçar a importância e a urgência de proteger o Cerrado. Mesmo que o Código Florestal deixe o bioma em segundo plano, nem mesmo ele é cumprido, a exemplo do observado no Mato Grosso, onde 98% do desmatamento do Cerrado, entre 2016 e 2017, foi ilegal. É preciso coibir os ilícitos e virar esse jogo, o que só será possível por meio de uma combinação de esforços que inclua os Ministérios Públicos Federal e Estaduais, a sociedade civil, a iniciativa privada e os governos”, afirma Machado.

A ocorrência de desmatamento nos estados que compõem o bioma Cerrado foi da seguinte forma:
Cerrado

Biodiversidade: chave do desenvolvimento econômico
As causas para o desmatamento do bioma são antigas e se repetem: especulação fundiária movida pela expansão da pecuária e da agricultura de larga escala, crescimento urbano, novas infraestruturas e pela mineração, segundo o relatório Planeta Vivo do WWF.

O Cerrado é considerado uma das regiões mais ricas em biodiversidade no planeta, com muitas espécies da flora e fauna que ocorrem apenas nesse bioma, além de terem potencial econômico para alimentação e pesquisas sobre princípios ativos para medicamentos e outros usos.

O bioma estoca 13,7 bilhões de toneladas de CO2 e abastece grandes reservatórios e bacias hidrográficas do país, sendo por isso chamado de “o berço das águas”. Toda essa riqueza vem sendo negligenciada devido a um modelo de desenvolvimento que não considera o potencial da nossa biodiversidade e riqueza natural como ativos econômicos.

Cerca de 40% da população brasileira vive no Cerrado. À medida que o bioma é vítima de um intenso processo de degradação, as condições de vida de comunidades tradicionais e povos indígenas, seus modos de vidas, culturas e saberes ficam ameaçados e inviabilizados.

“O Cerrado não deve ser tratado apenas sob o viés de produção de commodities. O bioma é uma rica fonte de recursos naturais que podem ser utilizados para diferentes fins, e que hoje ainda é pouco valorizado e explorado”, afirma Júlio Sampaio, coordenador do Programa Cerrado-Pantanal do WWF-Brasil.
“Precisamos manter as áreas de vegetação nativa, que garantem água e outros serviços ecossistêmicos para centros urbanos, para o agronegócio, para o setor de energia, e principalmente, proporcionam mais qualidade de vida”, completa Sampaio.

Fonte: WWF-Brasil

 

Salve! Taí a Revista Xapuri, edição 82, em homenagem ao Jaime Sautchuk, prontinha pra você! Gostando, por favor curta, comente, compartilhe. Boa leitura !
[3d-flip-book id=”97806″ ][/3d-flip-book]

 

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia.GRATIDÃO!

Anúncios

loja Xapuri camisetas

 

E-Book Por Um Mundo Sem Veneno

COMPRE AQUI

Capa Venenos para site 300x300 px 1 1

 
 
 
 
 
 

 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parcerias

Ads2_parceiros_CNTE
Ads2_parceiros_Bancários
Ads2_parceiros_Sertão_Cerratense
Ads2_parceiros_Brasil_Popular
Ads2_parceiros_Entorno_Sul
Ads2_parceiros_Sinpro
Ads2_parceiros_Fenae
Ads2_parceiros_Inst.Altair
Ads2_parceiros_Fetec
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

REVISTA

REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

CONTATO

logo xapuri

posts recentes