Pesquisar
Feche esta caixa de pesquisa.

Folha de louro: uma opção de tratamento natural

Folha de louro: uma opção natural no apoio ao tratamento do câncer e do diabetes

Usada em diversos pratos como sopas, chá e molhos, a folha de louro proporciona benefícios para a saúde…

Por Stella Legnaioli/Ecycle

folha de louro vem do loureiro, uma árvore que atinge até dez metros de altura e é conhecida cientificamente como Laurus nobilis. As folhas de louro podem ser colhidas e utilizadas durante todo o ano. Seus frutos, entretanto, semelhantes a pequenas azeitonas escuras, são colhidos apenas durante dois meses do ano. Sendo do mediterrâneo, o louro é muito cultivado em vários jardins da Itália, mas também é possível cultivá-lo no Brasil.

Muito usada na culinária em diversos pratos como sopas, legumes, chá e molhos, a folha de louro proporciona benefícios para a saúde, como controlar os níveis de açúcar no sangue e o colesterol, tratar feridas, entre outros. Confira:

Potencial de uso contra o câncer

Um estudo concluiu que o extrato da folha de louro é uma opção natural capaz de eliminar células cancerígenas, auxiliando a apoptose (a morte celular programada).

Uma solução para o diabetes

De acordo com um outro estudo, tomar todos os dias cápsulas que contêm de um a três gramas de folha de louro pode ajudar a diminuir e a controlar os níveis de glicose e colesterol em pessoas com diabetes. Isso ocorre, provavelmente, porque as folhas de louro contêm polifenóis, que são poderosos antioxidantes. Esta informação promissora indica que a folha de louro pode ajudar a regular e até prevenir o diabetes e outras doenças cardiovasculares.

Pode tratar feridas

Alguns estudos mostraram que as propriedades curativas do extrato da folha de louro podem reduzir a inflamação de feridas. Apesar desses experimentos terem sido realizados em ratos, as cientistas imaginam que em humanos o efeito seja semelhante. Se assim for, a antiga tradição de usar folha de louro para curar feridas tem finalmente uma prova científica.

Trata pedras nos rins

Um estudo analisou o efeito do extrato de folha de louro sobre pedras dos rins e chegou a conclusão de que, juntamente com oito outras ervas medicinais tradicionais, a folha de louro foi capaz de reduzir a quantidade de urease no organismo. Isso significa que ela tem potencial para auxiliar o tratamento de pedras nos rins.

Auxilia tratamento de convulsão

Textos antigos referem-se à folha de louro como um remédio para convulsões. Um estudo realizado em ratos mostrou que, essa prática, pode ter respaldo científico, pois o extrato da folha de louro foi eficaz contra convulsões.

Chá de louro para o estômago

A infusão de louro é usada para aliviar dores de estômago ou cólica, pois promove a digestão e ajuda a expelir os gases do trato gastrointestinal.

Use de três a quatro folhas para preparar o chá de louro. Deixe a folha de lourona água fervente por cerca de dez minutos e tome entre duas ou três xícaras ao dia.

Usos do louro na cozinha

A principal função da folha de louro na cozinha é temperar o mais diversos pratos, mas ela também proporciona o benefício de tornar suas receitas mais digeríveis, evitando o risco de inchaço abdominal.. Essa erva aromática combina particularmente com molho de tomate, feijão, grão-de-bico, lentilha, refogados e chá.

Mas é importante saber que a folha de louro não deve ser ingerida, devendo ser removidas após o preparo da refeição.

Contraindicações

Quando consumido em exagero o louro pode causar sonolência, cólicas abdominais, diarreia e dor de cabeça. O uso tópico pode causar erupções cutâneas e dermatites em pessoas hipersensíveis à planta. O consumo diário de louro, e acima de tudo os remédios naturais que utilizam o louro em sua composição, são contraindicados para mulheres grávidas, pois podem estimular o aborto. Os remédios naturais de louro também não são recomendados para crianças.

Fonte: Ecycle


revista 115
IMG 7526
revista 113
revista 112
Revista 111 jpg
IMG 4348
revista 109
REVISTA 115
REVISTA 114
REVISTA 113
REVISTA 112
REVISTA 111
REVISTA 110
REVISTA 109
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UMA REVISTA PRA CHAMAR DE NOSSA

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN dele, a Linda Serra dos Topázios. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo independente e democrático de informação.

Resolvemos fundar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Mais um trabalho de militância, voluntário, por suposto. Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também.

Correr atrás da grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, Jaime fechou questão – “nossas cores vão ser o vermelho e o amarelo, porque revista tem que ter cor de luta, cor vibrante” (eu queria verde-floresta). Na paz, acabei enfiando um branco.

Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, em uma noite. Optamos por centrar na pauta socioambiental. Nossa primeira capa foi sobre os povos indígenas isolados do Acre: ‘Isolados, Bravos, Livres: Um Brasil Indígena por Conhecer”. Depois de tudo pronto, Jaime inventou de fazer uma outra boneca, “porque toda revista tem que ter número zero”.

Dessa vez finquei pé, ficamos com a capa indígena. Voltei pra Brasília com a boneca praticamente pronta e com a missão de dar um jeito de imprimir. Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, “de grátis”. Com a primeira revista impressa, a próxima tarefa foi montar o Conselho Editorial.

Jaime fez questão de visitar, explicar o projeto e convidar pessoalmente cada conselheiro e cada conselheira (até a doença agravar, nos seus últimos meses de vida, nunca abriu mão dessa tarefa). Daqui rumamos pra Goiânia, para convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa, nosso primeiro conselheiro. “O mais sabido de nóis,” segundo o Jaime.

Trilhamos uma linda jornada. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo. Às vezes, ligava pra falar da ótima ideia que teve, às vezes sumia e, no dia certo, lá vinha o texto pronto, impecável.

Na sexta-feira, 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com os rumos da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.

Hoje, cá estamos nós, sem as capas do Jaime, sem as pautas do Jaime, sem o linguajar do Jaime, sem o jaimês da Xapuri, mas na labuta, firmes na resistência. Mês sim, mês sim de novo, como você sonhava, Jaiminho, carcamos porva e, enfim, chegamos à nossa edição número 100. E, depois da Xapuri 100, como era desejo seu, a gente segue esperneando.

Fica tranquilo, camarada, que por aqui tá tudo direitim.

Zezé Weiss

P.S. Você que nos lê pode fortalecer nossa Revista fazendo uma assinatura: www.xapuri.info/assine ou doando qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Gratidão!

PARCERIAS

REVISTA

CONTATO

logo xapuri

posts relacionados